Epidemiologia da sífilis congênita no Brasil: Uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/2179-3700.2020.v20.31004

Palavras-chave:

Sífilis Congênita. Epidemiologia. Revisão Sistemática. Incidência. Mortalidade.

Resumo

Introdução: A sífilis congênita (SC) ocorre através da disseminação hematogênica, do Treponema pallidum, da gestante infectada não tratada ou inadequadamente tratada para o concepto via transplacentária. Houve um progressivo aumento na sua taxa de incidência no Brasil nos últimos 10 anos, relacionado a diversos fatores.

Objetivo: Investigar a distribuição espacial e temporal da incidência e da mortalidade por SC no Brasil e seus fatores associados.

Material e métodos: Foi feita uma revisão sistemática da literatura,cujo protocolo está registrado na base PROSPERO (International Prospective Register of Systematic Reviews) com o número CRD42018083448. Foram pesquisadas as bases MEDLINE, LILACS, WEB OF SCIENCE e SCOPUS, com estratégias de busca que incluíram os termos sífilis congênita, epidemiologia, Brasil, alguns sinônimos e termos correlatos, em

português e em inglês, no período de 2007 a 2017. O processo de seleção dos artigos e extração de seus dados foi feito por dois pesquisadores independentes.

Resultados: De um total de 58 referências finais analisadas, observou-se em estudos realizados em todas as regiões demográficas do país que a incidência de SC tem crescido. Trinta e seis destes analisaram fatores de risco para a patologia destacando-se assistência pré natal inadequada, baixa escolaridade materna, raça negra, baixo nível socioeconômico, parceiro não tratado e idade materna. Os dados sobre as taxas de incidência e mortalidade de SC no Brasil foram heterogêneos em função da seleção dos trabalhos. Observamos taxas de incidência mais elevadas nos trabalhos entre 2006 a 2015 e nas regiões Centro Oeste, Sudeste e Sul. A menor taxa de incidência foi observada em estados do Nordeste, porém, nessa região foi relatada a maior taxa de mortalidade.

Conclusão:Através deste estudo foi possível mapear, na literatura brasileira, alguns dos principais fatores de risco do processo saúde doença da SC nos últimos anos. Ao desdobrarmos essas variáveis, demonstramos direta correlação com condições sociais, econômicas e educacionais das gestantes e ainda, na qualidade do atendimento pré-natal. Há relatos na literatura sobre aumento da incidência de SC no Brasil, porém há poucos dados sobre a mortalidade da SC no país.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para a prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília-DF. 2019.

CARDOSO, Ana Rita Paulo et al . Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 23, n. 2, p. 563-574, Fev. 2018.

KIMBERLIN, David et al . Red Book 2018 - syphilis - report of the committeeon infectious diseases. 31. ed. American Academy of Pediatrics. Itasca 2018: p 773 a 788.

SILVEIRA, Sarah de Lima Alloufa da. Estudo epidemiológico da sífilis congênita : a realidade de um hospital universitário terciário. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Medicina de Botucatu. Botucatu – SP. 2017.

CAVALCANTE, Patrícia Alves de Mendonça; PEREIRA, Ruth Bernardes de Lima; CASTRO, José Gerley Diaz. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 26, n. 2, p. 255-264, jun. 2017.

VIANNA, Paula Vilhena Carnevale Vianna, et al. Sífilis congênita, um evento sentinela: narrativas de mães de filhos nascidos com sífilis em uma cidade metropolitana paulista. Revista Univap. São José dos Campos-SP, v. 23, n. 42, jul. 2017.

CAVALCANTE, Patrícia Alves de Mendonça; PEREIRA, Ruth Bernardes de Lima; CASTRO, José Gerley Diaz. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 26, n. 2, p. 255-264, June 2017.

TIAGO, Zuleica da Silva et al. Underreporting of gestational, congenital and acquired syphilis among indigenous peoples in Mato Grosso do Sul State, Brazil, 2011-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v 26, n 3, 503-512. Set. 2017.

GONÇALVES E SILVA, Helena Caetano et al. Incidência de sífilis congênita no estado de Santa Catarina no ano de 2012 / Congenital syphilis incidence in the state of Santa Catarina in 2012. Arquivo Catarinense de Medicina ; 46(2): 15-25, abr. - jun. 2017.

SORTICA, Alice Coletto. Rede de atenção à saúde, sífilis e educação em saúde, a intersecção necessária : um estudo de caso sobre sífilis em gestante e congênita no município de Esteio. Dissertação – Mestrado. Porto Alegre – RS. 2017.

SILVA NETO, Sergio Eleuterio da. Investigação de sífilis congênita no município de Itapeva (SP): fatores que podem interferir no diagnóstico e tratamento da sífilis na gestação. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2017.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira et al. Prevalence of syphilis and HIV infection during pregnancy in incarcerated women and the incidence of congenital syphilis in births in prison in Brazil. Cadernos de Saúde pública, v. 33, n. 11, p. 1-15, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para a prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e Hepatites virais. Brasília-DF, 2017.

SARACENI, Valeria, et al.Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Pubblica. 41. 2017.

CERQUEIRA, Luciane Rodrigues Pedreira de et al . The magnitude of syphilis: from prevalence to vertical transmission. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo , v. 59, e78, 2017.

LAZARINI, Flaviane Mello; BARBOSA, Dulce Aparecida. Educational intervention in Primary Care for the prevention of congenital syphilis. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 25, e2845, 2017.

MACIEL, Rayane Bento et al. Epidemiologic profile of the cases of syphilis in Americana - SP from 2005 to 2015. Journal of Epidemiology and Infection Control, [S.l.], v. 7, n. 3, p. 161-168, aug. 2017.

SOUZA, J. M.. Avaliação da distribuição espacial e dos aspectos epidemiológicos da sífilis congênita e da sífilis em gestantes na região do Pontal do Paranapanema. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) - Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente. 2016.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v 32, n 6, June, 2016.

CANTO, Surama Valena Elarrat. Mortalidade Fetal E Infantil Por Sífilis Congênita No Estado Do Ceará. Dissertação – Mestrado em Saúde Coletiva. Universidade de Fortaleza. Foraleza – CE. 2016

BONI, Sara Macente; PAGLIARI, Priscila Bertoncello. Incidência de sífilis congênita e sua prevalência em gestantes em um município do noroeste do Paraná. Saúde e Pesquisa. v 9, n 3, p 517-524. 2016.

ACOSTA, LMW et al. Coinfecção HIV/sífilis na gestação e transmissão vertical do HIV: um estudo a partir de dados da vigilância epidemiológica. Rev Panam Salud Publica. V 40, n 6, p 435-442. 2016.

SALGUEIRO, Suzana Aparecida Lobato. Tendência da sífilis congênita no estado do Pará até 2025. Dissertação (Mestrado) –Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais. Universidade Federal do Pará. Belém – PA. 2016.

CARDOSO, ARP et al. Underreporting of Congenital Syphilis as a Cause of Fetal and Infant Deaths in Northeastern Brazil. Plos One. v 11 n 12, p 1–11. 2016.

BAIÃO CAMPOS, André Luiz. Os desafios nas entrelinhas: análise do Plano de Eliminação da Sífilis Congênita no estado de Sergipe no contexto da Rede Cegonha. Dissertação (mestrado profissional) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. 2015.

MURICY, Carmen Lucia; PINTO JUNIOR, Vitor Laerte. Congenital and maternal syphilis in the capital of Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 48, n. 2, p. 216-219, Apr. 2015.

HEBMULLER, Marjorie Garlow; FIORI, Humberto Holmer; LAGO, Eleonor Gastal. Subsequent pregnancies in women with previous gestational syphilis. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 20, n. 9, p. 2867-2878, Sept. 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Caderno de boas práticas : o uso da penicilina na Atenção Básica para a prevenção da sífilis congênita no Brasil. Brasília – DF. 2015.

NONATO, Solange Maria et al. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v 24, n 4, p 681-694. out-dez. 2015.

BAGATINI, Carmen Luisa Teixeira. Programa de teste rápido para sífilis no pré natal da atenção básica no Rio Grande do Sul. Disssertação – Mestrado. Porto Alegre – Rs. 2014.

SERAFIM, Anie Savi et al . Incidence of congenital syphilis in the South Region of Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 47, n. 2, p. 170-178, Apr. 2014.

SOEIRO, Claudia Marques de Oliveira et al . Syphilis in pregnancy and congenital syphilis in Amazonas State, Brazil: an evaluation using database linkage. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 30, n. 4, p. 715-723, Apr. 2014.

OLIVEIRA, Leila Regina de et al . Evaluation of preventative and control measures for congenital syphilis in State of Mato Grosso. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 47, n. 3, p. 334-340, June 2014.

CHAVES Jéssica, et al. Sífilis congênita: análise de um hospital do interior do estado do RS. Revista da AMRIGS. v 58, n 3, 2014.

LINS, Cyntia Dantas de Macedo. Epidemiologia da sífilis gestacional e congênita no extremo setentrional da Amazônia. Dissertação – Mestrado. Universidade Federal de Roraima. Boa Vista, 2014.


COUTINHO, RLC. Sífilis Congênita: panorama do agravo em um hospital de ensino. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

MURICY, Carmen Lucia. Evolução dos casos de sífilis congênita notificados no Distrito Federal em 2010. 2014. Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014

CARVALHO, Isaiane da Silva et al. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(2), 287-294. Jun. 2014.

LIMA, Marina Guimarães, Santos et al. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Ciência & Saúde Coletiva, v 18, n 2, 499-506. Fev. 2013

COSTA, Camila Chaves da et al . Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 47, n. 1, p. 152-159, Feb. 2013.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira et al . Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 47, n. 1, p. 147-157, Fev. 2013.

LAGO, Eleonor, et al. Clinical Features and Follow-up of Congenital Syphilis. Sexually Transmitted Diseases. v 40, n 2, p 86-94, feb. 2013.

CATUNDA, H. L. O. et al. Epidemiological analysis of congenital syphilis in the state of Ceará, Brazil. J. bras. Doenças Sex. Transm., Niteroi, v. 25, n. 1, p. 7-12, 2013

FONSECA. Sandra C, et al. Incidence of congenital syphilis in a metropolitan region of Rio de Janeiro state: social inequalities. DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis. v 25, n 1, p 21-25. 2013.

GALATOIRE, Pamela Sue Aranibar; ROSSO, José Antônio; SAKAE, Thiago Mamôru. Incidência de sífilis congênita nos estados do Brasil no período de 2007 a 2009. Arquivo Catarinense de Medicina, v. 41, n. 2, p. 26-32, mar, 2012.

ARAUJO, Cinthia Lociks de et al . Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 46, n. 3, p. 479-486, June 2012.

SARACENI, Valéria; MIRANDA, Angélica Espinosa. Relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família e o diagnóstico de sífilis na gestação e sífilis congênita. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 28, n. 3, p. 490-496, Mar. 2012.


SILVA, Lucinadja Gomes; CUNHA, Jane Cris de Lima.Transmissão vertical: um estudo epidemiológico da infecção pelo HIV/aids e sífilis congênita no Estado do Ceará de 2001 a 2007. Epidemiol. Serv. Saúde. Brasília, 20(1):111-117, jan-mar – 2011.

VACCARI, Alessandra. Epidemiologia, clínica e evolução de recém-nascidos com sífilis congênita. Dissertação – Mestrado. Porto Alegre – RS. 2011.


FLORES, Rute Leila dos Reis. Sífilis congênita no município de Belém, Pará: análise dos dados registrados nos sistemas de informação em saúde (SINAN, SIM e SINASC). 2011. 53 f. Dissertação (Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2011.


HOLANDA, Maria Tereza Costa Gomes de et al . Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte - 2004 a 2007. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 20, n. 2, p. 203-212, jun. 2011.


ROCHA, Rebeca Silveira. Atenção pré-natal na rede básica de Fortaleza-CE: uma avaliação da estrutura, do processo e do resultado. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Saúde Pública) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências da Saúd Fortaleza – CE. 2011.

LOUREIRO, Marisa Dias Rolan. Infecção pelo Treponema pallidum em gestantes e sua transmissão vertical, Mato Grosso do Sul, 2009. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Programa Multiinstitucional Rede Centro-Oeste, Universidade de Brasília / UFG / UFMS, Campo Grande, 2009.

XIMENES IPE, et al. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev RENE. V9, N 3, P 74-80, 2008.

PRIMO, Cândida Caniçali et al. Sífilis congênita: perfil epidemiológico de um município do Espírito Santo, Brasil. REME – Rev. Min. Enferm. v 2, n3, p 285-290, jul/set, 2007.


DONALISIO, Maria Rita; FREIRE, June Barreiros; MENDES, Elisa Teixeira. Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil - desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 16, n. 3, p. 165-173, set. 2007.

FIGUEIRÓ-FILHO, Ernesto Antonio, et al.Sífilis congênita como fator de assistência pré natal no município de Campo Grande – MS. DST – J bras Doenças Sex Transm; 19(3-4): 139-143. 2007.


KOMKA, Maria Regina; LAGO, Eleonor Gastal. Sífilis congênita: notificação e Realidade. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 205-211, out./dez. 2007.

Downloads

Publicado

2021-02-10

Como Citar

Andrade, E., Valvassori, P. M. D., Mingote, A. C. A., Guedes, A. L. de L., & Nogueira, M. C. (2021). Epidemiologia da sífilis congênita no Brasil: Uma revisão sistemática. Principia: Caminhos Da Iniciação Científica, 20, 23. https://doi.org/10.34019/2179-3700.2020.v20.31004

Edição

Seção

Artigos originais - Ciências da Saúde