Análise epidemiológica dos casos de meningite em Uberlândia de 2007 a 2020: uma proposta de intervenção pautada em uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.37578

Palavras-chave:

Meningite, Monitoramento Epidemiológico, Sistemas de Informação em Saúde, Notificação de Doenças

Resumo

Introdução: A meningite é uma emergência médica cujas decisões diagnósticas e terapêuticas implicam diretamente na sobrevida dos pacientes. Objetivo: Realizar uma análise epidemiológica dos casos de meningite em Uberlândia no período de 2007 a 2020 e sugerir uma proposta de intervenção a fim de reduzir a morbimortalidade associada à sua ocorrência. Material e Métodos: Estudo epidemiológico descritivo e quantitativo acerca dos casos de meningite em Uberlândia, Minas Gerais, no período de 2007 a 2020 a partir de dados coletados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. A proposta de intervenção foi subsidiada por uma revisão sistemática da literatura nas bases de dados PubMed, Scopus, Web of Science, LILACS e SciELO. Resultados: Notificou-se 1.994 casos de meningite no período analisado e a incidência média anual correspondeu a 24/100.000 habitantes. O pico de letalidade ocorreu em 2009 com 9,6%. A etiologia mais prevalente é viral (59,1%) seguida da bacteriana (27,1%), sendo essa responsável por 64,3% dos óbitos. O perfil epidemiológico revela predomínio do sexo masculino, de brancos e de faixa etária infantil até 9 anos e adultos entre 20 a 59 anos. A revisão sistemática da literatura evidenciou medidas de intervenção direcionadas ao diagnóstico precoce da meningite. Conclusões: A alta morbimortalidade observada parece se relacionar ao emprego de testes de baixa sensibilidade e especificidade, o que acarreta diagnóstico e terapia tardios. Ressalta-se a necessidade de ampliar o emprego de novas técnicas diagnósticas e capacitar equipes para atuar de forma precoce.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Peñata A, Mesa S, Leal A, Castaño T, Bustamante J, Sigifredo O. Molecular diagnosis of meningitis and meningoencephalitis with an automated real-time multiplex polymerase chain reaction in a tertiary reference complex in Medellín, Colombia. Rev Inst MedTrop. 2020; 62.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único. [citado em 26 jul. 2021]. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Van Ettekoven CN, Van De Beek D, Brouwer MC. Update on community-acquired bacterial meningitis: guidance and challenges. Clinical Microbiology and Infection. 2017; 23(9):601-6.

Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (BR). Nossa história. [citado em 23 jul. 2021]. 2021. Acesso em: https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-sudeste/hc-ufu/acesso-a-informacao/institucional/sobre.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde:DATASUS. [citado em 10 jul. 2021]. 2007. Acesso em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/meninmg.def.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Dicionário de dados: Meningite. [citado em 21 jul. 2021]. 2010. Acesso em: http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/Meningite/DIC_DADOS_Meningite_v5.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Panorama das cidades e estados: Uberlândia. [citado em 10 jul. 2021]. IBGE; 2010a. Acesso em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/uberlandia/panorama.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Panorama. [citado em 23 jul. 2021]. 2010b. Acesso em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas em ciências humanas e sociais. Diário Oficial da União, 24 maio 2016.

Galvão TF, Pansani TSA, Harrad D. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação Prisma. Epidemiol Serv Saude. 2015; 24(2):335-42.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Panorama das cidades e estados: Uberlândia. [citado em 10 jul. 2021]. IBGE; 2018. Acesso em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/uberlandia/panorama.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Pesquisas Brasil. [citado em 10 jul. 2021]. Uberlândia: IBGE; 2009. Acesso em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/uberlandia/pesquisa/32/28163.

Naves GRC, Dias LF, Lima NLS, Oliveira SV, Bonito RF. Incidência dos casos de meningite na cidade de Uberaba, Minas Gerais no período de 2010 a 2017: estudo populacional. Revista Ciências em Saúde. 2019; 9(3):6-9.

Tarantini L, Navazio A, Cioffi G, Turiano G, Colivicchi F, Gabrielli D. Esserecardiologo ai tempidel SARS-COVID-19: è tempo diriconsiderareilnostro modo dilavorare? G Ital Cardiol. 2020; 21(5):354-7.

Berezin EM. Epidemiologia da infecção meningocócica. AlamTec; 2015.

Paim ACB, Gregio MM, Garcia SP. Perfil epidemiológico da meningite no estado de Santa Catarina no período de 2008 a 2018. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2019; 48(4):11-125.

Gonçalves HC, Mezzaroba N. Meningite no Brasil em 2015: o panorama da atualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2018; 47(1):34-46.

Dias FCF, Junior CAR, Cardoso CRL, Veloso FPFS, Rosa RTAS, Figueiredo BNS. Meningite: aspectos epidemiológicos da doença na região norte do Brasil. Revista de Patologia do Tocantins. 2017; 4(2):46-49.

Souza SF, Costa MDCN, Paim JS, Natividade MSD, Pereira SM, Andrade AMDS et al. Bacterial meningitis and living conditions. Rev Soc Bras Med Trop. 2012; 45:323-8.

Klein SL. The effects of hormones on sex differences in infection: from genes to behavior. Neuroscience & Biobehavioral Reviews. 2000; 24(6):627-38.

Dazzi MC, Zatti CA, Baldissera R. Perfil dos casos de meningites ocorridas no Brasil de 2009 a 2012. Revista UNINGÁ Review. 2014; 19(3).

Ministério da Saúde (BR). Nota informativa sobre mudanças no calendário Nacional de vacinação para o ano de 2017. [citado em 22 jul. 2021]. Acesso em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/28/Nota-Informativa-384-Calendario-Nacional- de-Vacinacao-2017.pdf.

Jafri RZ, Ali A, Messonnier NE, Tevi-Benissan C, Durrheim D, Eskola J et al. Global epidemiology of invasive meningococcal disease. Population health metrics. 2013; 11(1):1-9.

Parikh SR, Campbell H, Bettinger JA, Harrison LH, Marshall HS, Martinon-Torres F et al. The everchanging epidemiology of meningococcal disease worldwide and the potential for prevention through vaccination. Journal of Infection. 2020; 81(4):483-98.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Vigilância Epidemiológica, Coordenação geral do Programa Nacional de Imunizações. Introdução da vacina meningocócica C conjugada no calendário de vacinação da criança: incorporação: 2º semestre de 2010. [citado em 23 jul. 2021]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. Acesso em: http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq_626_menig.pdf.

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no Sistema Único de Saúde (BR). Relatório de recomendação nº 556: setembro/2020: vacina meningocócica ACWY (conjugada) para adolescentes de 11 e 12 anos no Calendário Nacional de Vacinação. [citado em 23 jul. 2021]. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2020/20201001_Relatorio_de_Recomendacao_556_Vacina_meningococica_ACWY.pdf.

Leite CR, Azevedo J, Galvão VS, Moreno-Carvalho O, Reis JN, Nascimento-Carvalho C. Clinical and bacteriological characteristics of invasive pneumococcal disease after pneumococcal 10-valent conjugate vaccine implementation in Salvador, Brazil. Braz J Infect Dis. 2016; 20:56-60.

Azevedo LCP, Toscano CM, Bierrenbach AL. Bacterial meningitis in Brazil: baseline epidemiologic assessment of the decade prior to the introduction of pneumococcal and meningococcal vaccines. PLoS One. 2013; 8(6).

Bronska E, Kalmusova J, Dzupova O, Maresova V, Kriz P, Benes J. Dynamics of PCR-based diagnosis in patients with invasive meningococcal disease. Clinical microbiology and infection. 2006; 12(2):137-41.

Chadwick DR, Lever AML. The impact of new diagnostic methodologies in the management of meningitis in adults at a teaching hospital. QJM. 2002; 95(10):663-70.

Shin SY, Kwon KC, Park JW, Kim JM, Shin SY, Koo SH. Evaluation of the Seeplex® Meningitis ACE Detection kit for the detection of 12 common bacterial and viral pathogens of acute meningitis. Annals of laboratory medicine. 2012; 32(1):44-9.

Saravolatz LD, Manzor O, VanderVelde N, Pawlak J, Belian B. Broad-range bacterial polymerase chain reaction for early detection of bacterial meningitis. Clinical Infectious Diseases. 2003; 36(1):40-5.

Pedro LGF, Boente RF, Madureira DJ, Matos JA, Rebelo CM, Igreja RP et al. Diagnosis of meningococcal meningitis in Brazil by use of PCR. Scandinavian journal of infectious diseases. 2007; 39(1):28-32.

Michael BD, Powell G, Curtis S, Bailey L, Almond S, McGill F et al. Improving the diagnosis of central nervous system infections in adults through introduction of a simple lumbar puncture pack. Emergency Medicine Journal. 2013; 30(5):402-5.

Glimåker M, Johansson B, Grindborg Ö, Bottai M, Lindquist L, Sjölin J. Adult bacterial meningitis: earlier treatment and improved outcome following guideline revision promoting prompt lumbar puncture. Clinical Infectious Diseases. 2015; 60(8):1162-9.

Beratis NG, Eliopoulou MI, Syrogiannopoulos GA. β‐Glucuronidase in the diagnosis of bacterial meningitis and response to treatment. Acta Pædiatrica. 2003; 92(11):1272-6.

García-Hernández P, Prieto B, Martínez-Morillo E, Rodríguez V, Álvarez FV. Interleukin-6 in cerebrospinal fluid as a biomarker of acute meningitis. Annals of clinical biochemistry. 2016; 53(1):155-63.

Guiddir T, Deghmane AE, Giorgini D, Taha MK. Lipocalin 2 in cerebrospinal fluid as a marker of acute bacterial meningitis. BMC Infect Dis. 2014; 14(1):1-8.

Linder A, Åkesson P, Brink M, Studahl M, Björck L, Christensson B. Heparin-binding protein: a diagnostic marker of acute bacterial meningitis. Critical Care Medicine. 2011; 39(4):812-7.

Mazumder S, Ramya BS, Biligi DS. Utility of urine reagent strips in cerebrospinal fluid analysis: an aid to bedside diagnosis of meningitis. Indian JPathol Microbiol. 2018; 61(3):356.

Shokouhi S, Karamipour M, Darazam IA, Sepehrvand N, Ahmadi H, Sajadi MM. Diagnostic value of the leukocyte esterase test for early detection of pleocytosis in cerebrospinal fluid of patients with suspected acute bacterial meningitis. Infect Disord Drug Targets. 2018; 18(1):29-34.

Tanno LK, Ganem F, Demoly P, Toscano CM, Bierrenbach AL. Undernotification of anaphylaxis deaths in Brazil due to difficult coding under the ICD‐10. Allergy. 2012; 67(6):783-9.

Downloads

Publicado

2022-08-15

Como Citar

1.
Carrijo AMM, Brito VP de, Souza MG de, Oliveira SV de. Análise epidemiológica dos casos de meningite em Uberlândia de 2007 a 2020: uma proposta de intervenção pautada em uma revisão sistemática. hu rev [Internet]. 15º de agosto de 2022 [citado 26º de setembro de 2022];48:1-11. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/37578

Edição

Seção

Artigos Originais