Incorporação de esomeprazol em um hospital universitário: uma análise de custo-minimização

Série temática: Avaliação de Tecnologias em Saúde Hospitalar (ATS-H)

Autores

  • Tatiane Garcia do Carmo Flausino Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde, Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares https://orcid.org/0000-0001-5470-1919
  • Fábio Ricardo Carrasco Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares https://orcid.org/0000-0001-8997-9144
  • Gerhard da Paz Lauterbach Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde, Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares https://orcid.org/0000-0002-1448-8153
  • Rosely Moralez Figueiredo Universidade Federal de são Carlos (UFSCar) https://orcid.org/0000-0002-0131-4314

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.42885

Palavras-chave:

Custos e Análise de Custo, Análise de Impacto Orçamentário de Avanços Terapêuticos, Omeprazol, Esomeprazol, Vias de Administração de Medicamentos

Resumo

Introdução: Inibidores de bomba de prótons (IBP) são amplamente utilizados na profilaxia de úlceras de estresse. O omeprazol é o IBP mais prescrito no Brasil, porém, sua formulação oral convencional é inadequada para administração por sonda devido ao risco de obstrução. A apresentação injetável de omeprazol possui custo muito superior à formulação oral. O esomeprazol, por ser constituído de microgrânulos, é uma alternativa ao omeprazol injetável, pois pode ser administrado por sonda e ainda possibilitaria redução de custos. Objetivo: Analisar por meio de custo-minimização o impacto financeiro da incorporação do esomeprazol em um hospital universitário secundário. Material e Métodos: Estudo observacional transversal retrospectivo para identificar e analisar o consumo e custo relacionado ao uso de omeprazol injetável e esomeprazol nos anos de 2021 e 2022. A partir dos dados levantados, foi realizada análise de custo-minimização e determinado o impacto financeiro após incorporação do esomeprazol. Resultados: Houve redução de 76,7% no consumo de omeprazol injetável no ano de 2022. A análise de custo-minimização apontou um custo real de R$20.374,96 no ano de 2022, referente às 906 doses utilizadas no período, destas, 46,4% eram de omeprazol injetável e 53,6% de esomperazol. Considerando o cenário com terapia exclusiva com omeprazol injetável, o custo simulado foi de R$ 41.252,05. O impacto financeiro foi de R$ -20.877,09, resultando em economia de recursos de 50,6%. Conclusão. A incorporação de esomeprazol no elenco de medicamentos de um hospital universitário gerou redução significativa de custo, implicando em economia de mais de 50% no consumo global de IBP e de mais de 70% no consumo de omeprazol injetável, no ano de 2022.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Clarke K, Adler N, Agrawal D, Bhakta D, Sata SS, Singh S et al. Indications for the use of proton pump inhibitors for stress ulcer prophylaxis and peptic ulcer bleeding in hospitalized patients. Am J Med. 2022; 135(3):313-7. doi: 10.1016/j.amjmed.2021.09.010

Alhujilan SS, Saeed MS, Abdulaziz Alalwan A. Assessment of adherence to the national stress ulcer prophylaxis guidelines: A cross-sectional analysis. Saudi Pharmaceutical Journal. 2023; 31(10):101754. doi: 10.1016/j.jsps.2023.101754

Gualberto FCM, Santos CR, Ferreira CRL, Costa JM. Análise farmacoeconômica do uso de omeprazol por idosos em uma das unidades básicas de saúde do Brasil. O Mundo da Saúde. 2023; 47(1). doi: 10.15343/0104-7809.202347e1452020P

Ponrouch MP, Sautou-Miranda V, Boyer A, Bourdeaux D, Montagner A, Chopineau J. Proton pump inhibitor administration via nasogastric tube in pediatric practice: comparative analysis with protocol optimization. Int J Pharm. 2010; 390(2):160-4. doi: 10.1016/j.ijpharm.2010.01.040

Messaouik D, Sautou-Miranda V, Bagel-Boithias S, Chopineau J. Comparative study and optimisation of the administration mode of three proton pump inhibitors by nasogastric tube. Int J Pharm. 2005; 299(1-2):65-72. doi: 10.1016/j.ijpharm.2005.04.034

Spezia IA, Matheus FC. Evaluation of prescription containing medication via enteral feeding tubes in an adult emergency unit. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. 2020; 11(4):497. doi: 10.30968/rbfhss.2020.114.0497

Sankaranarayanan J, Reardon T, Olsen KM. Correlates and economic outcomes of proton pump inhibitor use by routes in intensive care unit patients. Expert Rev Pharmacoecon Outcomes Res. 2014; 14(5):741-9. doi: 10.1586/14737167.2014.940902

Jin J, Huang C, Zhu C, Feng W, He A, Li T et al. Pharmacokinetics, bioequivalence, and safety of esomeprazole magnesium enteric‐coated capsules in healthy Chinese subjects. Clin Pharmacol Drug Dev. 2023; 12(7):691-8. doi: 10.1002/cpdd.1273

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes metodológicas: análise de impacto orçamentário: manual para o sistema de saúde do Brasil [Internet]. 2012 [citado em 2023 Nov 12]. Disponível em: www.saude.gov.br.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência tecnologia e insumos estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes metodológicas: diretriz de avaliação econômica. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Estudos de microcusteio aplicados a avaliações econômicas em saúde [Internet]. 2022 [citado em 2023 Nov 15].Disponível em: http://conitec.gov.br/.

Valizadeh Toosi SM, Elahi Vahed AR, Maleki I, Bari Z. Comparison of oral versus intravenous proton pump inhibitors in preventing re-bleeding from peptic ulcer after successful endoscopic therapy. Middle East J Dig Dis. 2018; 10(4):236-41. doi: 10.15171/mejdd.2018.116.

Tsoi KKF, Hirai HW, Sung JJY. Meta-analysis: comparison of oral vs. intravenous proton pump inhibitors in patients with peptic ulcer bleeding. Aliment Pharmacol Ther. 2013; 38(7):721-8. doi: 10.1111/apt.12441

Yen HH, Yang CW, Su WW, Soon MS, Wu SS, Lin HJ. Oral versus intravenous proton pump inhibitors in preventing re-bleeding for patients with peptic ulcer bleeding after successful endoscopic therapy. BMC Gastroenterol. 2012; 12(1):66. doi: 10.1186/1471-230X-12-66

Mostaghni AA, Hashemi SA, Heydari ST. Comparison of oral and intravenous proton pump inhibitor on patients with high risk bleeding peptic ulcers: a prospective, randomized, controlled clinical trial. Iran Red Crescent Med J. 2011; 13(7):458-63. doi: 10.1016/S00165107(81)731560

Sung JJ, Suen BY, Wu JC, Lau JY, Ching JY, Lee VW, et al. Effects of intravenous and oral esomeprazole in the prevention of recurrent bleeding from peptic ulcers after endoscopic therapy. American Journal of Gastroenterology. 2014; 109(7):1005-10. doi: 10.1038/ajg.2014.105

Nasser SC, Nassif JG, Mahfouz F. Cost reduction associated with restriction policy on dispensing intravenous esomeprazole in lebanon. Pharmacy World & Science. 2010; 32(6):707-10. doi: 10.3748/wjg.v16.i8.982

Carmo TG, Silva DM, Carvalho CC, Figueiredo RM. Transição de via de linezolida endovenosa para via oral: uma análise de custo-minimização. J Bras Econ Saúde. 2022; 14:180-6. doi: 10.21115/JBES.v14.Suppl2.p180-6

Bao J, Zhou L, Xu M, Ma J. The impact of pharmacist intervention on the intravenous-to-oral switch therapy of proton pump inhibitors in cardiovascular surgery. Expert Opin Drug Saf. 2023; 22(7):611-9. doi: 10.1080/14740338.2023.2172162

Akhloufi H, Hulscher M, Melles DC, Prins JM, van der Sijs H, Verbon A. Development of operationalized intravenous to oral antibiotic switch criteria. Journal of Antimicrobial Chemotherapy. 2017; 72(2):543-6. doi: 10.1093/jac/dky141

Downloads

Publicado

2024-03-25

Como Citar

1.
Garcia do Carmo Flausino T, Carrasco FR, Lauterbach G da P, Figueiredo RM. Incorporação de esomeprazol em um hospital universitário: uma análise de custo-minimização: Série temática: Avaliação de Tecnologias em Saúde Hospitalar (ATS-H). HU Rev [Internet]. 25º de março de 2024 [citado 18º de julho de 2024];49:1-6. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/42885

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)