Caracterização sociodemográfica e clínica de residentes de uma instituição de longa permanência para idosos

Autores

  • Carolina Henke Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) https://orcid.org/0000-0001-6585-972X
  • Lucas Venega dos Santos Hospital Santa Casa de Curitiba
  • Gabriel Pizzatto Rudey Crovador Hospital Santa Casa de Curitiba
  • Caroline Perez Lessa de Macedo Hospital Santa Casa de Curitiba
  • Uiara Raiana Vargas de Castro Oliveira Ribeiro Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) https://orcid.org/0000-0002-1624-2245

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.40623

Palavras-chave:

Idoso, Instituição de Longa Permanência para Idosos, Perfil de Saúde, Atenção à Saúde do Idoso

Resumo

  • Introdução: O estudo do perfil sociodemográfico e clínico dos moradores de instituição de longa permanência para idosos permite um conhecimento maior sobre as particularidades desta população, contribuindo para maior cuidado por parte da equipe multiprofissional assistente e para o planejamento de políticas públicas. Objetivo: Caracterizar o perfil clínico-funcional e sociodemográfico de idosos que residiam em uma instituição de longa permanência para idosos em um período de dez anos. Métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo, realizado por meio de revisão de prontuário dos moradores que residiam em uma instituição de longa permanência filantrópica, no período entre julho de 2010 a julho de 2020. Resultados: Foram incluídos 205 idosos no estudo. A idade média de admissão foi de 70,07 anos (±9,16), com maioria dos indivíduos provenientes de situação de vulnerabilidade social (71,9%), religião católica (71,9%), branco (58,0%), com grau de instrução inferior a 3 anos (64,3%), solteiro (49,5%), com contato familiar (51,7%), aposentado (58,3%), não tabagista (80,3%), não etilista (58,8%), em uso de dispositivo de marcha (53,3%), sem incontinências (68,8%) e independente para atividades básicas de vida diária (58,5%). Comparando-se as admissões realizadas antes de julho de 2010 e entre julho de 2010 e julho de 2020, o perfil sociodemográfico manteve-se similar. No entanto, houve aumento em relação a algumas medicações e comorbidades, com significância estatística no diabetes (p= 0.044) e no uso dos antidiabéticos (p= 0.001). No perfil clínico-funcional, predominaram as medicações anti-hipertensivas (53,2%) e psicotrópicas (48,1%) e as comorbidades cardiovasculares (56,8%) e transtornos mentais (31,4%), as quais mantiveram-se prevalentes na análise comparativa. Conclusão: O perfil clínico-funcional e sociodemográfico dos moradores desta instituição de longa permanência apresentou pouca diferença em 10 anos, predominando a presença de indivíduos com baixo grau de dependência para atividades básicas de vida diária, em vulnerabilidade social e com comorbidades cardiovasculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves JED. Envelhecimento populacional no Brasil e no mundo. Revista Longeviver. 2019.

Silva ME, Cristianismo RC, Dutra LR, Dutra IR. Perfil epidemiológico, sociodemográfico e clínico de idosos institucionalizados. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. 2013; 569-76.

Alencar MA, Bruck NNS, Pereira BC, Câmara TMM, Almeida RDS. Perfil dos idosos residentes em uma instituição de longa permanência. Revista Brasileira Geriatria e Gerontologia. 2012.

Carvalho VL. Perfil das instituições de longa permanência para idosos situadas em uma capital do Nordeste. Caderno de Saúde Coletiva. 2014.

Guths JFS, Jacob MHVM, Santos AMPV, Arossi GA, Béria JU. Perfil sociodemográfico, aspectos familiares, percepção de saúde, capacidade funcional e depressão em idosos institucionalizados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira Geriatria e Gerontologia. 2017; 20(2): 175-85.

Pinheiro NCG, Holanda VCD, Melo LA, Medeiros AKB, Lima KC. Desigualdade no perfil dos idosos institucionalizados na cidade de Natal, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(11).

Lisboa CR, Chianca TCM. Perfil epidemiológico, clínico e de independência funcional de uma população idosa institucionalizada. Revista Brasileira de Enfermagem. 2012; 3(65):482-8.

Cohen MA, Miller J, Weinrobe M. Patterns of informal and formal caregiving among elders with private long-term care insurance. Gerontologist. 2001; 41(2):180-7. doi: 10.1093/geront/41.2.180.

Bae SH, Kim H. Level of resident care need and staffing by size of nursing home under the public long-term care insurance in South Korea. Journal of Korean Gerontoligal Nursing. 2020; 22(1):1-9. doi: https://doi.org/10.17079/jkgn.2020.22.1.1

Liu LF, Yao HP. Examining the need assessment process by identifying the need profiles of elderly care recipients in the ten-year long-term care project (TLTCP) of Taiwan. Journal of the American Medical Directors Association. 2014; 15:946-54. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2014.07.007

Branch LG, Jette AM. A prospective study of long-term care institutionalization among the aged. American Journal of Public Health. 1982; 72:1373-9. doi: https://doi.org/10.2105/AJPH.72.12.1373

Bigatello CS, Sobral LT, Canedo JL, Pereira MCS. Idosos institucionalizados: uma perspectiva de vida ou abandono? Revista Multidisciplinar do Nordeste Mineiro. 2018.

Duarte YAO, Andrade CL, Lebrão ML. O índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2007; 2(41):317-25. doi: 10.1590/S0080-62342007000200021.

Lino VTS, Pereira SRM, Camacho LAB, Filho STR, Buksman S. Adaptação transcultural da escala de independência em atividades da vida diária (escala de Katz). Cadernos de Saúde Pública. 2008; 1(24):103-12. doi: 10.1590/S0102-311X2008000100010.

Lourenço RA, Veras RP. Mini-exame do estado mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Revista de Saúde Pública. 2006; 40(4). doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000500023

Bertolucci PH, Brucki SM, Campacci SR, Juliano Y. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arquivos de Neuropsiquiatria. 1994; 52:1-7.

Ramos LR, Tavares NUL, Bertoldi AD, Farias MR, Oliveira MA, Luiza VL et al. Polifarmácia e polimorbidade em idosos no Brasil: um desafio em saúde pública. Revista de Saúde Publica. 2016; 50(supl 2):9s.

Ministério da Saúde (BR). Número de homens com diabetes cresce no Brasil [Internet]. 2018 [citado em 27 de junho de 2018]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2018/junho/numero-de-homens-com-diabetes-cresce-no-brasil

Ministério da Saúde (BR). Percentual de homens com diabetes cresce em Curitiba-PR [Internet]. 2018 [citado em 28 de junho de 2018]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2018/junho/percentual-de-homens-com-diabetes-cresce-em-curitiba-pr

Ministério da Saúde (BR). Em dez anos, obesidade cresce 60% no Brasil e colabora para maior prevalência de prevalência de hipertensão e diabetes [Internet]. 2017 [citado em 17 de abril de 2017]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2017/abril/em-dez-anos-obesidade-cresce-60-no-brasil-e-colabora-para-maior-prevalencia-de-hipertensao-e-diabetes

Bortolotto LA. Brasil apresenta aumento de 3,7% no número de hipertensos em apenas 15 anos. Jornal USP. Maio 2023.

Beers MH, Ouslander JG, Rollinger I, Reuben DB, Brooks J, Beck JC. Explicit criteria for determining inappropriate medication use in nursing home residents. Archives of Internal Medicine. 1991; 151:1825-32.

Menezes RL, Bachion MM. Estudo da presença de fatores de riscos intrínsecos para quedas em idosos institucionalizados. Ciências da Saúde Coletiva. 2008; 13(4):1209-18.

American Geriatrics Society. Updated AGS beers criteria® for potentially inappropriate medication use in older adults. Journal of the American Geriatrics Society. 2019. doi:10.1111/jgs.15767

Converso MER, Iartelli I. Caracterização e análise do estado mental e funcional de idosos institucionalizados em instituições públicas de longa permanência. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2007; 56(4):267-72.

Couto ACA. Avaliação do analfabetismo funcional como desafio na atenção básica no controle das doenças. UNA-SUS. Abril 2022.

Downloads

Publicado

2024-01-15

Como Citar

1.
Henke C, Venega dos Santos L, Pizzatto Rudey Crovador G, Perez Lessa de Macedo C, Raiana Vargas de Castro Oliveira Ribeiro U. Caracterização sociodemográfica e clínica de residentes de uma instituição de longa permanência para idosos . HU Rev [Internet]. 15º de janeiro de 2024 [citado 13º de abril de 2024];49:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/40623

Edição

Seção

Artigos Originais