AUSÊNCIA DE TOXICIDADE REPRODUTIVA E SISTÊMICA EM RATOS WISTAR TRATADOS COM EXTRATO SECO DE GINGKO BILOBA DURANTE O PERÍODO DE DESMAME À PUBERDADE

  • Martha de Oliveira Guerra
  • Vera Maria Peters
Palavras-chave: Gingko biloba. Puberdade. Toxicidade. Rato.

Resumo

Introdução: O Gingko biloba (EGb) é um fitoterápico usado há séculos, porém com poucos estudos referentes a seus efeitos sobre o período pós-natal. Estudos dessa natureza vêm sendo preconizados pela Agência Europeia de Medicina, visto que muitos órgãos completam seu desenvolvimento nesse período, inclusive o sistema reprodutor. Objetivo: Avaliar o efeito do extrato seco de EGb sobre o desenvolvimento do sistema reprodutor de ratos, tratados desde o desmame até o fim da puberdade. Métodos. Ratos Wistar foram tratados com 25mg/kg/massa corporal (EGb 25); 50 mg/kg (EGb 50) e 100 mg/kg (EGb 100). Controle (C – 0,1ml água destilada), por gavage dos 25 aos 45 dias de vida pós-natal. Variáveis observadas: indícios clínicos de toxicidade sistêmica, peso corporal, descida dos testículos, evolução da morfologia da glande, peso de rins, baço e fígado e dos órgãos do sistema reprodutor. Hematimetria, Concentração de hemoglobina. Concentração de espermatozoides na secreção epididimária. Resultados: Não foram encontradas diferenças significativas em quaisquer das variáveis. Conclusão: A exposição ao extrato seco de EGb durante o período pré-puberal e puberal em ratos Wistar não altera o desenvolvimento do sistema reprodutor masculino.

Publicado
2016-05-12
Seção
Artigo Original