Ansiedade, medo, angústia e tristeza: principais sentimentos relatados por homossexuais e bissexuais na Covid-19

Autores

  • Iel Marciano de Moraes Filho Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0798-3949
  • Pâmela Dourado de Deus Leão Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3958-1626
  • Lorena Samis Simas de Oliveira Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1318-6890
  • Lucas da Silva Rocha Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6451-9288
  • Thais Vilela de Sousa Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.39538

Palavras-chave:

Minorias Sexuais e de Gênero, Gays, Pessoas LGBTQIA , Análise de Sentimentos, COVID-19

Resumo

Introdução: O grupo LGBTQIAPN+, pela construção histórica, já sofre exclusão social, LGBTfobia, sentimentos de inaptidão social, dificuldades no acesso a serviços de saúde e conflitos dentro do próprio ambiente familiar. Agora, no contexto da pandemia, se faz necessária a adaptação às novas regras de convívio e solidão. Objetivo: Descrever os fatores sociodemográficos e os sentimentos dos homossexuais e bissexuais diante a pandemia de covid-19. Método: Trata-se de um estudo transversal descritivo com abordagem quantitativa realizado entre junho e julho de 2020, através de um formulário digital, por meio das plataformas sociais com a população de homossexuais e bissexuais das cinco macrorregiões brasileiras. As variáveis quantitativas foram apresentadas em valores absolutos e percentuais, focalizando na variável “emoções a respeito da pandemia de Covid-19”, através de uma nuvem de palavras. Resultados: Os participantes são do gênero feminino com idade média de 23 anos, bissexuais, da raça branca, com ensino superior completo e que residem predominantemente na região Sudeste. Os sentimentos mais citados foram ansiedade, medo, angústia e tristeza. Conclusão: O público de homossexuais e bissexuais não diferiram os sentimentos em relação à população em geral, mas acredita-se que tais sentimentos já eram vivenciados por essa população devido aos estigmas enfrentados e foram agravados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iel Marciano de Moraes Filho, Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil.

Enfermeiro e pedagogo. Mestre em Ciências Ambientais e Saúde. Doutorando em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente. Docente do curso de Enfermagem da Universidade Paulista (UNIP). Brasília, Distrito Federal, Brasil. E-mail: ielfilho@yahoo.com.br ORCID ID:http://orcid.org/0000-0002-0798-3949

Pâmela Dourado de Deus Leão, Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil.

Acadêmica de enfermagem da Universidade Paulista (UNIP). Brasília, Distrito Federal, Brasil. E-mail: pameeladourado03@gmail.com ORCID ID:http://orcid.org/0000-0003-3958-1626

Lorena Samis Simas de Oliveira, Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil.

Acadêmica de enfermagem da Universidade Paulista (UNIP). Brasília, Distrito Federal, Brasil. E-mail: lorenasamis10@hotmail.com ORCID ID:http://orcid.org/0000-0002-1318-6890

Lucas da Silva Rocha, Universidade Paulista (UNIP)- Campus Brasília. Brasília, DF, Brasil.

Acadêmico de enfermagem da Universidade Paulista (UNIP). Brasília, Distrito Federal, Brasil. E-mail: enf.lucasdsrocha@gmail.com ORCID ID: http://orcid.org/0000-0002-6451-9288

Thais Vilela de Sousa, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeira. Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás. Goiânia – Go- Brasil. E-mail: thais.fen@hotmail.com Orcid : https://orcid.org/0000-0002-7498-516X

Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Enfermeira e pedagoga. Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Docente da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Balsas, Maranhão, Brasil. E-mail: francidalmafilha@gmail.com ORCID ID: https://orcid.org/0000-0001-5197-4671 

Referências

Ministério da Saúde (BR). Painel coronavírus [Internet]. 2022 [citado em 2022 jun. 25]. Disponível em: https://covid.saude.gov.br.

Lana RM, Coelho FC, Gomes MF, Cruz OG, Bastos LS, Villela DA et al. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cad Saúde Pública. 2020; 36(3):e00019620.

Gomes GA, Rodrigues CS, Costa AB, Drehmer LB, Falcão CN, Silveira AP et al. Saúde da população LGBT no contexto da pandemia de Covid-19 [Internet]. Porto Alegre: Potinfícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2020 [citado em 2022 jun. 23]. Disponível em: https://www.pucrs.br/coronavirus-v3-prov/wp-content/uploads/sites/270/2020/11/2020_11_25-coronavirus-cartilhas-psicovida-saude_da_populacao_lgbtmais_no_contexto_da_pandemia_de_covid-19.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Agência de Notícias IBGE. 1° levantamento sobre homossexuais e bissexuais no Brasil [Internet]. 2022 [citado em 2022 maio 25]. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/33785-em-pesquisa-inedita-do-ibge-2-9-milhoes-de-adultos-se-declararam-homossexuais-ou-bissexuais-em-2019.

Santana AD, Lima MS, Moura JW, Vanderley IC, Araújo EC. Dificuldades no acesso aos serviços de saúde por lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Rev Enferm UFPE Online. 2019; 14:e243211.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

Braga LH, Menezes CS, Martins IV, Silva JD, Torres JL. Fatores associados à piora no estilo de vida durante a pandemia de Covid-19 na população brasileira de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e identidades relacionadas: estudo transversal. Epidemiol Serv Saúde. 2022; 31(1):e2021752.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Censo demográfico 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [citado em 2022 maio 16]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9662-censo-demografico-2010.html?=&t=destaques.

Guimarães LS. Homossexualidade na adolescência na contemporaneidade: mudanças e desafios. Psicologia.pt. 2016; 1-15.

Cerqueira-Santos E, Ramos MM, Gato J. Indicadores de distress entre jovens LGBT+ durante o isolamento social pela Covid-19 no Brasil. Rev Bras Piscoter. 2021; 23(2):35-46.

Sedgwick, EK. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu. 2007; (28):19-54. doi.org/10.1590/S0104-83332007000100003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Pesquisa nacional por amostra de domicílios [Internet]. 2019 [citado em 2022 jun. 19]. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html#:~:text=De%20acordo%20com%20dados%20da,1%25%20como%20amarelos%20ou%20ind%C3%ADgenas.

Pochmann M, Silva LC. Concentração espacial da produção e desigualdades sociais. RBEUR. 2020; 22:e202004.

Moraes Filho IM, Sousa TV, Lima TP, Filha FS, Pereira MC, Silva RM. Variáveis sociodemográficas associadas à mudança na tolerância nas relações de amizade na pandemia pela Covid-19. Rev Baiana Enferm. 2020; 34:e38396.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (BR). Censo de educação superior 2020 [Internet]. 2020 [citado em 2022 set. 7]. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/notas_estatisticas_censo_da_educacao_superior_2020.pdf.

Moraes Filho IM, Sousa TV, Carvalho Filha FS, Pereira MC, Vilanova JM, Silva RM. Fatores sociodemográficos e emocionais associados à tolerância nas relações de amizade na pandemia pela Covid-19. Rev Enferm UFSM. 2021; 11(2):e2.

Vieira BL, Silva ME, Carvalho Filha FS, Barbosa HR, Moraes Filho IM. Assistência à saúde da mulher lésbica durante o ciclo gravídico-puerperal. Rev REVOLUA. 2022; 1(1):1-5.

Gato J, Seabra D. Redes de apoio social e saúde psicológica em jovens LGBT+ durante a pandemia de Covid-19: relatório de divulgação de dados preliminares. Porto: Universidade do Porto e Ordem dos Psicólogos Portugueses, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação; 2020.

Santos OP, Moraes Filho IM, Sousa MVM, Ramos JO, Ramalho RC, Faria LX. Prevalência de transtornos mentais comuns entre os acadêmicos de uma instituição de ensino superior do município de Trindade – GO. Vita et Sanitas. 2019; 13(2):57-65.

Barros MB, Lima MG, Malta DC, Szwarcwald CL, Azevedo RC, Romero D et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de Covid-19. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(4):e2020427.

Schönffeldt SD, Bücker J. Saúde mental de pais durante a pandemia da Covid-19. J Bras Psiquiatr. 2022; 71(2):126-32.

Ribeiro LS, Bragé ÉG, Ramos DB, Fialha IR, Botelho DV, Lacchini AJ. Efeitos da pandemia de Covid-19 na saúde mental de uma comunidade acadêmica. Acta Paul Enferm. 2021; 34:eAPE03423.

Fernandez M, Lotta G, Passos H, Cavalcanti P, Corrêa MG. Condições de trabalho e percepções de profissionais de enfermagem que atuam no enfrentamento à Covid-19 no Brasil. Saúde Soc. 2021; 30(4):e201011.

Azevedo AKS, Silva MVM. A população LBTI+ brasileira e a pandemia de Covid-19: alguns apontamentos sobre isolamento social, saúde e direitos humanos. Revista Debates Insubmissos. 2021; 4(14):1-18.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988.

Brasil. Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. [Internet]. Diário Oficial da União. 19 set. 1990 [citado em 2022 set. 21]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1990/lei-8080-19-setembro-1990-365093-publicacaooriginal-1-pl.html.

Ministério da Saúde (BR). Saúde mental [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2020 [citado em 2022 set. 21]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/s/saude-mental.

Brasil. Lei n° 13.819, de 26 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, a ser implementada pela União, em cooperação com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; e altera a Lei n° 9.656, de 3 de junho de 1998. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 26 abr. 2019. Seção 1, p. 1.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, DF: OPAS; 2005.

Sanches LC. O ano dois da pandemia finda, o que segue agora? Espac Saúde [Internet]. 17° de dezembro de 2021 [citado em 2022 nov. 16]; 22. Disponível em: https://espacoparasaude.fpp.edu.br/index.php/espacosaude/article/view/830

Downloads

Publicado

2023-09-25

Como Citar

1.
Moraes Filho IM de, Leão PD de D, Oliveira LSS de, Rocha L da S, Sousa TV de, Carvalho Filha FSS. Ansiedade, medo, angústia e tristeza: principais sentimentos relatados por homossexuais e bissexuais na Covid-19. HU Rev [Internet]. 25º de setembro de 2023 [citado 20º de abril de 2024];49:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/39538

Edição

Seção

Artigos Originais