Tratamento de complicações clínicas e intercorrências de pacientes oncológicos no Sistema Único de Saúde do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.42563

Palavras-chave:

Oncologia, Terapêutica, Sistema Único de Saúde, Epidemiologia

Resumo

Introdução: O tratamento do câncer pode ser uma experiência desafiadora para os pacientes, especialmente ao lidar com complicações clínicas. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece terapias e cuidados ao paciente oncológico, sendo necessário investigar tal oferta ao longo do tempo. Objetivo: Avaliar o tratamento para complicações clínicas e intercorrências relacionadas ao câncer no SUS entre 2013 e 2021. Métodos: Foi realizado um estudo ecológico com dados coletados do Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS). Foram selecionados dois procedimentos hospitalares relacionados: tratamento clínico de paciente oncológico (#03.04.10.002-1) e tratamento de intercorrências clínicas de paciente oncológico (#03.04.10.001-3). Examinou-se a tendência temporal e o impacto da pandemia de COVID-19 com nível de significância de 5%. Resultados: Nos últimos nove anos, mais de dois milhões de procedimentos para complicações e intercorrências clínicas foram realizados no SUS. Houve uma tendência significativamente crescente no tratamento de complicações clínicas (p= 0,001), enquanto o tratamento de intercorrências apresentou estacionariedade (p= 0,065). Entretanto, houve uma redução significativa no quantitativo anual durante o primeiro ano da pandemia de COVID-19, quer seja no tratamento de complicações clínicas (p <0,001) ou de intercorrências (p <0,001). Por fim, observou-se uma correlação significativa, positiva e moderada entre ambos os procedimentos no SUS durante o período investigado (p=  0,043, ρ= 0,700). Conclusão: A quantidade de procedimentos para tratar complicações clínicas de pacientes oncológicos no SUS aumentou nos últimos nove anos, sendo reduzida em 2020, durante a pandemia de COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Torre LA, Siegel RL, Ward EM, Jemal A. Global cancer incidence and mortality rates and trends: an update. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2016; 25(1):16-27. doi: 10.1158/1055-9965.EPI-15-0578.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2019 [citado em 2023 out 23]. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br.

Sung H, Ferlay J, Siegel RL, Laversanne M, Soerjomataram I, Jemal A et al. Global cancer statistics 2020: Globocan estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2021; 71(3):209-49. doi: 10.3322/caac.21660.

Rivera DR, Gallicchio L, Brown J, Liu B, Kyriacou DN, Shelburne N. Trends in adult cancer-related emergency department utilization: an analysis of data from the nationwide emergency department sample. JAMA Oncol. 2017; 3(10):e172450. doi: 10.1001/jamaoncol.2017.2450.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Política nacional para prevenção e controle do câncer [Internet]. 2. ed. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2015 [citado em 2023 out 23]. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br.

Saxena A, Rubens M, Ramamoorthy V, Tonse R, Veledar E, McGranaghan P et al. Hospitalization rates for complications due to systemic therapy in the United States. Sci Rep. 2021; 11(1):7385. doi: 10.1038/s41598-021-86911-x.

Barak D, Gallo E, Rong K, Tang K, Du W. Experience of the COVID-19 pandemic in Wuhan leads to a lasting increase in social distancing. Sci Rep. 2022; 12(1):18457. doi: 10.1038/s41598-022-23019-w.

Araújo SEA, Leal A, Centrone AFY, Teich VD, Malheiro DT, Cypriano AS et al. Impact of COVID-19 pandemic on care of oncological patients: experience of a cancer center in a Latin American pandemic epicenter. Einstein (São Paulo). 2021; 19:eAO6282. doi: 10.31744/einstein_journal/2021AO6282.

Merchán-Hamann E, Tauil PL. Proposal for classifying the different types of descriptive epidemiological studies. Epidemiol Serv Saude. 2021; 30(1):e2018126. doi: 10.1590/s1679-49742021000100026.

Ministério da Saúde (BR). Resolução n° 510. De 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Diário Oficial da União. 2016 Mai 24; Sec. 1:44.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática: Sistema Único de Saúde (DATASUS) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2023 [citado em 2023 out 23]. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/.

Malta M, Cardoso LO, Bastos FI, Magnanini MM, Silva CM. STROBE initiative: guidelines on reporting observational studies. Rev Saude Publica. 2010; 44(3):559-65. doi: 10.1590/S0034-89102010000300021.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 420, de 25 de agosto de 2010. Dispõe sobre a tabela de procedimentos, medicamentos, órteses/próteses e materiais especiais do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. 2010 ago 26; cec. 1:81.

Latorre MRDO, Almeida ABM, Möller BB, Silva TGV, Toporcov TN. A importância do registro de câncer no planejamento em saúde. Rev USP. 2021; 1(128):27-44. doi: 10.11606/issn.2316-9036.i128p27-44.

Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. Hospital Information Systems and their application in public health. Cad Saude Publica. 2006; 22(1):19-30. doi: 10.1590/s0102-311x2006000100003.

Lemos C, Chaves LDP. Production of hospitalization in the Unified Health System in the region of Ribeirão Preto, Brazil. Rev Gaucha Enferm. 2011; 32(4):727-35. doi: 10.1590/S1983-14472011000400013.

Pagano M, Gauvreau K, Heather M. Principles of bioestatistics. 3. ed. Boca Raton: CRC Press; 2022.

Latorre MRDO, Cardoso MRA. Time series analysis in epidemiology: an introduction to methodological aspects. Rev Bras Epidemiol. 2001; 4(3):145-52. doi: 10.1590/S1415-790X2001000300002.

Antunes JLF, Cardoso MRA. Using time series analysis in epidemiological studies. Epidemiol Serv Saude. 2015; 24(3):565-76. doi: 10.5123/S1679-49742015000300024.

Schilsky RL, Nass S, Le Beau MM, Benz EJ Jr. Progress in cancer research, prevention, and care. N Engl J Med. 2020; 383(10):897-900. doi: 10.1056/NEJMp2007839.

Atty ATM, Tomazelli J, Dias MBK, Ribeiro CM. Impacto da pandemia da COVID-19 no diagnóstico do câncer de boca no Brasil. Rev Bras Cancerol. 2022; 68(4):e-042675. doi: 10.32635/2176-9745.RBC.2022v68n4.2675.

Malta DC, Gomes CS, Silva AGD, Cardoso LSM, Barros MBA, Lima MG et al. Use of health services and adherence to social distancing by adults with Noncommunicable Diseases during the COVID-19 pandemic, Brazil, 2020. Cien Saude Colet. 2021; 26(7):2833-2842. doi: 10.1590/1413-81232021267.00602021.

Luciani S, Caixeta R, Chavez C, Ondarsuhu D, Hennis A. What is the NCD service capacity and disruptions due to COVID-19? Results from the WHO non-communicable disease country capacity survey in the Americas region. BMJ Open. 2023; 13(3):e070085. doi: 10.1136/bmjopen-2022-070085.

Ribeiro CM, Correa FM, Migowski A. Short-term effects of the COVID-19 pandemic on cancer screening, diagnosis and treatment procedures in Brazil: a descriptive study, 2019-2020. Epidemiol Serv Saude. 2022; 31(1):e2021405. doi: 10.1590/S1679-49742022000100010.

Downloads

Publicado

2024-01-22

Como Citar

1.
Cardoso MSNT, Santos GED, Santos EA, Kameo SY, Barbosa-Lima R, Mendes T da S. Tratamento de complicações clínicas e intercorrências de pacientes oncológicos no Sistema Único de Saúde do Brasil. HU Rev [Internet]. 22º de janeiro de 2024 [citado 21º de julho de 2024];49:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/42563

Edição

Seção

Artigos Originais