AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E USO DE MEDICAMENTOS ANOREXÍGENOS E ANABOLIZANTES EM ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

  • Ailton Paranaíba Vilela Neto
  • Bárbara Pacheco de Assis
  • Jade Souza Ferreira Pinto
  • Leda Marília Fonseca Lucinda
  • Márcio Heitor Stelmo da Silva
  • Ricardo Leão Carmo
  • Vanessa Oliveira Damasceno

Resumo

Introdução. A insatisfação corporal aumentou nos últimos anos, devido à busca de se enquadrar em um padrão definido, o que pode levar os jovens a se submeterem a medidas drásticas, como o uso de substâncias anabolizantes ou anorexígenas, além do maior risco de atitudes alimentares patológicas. Objetivo. Avaliar a satisfação corporal de acadêmicos matriculados em faculdades em uma cidade do interior de Minas Gerais, dividindo-os em cursos de área “saúde” e “não saúde”, e buscar a prevalência de atitudes alimentares patológicas, uso de medicamentos anorexígenos e anabolizantes. Materiais e Métodos. Pesquisa de corte transversal, baseada na aplicação de questionários preenchidos por estudantes de faculdades de Barbacena, MG. Foram incluídos apenas maiores de 18 anos que consentiram em participar do estudo e foram aplicados os questionários Body Shape Questionaire (“BSQ”)`, e Eating Attitude Test(“EAT-26”). Resultados. O grupo não “saúde” apresentou maior média de IMC [23,4(DP±4,35) x22,69(DP±3,34)]. Já o grupo “saúde” apresentou maior prática de atividade física (44,04%x32,40%), insatisfação corporal (46,79%x31,77%), presença de atitudes alimentares patológicas (17,25%x9,03%), e uso de substâncias anorexígenas e anabolizantes (16,88%x10,18%).Conclusão. Os universitários estão, na maioria, satisfeitos com a imagem corporal e não apresentam atitudes alimentares patológicas, entretanto dentre aqueles que as apresentam, os do grupo “saúde” tiveram maior prevalência de insatisfação corporal e atitudes alimentares patológicas, e fazem maior uso de substâncias anorexígenas e anabolizantes, mesmo com o maior conhecimento repassado pelas disciplinas de graduação de estudantes da saúde, que abordam mais sobre os efeitos e riscos do uso indiscriminado de tais substâncias e da importância de uma alimentação saudável.

Publicado
2019-07-31