Conhecimento e prática dos profissionais da atenção primária a saúde sobre a participação paterna durante os períodos gestacional e puerperal

Autores

  • Luiany Caroline Bastos Amariz Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Hospital Universitário Clemente de Farias (HUCF)
  • Cássia Gonçalves Queiroz Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Hospital Universitário Clemente de Farias (HUCF) https://orcid.org/0000-0002-8014-0737
  • Samuel Trezena Costa Mestrado Profissional em Cuidado Primário em Saúde, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) https://orcid.org/0000-0002-4217-1276
  • Pâmela Scarlatt Durães Oliveira Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Hospital Universitário Clemente de Farias (HUCF)
  • Renata Francine Rodrigues de Oliveira Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.35708

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Cuidado pré-natal, Gravidez, Paternidade

Resumo

Introdução: Durante o período gestacional e o puerpério é importante que a mulher receba apoio pela equipe de saúde e principalmente pelo seu parceiro. No entanto, sabe-se que a figura do pai do bebê, durante esses períodos, ainda é pouco estimulada. Objetivo: Descrever o conhecimento de médicos e enfermeiros da atenção primária à saúde do município de Montes Claros – MG, acerca da importância da participação paterna durante os períodos de pré-natal e puerperal. Material e Métodos: Pesquisa descritiva, quantitativa, de delineamento transversal. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário semi-estruturado, on-line, disponibilizado na ferramenta Google Forms. Análise estatística realizada através do programa IBM SPSS versão 20. Foram feitas análises descritivas de frequência e porcentagem e correlações com teste qui-quadrado de Fisher e Pearson. Resultados: Participaram 53 profissionais, sendo 62,3% médicos (n= 33) e 37,7% (n= 20) enfermeiros. Quanto à participação paterna durante o ciclo gravídico-puerperal, 98,1% (n= 52) dos participantes reconhecem como importante ou muito importante, informando como benefícios, a segurança emocional à mulher (30,6%, n= 53), o desenvolvimento de vínculo entre o pai e a criança (29,5%, n= 51) e a amamentação mais efetiva (26,0%, n= 45). Observou-se que não há ações direcionadas que valorizem a presença paterna, já que, 67,9% (n= 36) informaram que ainda que este esteja presente, nunca, raramente ou ocasionalmente executa abordagem direta a ele. Conclusão: A maioria dos profissionais participantes dessa pesquisa reconhece a participação paterna como fator importante no desenvolvimento do ciclo gravídico-puerperal, no entanto, é notado que durante a prática não há incentivo ou abordagem direta ao parceiro das gestantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Leite MG, Rodrigues DP, Sousa AA, Melo LPT, Fialho AVM. Sentimentos advindos da maternidade: revelações de um grupo de gestantes. Psicol Estud. 2014; 19(1):115-24.

Balica LO, Aguiar RS. Percepções paternas no acompanhamento do pré-natal. Rev Aten Saúde. 2019; 17(61):114-26.

Oliva TA, Nascimento ER, Santo FRE. Percepções e experiências de homens relativas ao pré-natal e parto de suas parceiras. Rev Enferm UERJ. 2010; 18(3):435-40.

Santos C, Escobal APL, Strefling ISS, Vargas E, Vaz CHGJ, Machado DG. Percepção do pai sobre os reflexos de sua presença da concepção ao pós-parto imediato para o casal e recém-nascido. Rev Jornada Pós-graduação Pesquisa. 2018; 15(1):492-509.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.944, de 27 de agosto de 2009 [Internet]. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. 2009. [citado em 2020 dezembro 03]. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1944_27_08_2009.html

Ministério da Saúde (BR). Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde: manual técnico. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas; 2018.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011 [Internet]. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) a Rede Cegonha. 2011. [citado em 2020 dezembro 03]. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Henz GS, Medeiros CRG, Salvadori M. A inclusão paterna durante o pré-natal paternal. Rev Enferm Atenção Saúde. 2010; 6(1):52-66.

Silva Junior SD, Costa FJ. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas de Likert e Phrase Completion. Rev Brasileira Pesquisas Marketing Opinião Mídia. 2014; 15(1):1-16.

Mota JS. Utilização do Google Forms na pesquisa acadêmica. Rev Humanidades Inovação. 2019; 6(12):371-80.

Montes Claros (BR). Decreto n° 4001, 13 de março de 2020 [Internet]. Dispõe sobre estado de emergência no município de montes claros e cria gabinete de crise. 2020. [citado em 2021 janeiro 22]. Acesso em: https://portal.montesclaros.mg.gov.br/decreto/com-numero/decreto-n-4001-13-de-marco-de-2020.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Almeida BS, Silva BT, Ribeiro JP, Oliveira AMN. Percepção dos enfermeiros das unidades de maternidade e pediatria acerca do cuidado paterno. Rev Enferm UFSM. 2014; 4(4):792-802.

Cavalcanti TRL, Holanda VR. Participação paterna no ciclo gravídico-puerperal e seus efeitos sob a saúde da mulher. Rev Enferm foco. 2019; 10 (1):93-8.

Costa SF. Taquette SR. Atenção à gestante adolescente na rede SUS: o acolhimento do parceiro no pré-natal. Rev Enferm UFPE. 2017; 11(5):2067-74.

Carvalho SS, Barbosa SOR, Carvalho LF, Freitas AMC, Silva CS, Matos DO. Inserção do acompanhante no processo gravídico-puerperal. Rev Enferm UFPE On-line. 2019; 13(1):1-9.

Mello MG, Parauta TC, Saldanha BL, Lemos A. Participação do pai jovem no acompanhamento do pré-natal: a visão do profissional de saúde. Rev Fun Care On-line. 2020; 12:95-100.

Ferreira TN, Almeida DR, Brito HM, Cabral JF, Marin HA, Campo FMC. A importância da participação paterna durante o pré-natal: percepção da gestante e do pai no município de Cáceres – MT. Rev Eletrônica Gestão Saúde. 2014; 5(2):337-45.

Ribeiro JP, Gomes GC, Silva BT, Cardoso LS, Silva PA, Strefling ISS. Participação do pai na gestação, parto e puerpério: refletindo as interfaces da assistência de enfermagem. Rev Espaço Saúde. 2015; 16(3):73-82.

Ministério da Saúde (BR). Instrutivo de adesão ao Programa Saúde na hora: manual técnico. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas; 2019.

Domingues F, Pinto FS, Pereira VM. Grupo de gestantes na atenção básica: espaço para construção do conhecimento e experiências na gestação. Ver Faculdade Ciências Médicas. 2018; 20(1):3-6.

Faleiros F, Käppler C, Pontes FAR, Silva SSC, de Goes FSN, Cucick CD. Uso de questionário on-line e divulgação virtual como estratégia de coleta de dados em estudo científicos. Texto Contexto Enferm. 2016; 25(4):e3880014.

Menezes KKP, Avelino P R. Grupos operativos na atenção primária à saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad Saúde Colet. 2016; 24(1):124-30.

Boni RB. Websurveys nos tempos de COVID-19. Cad Saúde Pública. 2020; 36(7):e00155820.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

1.
Amariz LCB, Queiroz CG, Trezena Costa S, Oliveira PSD, de Oliveira RFR. Conhecimento e prática dos profissionais da atenção primária a saúde sobre a participação paterna durante os períodos gestacional e puerperal. hu rev [Internet]. 13º de dezembro de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];47:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/35708

Edição

Seção

Artigos Originais