AVALIAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO DE GESTANTES COM HEMOGLOBINA BAIXA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

  • Tatiane Ferreira dos Santos
Palavras-chave: Anemia. Ferro. Gestação. Hemograma.

Resumo

O grupo das gestantes é um dos mais sensíveis a possuírem anemia e as conseqüências deletérias dela decorrente. Essa pesquisa
pretende demonstrar a importância de realizar durante o pré-natal os exames necessários incluindo o hemograma completo
e a cinética do ferro. Na gestação normal ocorre expansão do volume plasmático de 40 a 60% e da massa de eritrócitos de 20
a 40%, ocorrendo do sexto ao sétimo mês. Dados da Organização Pan-Americana da Saúde indicam que 42% das gestantes
no Brasil seriam anêmicas. Geralmente nas mulheres grávidas a anemia é causada pelo aumento da necessidade de ferro e a
estratégia de combate à deficiência de ferro e à anemia ferropênica já está bem estabelecida, consistindo resumidamente nos
seguintes pontos: modificação dos hábitos alimentares, diagnóstico e tratamento das causas da perda de sangue, controle
de infecções que contribuem com a anemia, fortificação de alimentos e suplementação medicamentosa com sais de ferro.
O presente trabalho tem como objetivo avaliar o acompanhamento de gestantes com hemoglobina baixa na unidade básica
de saúde pesquisada e verificar a eficácia dos procedimentos adotados por essa instituição para reverter o quadro supra
mencionado. Tratou-se de um estudo transversal com dados secundários. Os dados demonstraram que a prevalência de
anemia aumentou e a concentração de hemoglobina reduziu com a evolução da gestação.
Publicado
2010-12-08