Remoção da atividade estrogênica por cloração

  • João Monteiro Neto
  • Juliana Palermo Evangelista dos Santos
  • Taiza dos Santos Azevedo
  • Thamara Costa Resende
  • Nayara Coury de Rezende
  • Ann Honor Mounteer
  • Sue Ellen Costa Bottrel
  • Renata de Oliveira Pereira
Palavras-chave: 17β- estradiol, Hormônios, Tratamento de água, YES

Resumo

Encontrados em diferentes matrizes ambientais devido à ineficiência de remoção em estações de tratamento de esgoto, os denominados micropoluentes são alvos de estudos por causarem diversos efeitos adversos à saúde do ser humano, mesmo em baixas concentrações. São exemplos os hormônios, destacando-se o 17-β-estradiol (E2), o qual tem elevado potencial estrogênico e foi encontrado em mananciais superficiais no Brasil. Dessa maneira, o presente estudo tem como objetivo avaliar a cloração como modo de remoção da atividade estrogênica do E2 em diferentes condições de dose de cloro e tempo de contato previstos em norma, bem como quantificar a atividade estrogênica remanescente através do ensaio Yeast Estrogen Screen (YES). Para a dose de cloro de 0,5 mg.L‑1 e tempo de contato de 30 minutos, a remoção da atividade estrogênica foi de 98,6 ± 1,1%; e para a maior dose, de 5 mg.L-1, obteve-se 99,5 ± 0,1% de remoção no mesmo tempo. Avalia-se que tanto a dose quanto o tempo de contato foram significativos na remoção da atividade estrogênica. Mais estudos em busca de condições ótimas de cloração, identificação de subprodutos da reação e avaliação da remoção em diferentes tecnologias de tratamento são necessários.

Referências

AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION; AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION; WATER ENVIRONMENT FEDERATION. Standard methods for the examination of water and wastewater. 20. ed. Washington D.C.: American Public Health Association, 2005.
ALUM, A. et al. Oxidation of Bisphenol A, 17β-Estradiol, and 17α-Ethynyl Estradiol and Byproduct Estrogenicity. Environmental Toxicology, v. 19, n. 3, p. 257-264, 2004.
BASTOS, R. K. X.; BEVILACQUA, P. D.; MIERZWA, J. C. Análise de risco aplicada ao abastecimento de água para consumo humano. In: PÁDUA, V. L. P. (Coord.). Remoção de microrganismos emergentes e microcontaminantes orgânicos no tratamento de água para consumo humano. Belo Horizonte: Ed. ABES, 2009. p. 327-360.
BILA, D. M. Degradação e remoção da atividade estrogênica do desregulador endócrino 17β-estradiol pelo processo de ozonização. 2005. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e consequências. Química Nova,v. 30, p. 651-666, 2007.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação Nº 5. Anexo XX de 28 de setembro de 2017. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2017.
HU, J. et al. Products of aqueous chlorination of 17a-estradiol and their estrogenic activities. Environmental Science Technology, v. 37, p. 5665-5670, 2003.
LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidade e tratamento de água. 3. ed. Belo Horizonte: Átomo, 2008.
MARTINS, H.; FRANCHINI, S. E.; FIGUEIREDO, C. A. C. Disruptores endócrinos e hormônios sexuais: os danos causados pela exposição a esses contaminantes. Visão Acadêmica,v. 16, n. 2, 2015.
MONTAGNER, C. C.; VIDAL, C.; ACAYABA, R. D. Contaminantes emergentes em matrizes aquáticas do Brasil: cenário atual e aspectos analíticos, ecotoxicológicos e regulatórios. Química Nova,v. 40, n. 9, p. 1094-1110, 2017.
NAKAMURA, H. et al. Formation of chlorinated estrones via hypochlorous disinfection of wastewater effluent containing estrone. Chemosphere, v. 66, p. 1441-1448, 2007.
NASCIMENTO, L. X.; ARAUJO, R. T.; ALVAREZ, L. D. G. Persistent Organic Pollutants: Impacts and Solutions to Human Health and Environment. Ciencia y Tecnología, n. 24, p. 28-34, 2015.
PAMPLONA-SILVA, M. T. et al. Estrogenic Compounds: Chemical Characteristics, Detection Methods, Biological and Environmental Effects. Water, Air and Soil Pollution,v. 229, p. 1-27, 2018.
PEREIRA, R. O. Formação de subprodutos do estrona e 17β-estradiol na oxidação utilizando cloro e o ozônio em água. 2011. Tese (Doutorado em Hidráulica e Saneamento) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2011.
PEREIRA, R. O. et al. Removal of estrogens through water disinfection processes and formation of by-products. Chemosphere, v. 82, n. 6, p. 789-799, 2011.
PONTELLI, R. C. N.; NUNES, A. A.; OLIVEIRA, S. V. W. B. Impacto na saúde humana de disruptores endócrinos presentes em corpos hídricos: existe associação com a obesidade? Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 753-766, 2016.
RESENDE, T. C. et al. Estudo comparativo entre as concentrações de hormônios reportados em matrizes ambientais aquosas no Brasil e no exterior. Anais… 29 Congresso de Engenharia Sanitária e Ambiental Associação Brasileira de Engenharia Ambiental e Sanitária (ABES) – Feira Nacional de Meio Ambiente (FENASAN). São Paulo, 2017.
RODRIGUES, J. S. et al. Presença de fármacos e hormônios na água: uma análise cienciométrica. Research, Society and Development, v. 7, n. 6, p. 1-22, 2018.
SASAKI, T. H. O estado da arte da remoção de fármacos e perturbadores endócrinos em estações de tratamento de água (ETAs) e estações de tratamento de esgoto (ETEs). Trabalho de Graduação em bacharel em Engenharia Ambiental, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2012.
SCHLEICHER, A. T. Remoção de estrona, estradiol, etinilestradiol e bisfenol-a por meio de nanofiltração aplicada ao tratamento avançado de águas para consumo humano.2013. Dissertação (Mestrado em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME (UNEP). State of the Science of Endocrine Disrupting Chemicals. 2012.Disponível em: http://wedocs.unep.org/bitstream/handle/20.500.11822/12223/State%20of%20the%20Science%20of%20EDCs%20Summary%20Report%202012.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 1 fev. 2019.
Publicado
2020-03-09
Como Citar
Monteiro Neto, J., dos Santos, J. P. E., Azevedo, T. dos S., Resende, T. C., de Rezende, N. C., Mounteer, A. H., Bottrel, S. E. C., & Pereira, R. de O. (2020). Remoção da atividade estrogênica por cloração. Principia: Caminhos Da Iniciação Científica, 19(2), 11. https://doi.org/10.34019/2179-3700.2019.v19.29920
Seção
Artigos originais - Engenharias e Ciência da Computação