Perfil bacteriano das infecções hospitalares de pacientes cirúrgicos em um hospital terciário

Autores

  • Tércio Luiz Ferreira Coelho Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Petrolina-PE https://orcid.org/0000-0002-6564-9420
  • Ramom Coelho Jericó Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Petrolina-PE
  • Thiago Jardim Pereira Hospital Universitário da UNIVASF/EBSERH, Petrolina-PE https://orcid.org/0000-0003-3304-4619
  • Carine Freitas e Silva Faculdade São Francisco de Juazeiro (FASJ), Juazeiro-BA
  • Carine Rosa Naue Hospital Universitário da UNIVASF/EBSERH, Petrolina-PE https://orcid.org/0000-0003-4215-3606

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.33652

Palavras-chave:

Infecção Hospitalar, Farmacorresistência Bacteriana, Procedimentos Cirúrgicos Operatórios

Resumo

Introdução: A infecções hospitalares são um agravo de notoriedade mundial, desafiando profissionais e sistemas de saúde. Pacientes expostos a intervenções cirúrgicas estão mais propensos a esse agravo. Objetivo: Determinar o perfil bacteriano das infecções hospitalares de pacientes abordados cirurgicamente pela equipe da cirurgia geral em um hospital terciário. Material e Métodos: Foram incluídos no estudo os pacientes abordados cirurgicamente pela equipe da cirurgia geral e que desenvolveram infecção hospitalar bacteriana comprovada por uma ou mais culturas positivas nos anos de 2019 e 2020. As variáveis analisadas foram gênero, idade, caráter da cirurgia (urgência ou eletiva), amostra da cultura, foco infeccioso, espécie bacteriana isolada e seu respectivo antibiograma, multirresistência bacteriana e presença ou não de mais de uma espécie bacteriana isolada na amostra analisada. Os dados foram analisados através da descrição de valores absolutos e percentuais. Resultados: A maioria dos pacientes foi do gênero masculino, abordado cirurgicamente em caráter de urgência/emergência e com idade média de 41 anos. O principal foco infeccioso foi o abdominal, cujos principais agentes etiológicos isolados foram Escherichia coli (27%), Enterococcus faecalis (16%), Klebsiella pneumoniae (14%). Também houve um número expressivo de culturas demonstrando Acinetobacter baumannii nas infecções respiratórias. Além disso, 71% das bactérias isoladas das amostras biológicas foram multirresistentes. Conclusão: Os achados do estudo promovem mudanças nos esquemas antibióticos empíricos usados na instituição em estudo, uma vez que o alto índice de farmacorresistência encontrado é um risco à população estudada, ainda mais alarmante no contexto do isolamento frequente de espécies bacterianas.

Referências

Burke JP. Infection control: a problem for patient safety. N Engl J Med. 2003; 348(7):651-6. doi: 10.1056/NEJMhpr020557

Berríos-Torres SI, Umscheid CA, Bratzler DW. Centers for disease control and prevention guideline for the prevention of surgical site infection. JAMA Surg. 2017; 152(8):784-91. doi:10.1001/jamasurg.2017.0904

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Critérios diagnósticos de infecção relacionada à assistência à saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Pediatria: prevenção e controle de infecção hospitalar. Brasília: Anvisa; 2005.

Organização Panamericana da Saúde. Infecção hospitalar. 2000. [Citado em 29 jun 2021]. Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/fotos/hospitala1.PDF.

Chor D, Klein CH, Marzochi KBF. Infecção hospitalar: comparação entre dois métodos de vigilância epidemiológica. Cad Saúde Pública. 1990; 6:201-17. doi: 10.1590/S0102-311X1990000200008

Pereira BRR, Mendoza IYQ, Couto BRGM, Ercole FF, Goveia VR. Artroplastia do quadril: prevenção de infecção do sítio cirúrgico. Rev SOBECC. 2014; 19(4):181-7. doi:10.5327/Z1414-4425201400040002

Gomes AC, Carvalho PO, Lima ETA, Gomes ET, Valenca MP, Cavalcanti ATA. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em unidade de terapia intensiva. REUOL. 2014; 8(1):1577-85. doi: 10.5205/reuol.5876-50610-1-SM.0806201417

Appolinário RS. Absenteísmo na equipe de enfermagem: análise da produção científica. Rev enferm UERJ. 2008; 16:83-7.

Segretti J. Nosocomial infections and secondary infections insepsis. Crit Care Clin. 1989; 5(1):177-89. doi: 10.1016/S0749-0704(18)30457-3

Oliveira ACC, Silva ACO. Prevalência de infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora em pacientes de UTI. Rev Pesq Saúde. 2010; 11(1):27-31.

Dzidic S, Bedeković V. Horizontal gene transfer emerging multidrug resistance in hospital bacteria. Acta Pharmacol Sin. 2003; 24(6):519-26.

Tenover FC. Development and spread of bacterial resistance to antimicrobial agents: on overview. CID. 2001; 33(5):108-15. doi:10.1086/321834

Carmeli Y, Troillet N, Karchmer AW, Samore MH. Health and economic outcomes of antibiotic resistance in pseudomonas aeruginosa. Arch Intern Med. 1999; 159(10):1127-32. doi: 10.1001/archinte.159.10.1127

Ferrareze MV, Leopoldo VC, Andrade D, Silva MF, Haas VJ. Multi-resistant pseudomonas aeruginosa among patients from an intensive care unit: persistent challenge? Acta Paul Enferm. 2007; 20(1):7-11. doi:10.1590/S0103-21002007000100002

Jarvis WR. The Lowbury Lecture. The United States approach to strategies in the battle against healthcare-associated infections, 2006: transitioning from benchmarking to zero tolerance and clinician accountability. J Hosp Infect. 2007; 65(2):3-9. doi: 10.1016/S0195-6701(07)60005-X

Oliveira AC, Cardoso CS, Mascarenhas D. Precauções de contato em unidade de terapia intensiva: fatores facilitadores e dificultadores para adesão dos profissionais. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(1):161-5. doi:10.1590/S0080-62342010000100023

Sader HS, Jones RN, Gales AC, Winokur P, Kugler KC, Pfaller MA, et al. Antimicrobial susceptibility of patterns for pathogens isolated from patients in Latin American medical centers with a diagnosis of pneumonia: results from the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program (1997). Diagn Microbiol Infect Dis. 1998; 32(4):289-301. doi:10.1016/s0732-8893(98)00124-2

Sader HS, Sampaio JLM, Zoccoli C, Jones RN. Results of the SENTRY. Antimicrobial surveillance program results in three Brazilian medical centers for 1997. Braz J Infect Dis. 1999; 3(2):63-79.

Sader HS, Gales AC, Pfaller MA, Mendes RE, Zoccoli C, Barth A et al. Pathogen frequency and resistance patterns in brazilian hospitals: summary of results from three years of the SENTRY antimicrobial surveillance program. Braz J Infect Dis. 2001; 5(4):200-14. doi:10.1590/S1413-86702001000400006

Siegel JD, Rhienehart E, Jackson M, Chiarello L. Management of multidrug-resistant organisms in health care settings. Am J Infect Control. 2007; 35:165-93 doi:10.1016/j.ajic.2007.10.006

European Centre for Disease Prevention and Control. Healthcare-associated infections. [citado em 2013 mar 2020]. Disponível em: http//:www.ecdc.europa.eu/en/healthtopics/Healthcareassociatedinfections/Pages/index.aspx

Swartz MN. Hospital acquired infections: diseases with increasingly limited therapies. PNAS. 1994; 91(7):2420-7. doi: 10.1073/pnas.91.7.2420

Bradford PA. Extended-spectrum B-lactamases in the 21st Century: characterization, epidemiology, and detection of this important resistance threat. Clin Microbiol. 2001; 14(4):933-51. doi: 10.1128/CMR.14.4.933-951.2001

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). manual de microbiologia clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. 2004. Disponível em: https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/microbiologia/introducao.pdf

Oliveira AC, Martins MA, Martinho GH, Clemente WT, Lacerda RA. Estudo comparativo do diagnóstico da infecção do sítio cirúrgico durante e pós a internação. Rev Saúde Pública. 2002; 36(6):717-22. doi:10.1590/S0034-8910200200070000

Cullen IM, Manecksha RP, McCullagh E, Ahmad S, O’Kelly F, Flynn RJ et al. The changing pattern of antimicrobial resistance within 42 033 Escherichia coli isolates from nosocomial, community and urology patient-specific urinary tract infections, Dublin, 19992009. BJU Int. 2012; 109(8):1198-206. doi:10.1111/j.1464-410X.2011.10528.x

Correia C, Costa E, Peres A, Alves A, Pombo G, Estevinho L. Etiologia das infecções do trato urinário e sua susceptibilidade aos antimicrobianos. Acta Med Port. 2007; 20:543-9. doi: 10.34632/cadernosdesaude.2010.3024

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.616/MS/GM. 1998. [Citado em 29 jun 2021]. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_1998.html

Horcajada JP, Montero Ml, Oliver A, Sorlí L, Luque S, Gómez-Zorrilla S, Benito N, Grau S. Epidemiology and treatment of multidrug-resistant and extensively drug-resistant Pseudomonas aeruginosa infections. Clin Microbiol. 2019; 32:e00031-19. doi: 10.1128/CMR.00031-19

Moraes GM, Cohrs FM, Batista REA, Grinbaum RS. Infecção ou colonização por micro-organismos resistentes: identificação de preditores. Acta Paul Enferm. 2013; 26(2):185-91. doi:10.1590/S0103-21002013000200013

Carvalho RLR, Campos CC, Franco LMC, Rocha AM, Ercole FF. Incidence and risk factors for surgical site infection in general surgeries. Rev Latino-Am Enfermagem. 2017; 25:e2848. doi:10.1590/1518-8345.1502.2848

Bastos IDM, Bastos BDM, Silva CF, Silva KSB, Naue CR. Perfil bacteriano de amostras microbiológicas de pacientes internados na clínica cirúrgica de um hospital universitário de Pernambuco. VITTALLE. 2020; 32(1):108-21. doi: 10.14295/vittalle.v32i1.11079

Ribeiro TS, Ribeiro RAAS, Batista KS, Aquino SR, Naue CR. Ocorrência e perfil bacteriano de culturas coletadas em pacientes internados na unidade de terapia intensiva em um hospital terciário. HU Rev. 2019; 45(2):122-33. doi: 10.34019/1982-8047.2019.v45.25933

Nangino GO, Oliveira CD, Correia PC, Machado NM, Dias ATB. Impacto financeiro das infecções nosocomiais em unidades de terapia intensiva em hospital filantrópico de Minas Gerais. Rev Bras Ter Intensiva. 2012; 24(4):357-61. doi:10.1590/S0103-507X2012000400011

Souza LU, Mielke TP, Hörner R, Rodrigues MA, Dos Santos SO, Martini R et al. Avaliação de metodologias para a detecção de cepas de Staphylococcus aureus resistentes a meticilina (MRSA) e análise do perfil de sensibilidade frente aos antimicrobianos em um hospital terciário. Saúde (Santa Maria). 2011; 37(1):23-30. doi:10.5902/223658343266

Seligman R, Ramos-Lima LF, Oliveira VA, Sanvicente C, Sartori J, Pacheco EF. Fatores de risco para multirresistência bacteriana em pneumonias adquiridas no hospital não associadas à ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2013; 39(3):339-48. doi:10.1590/S1806-37132013000300011

Moreira M, Freitas MR, Martins ST, Castelo A, Medeiros EA. Efficacy of a program of prevention and control for methicillin-resistant Staphylococcus aureus infections in an intensive-care unit. Braz J Infect Dis. 2007; 11(1):57-62. doi:10.1590/S1413-86702007000100015

Mota FS, Oliveira HA, Souto RCF. Profile and prevalence of antimicrobial resistance of negative-Gram bacteria isolated from intensive care patients. RBAC. 2018; 50(3):270-7.

Almeida ZG, Farias LR. Investigação epidemiológica das principais infecções nosocomiais no Brasil e identificação dos patógenos responsáveis: uma revisão bibliográfica. RBPeCS. 2014; 1(2):49-53.

Almeida BMM, Breda GL, Silva MG. Proporção de bactérias multirresistentes de um hospital público sul-brasileiro. Rev Med UFPR. 2014; 1(1):5-9. doi:10.5380/rmu.v1i1.40679

Cândido RBR, Souza WA, Podestá MHMC, Rocha JR, Siqueira VMS, Souza WC, Pereira CAS, Ferreira EB. Avaliação das infecções hospitalares em pacientes críticos em um centro de terapia intensiva. Rev Univ Vale do Rio Verde. 2012; 10(2):148-63. doi:10.5892/ruvrd.v10i2.610.g615

Downloads

Publicado

2021-08-11

Como Citar

1.
Ferreira Coelho TL, Coelho Jericó R, Jardim Pereira T, Freitas e Silva C, Rosa Naue C. Perfil bacteriano das infecções hospitalares de pacientes cirúrgicos em um hospital terciário. hu rev [Internet]. 11º de agosto de 2021 [citado 17º de setembro de 2021];47:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/33652

Edição

Seção

Artigos Originais