Telepsicologia para famílias durante a pandemia de COVID-19: uma experiência com telepsicoterapia e telepsicoeducação

  • Andrêze Cristine do Nascimento Silva Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-6646-4180
  • Esther Marques de Sales Pós-Graduação em Terapia Cognitivo-Comportamental, Universidade Salgado de Oliveira, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Amanda Freire Dutra Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-8675-6380
  • Laura dos Reis Carnot Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-9743-5585
  • Altemir José Gonçalves Barbosa Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais
Palavras-chave: Telepsicologia, Terapia Familiar, Saúde Mental, Educação em Saúde, Infecções por Coronavírus

Resumo

Introdução: Em tempos de pandemia de COVID-19, a telepsicologia é uma opção apropriada que permite manter e expandir a oferta de serviços psicológicos. Telepsicologia é o uso de tecnologias de informação e comunicação (videochamada, e-mail etc.) para prover serviços psicológicos (telepsicoterapia, teleaconselhamento etc.) e se tornou fundamental devido ao aumento e/ou agravamento dos problemas de saúde mental durante a pandemia. Objetivo: Relatar uma experiência em andamento de telepsicologia para famílias que envolve o uso de telepsicoterapia e telepsicoeducação. Relato de Experiência: O relato foi organizado com base em 10 diretrizes desenvolvidas a partir de princípios norteadores propostos por instituições de referência nacionais e internacionais. Dois tipos de atividades são oferecidos: telepsicoeducação preventiva e telepsicoterapia familiar. A telepsicoterapia está sendo disponibilizada em formato breve e as famílias atendidas são principalmente da cidade da instituição responsável pelo projeto. A telepsicoeducação tem sido feita principalmente por cartilhas e podcasts com temas relacionados ao foco do projeto (família) e aspectos que contribuem para um coping funcional com as consequências da pandemia de COVID-19. Resultados: Embora não se trate de um ensaio clínico randomizado e ainda tenham sido atendidas poucas famílias, parece que o processo telepsicoterapêutico tem sido eficaz. Os atendidos têm participado ativamente, o vínculo tem se estabelecido e relações de ajuda estão sendo construídas. Feedbacks positivos por parte dos atendidos já foram obtidos no que se refere ao alcance das metas terapêuticas definidas. Conclusão: A telepsicologia é especialmente relevante neste momento histórico em que o distanciamento social é imprescindível para mitigar a pandemia e continuará a ser vantajosa após esta crise de saúde por ser particularmente útil, por exemplo, para pessoas residentes em áreas remotas ou com dificuldades de locomoção. Ademais, é provável que a humanidade enfrentará outras pandemias e uma crise climática que, novamente, exigirão distanciamento social e/ou impossibilitarão deslocamentos usuais.

Referências

Barbosa AJG. Psicologia e computadores: ensino, pesquisa e prática profissional [Tese]. Campinas: Pontifícia Universidade Católica; 2003.

Li W, Yang Y, Liu ZH, Zhao YJ, Zhang Q, Zhang L et al. Progression of mental health services during the COVID-19 outbreak in China. Int J Biol Sci. 2020; 16(10):1732-38. doi: 10.7150/ijbs.45120.

Perrin PB, Rybarczyk BD, Pierce BS, Jones HA, Shaffer C, Islam L. Rapid telepsychology deployment during the COVID‐19 pandemic: a special issue commentary and lessons from primary care psychology training. J Clin Psychol. 2020; 76(6):1173-85. doi: 10.1002/jclp.22969.

Waldroff, K. As the U.S. stays home, psychology moves online: the rapid switch to telehealth, online data-gathering and distance teaching requires flexibility and creativity, experts say. 2020. [Acesso em 24 jun 2020] Disponível em: https://www.apa.org/monitor/2020/06/covid-psychology- online.

American Psychological Association. Guidelines for the practice of telepsychology. Am Psychol. 2013; 68(9):791-800. doi:10.1037/a0035001.

Van Daele T, Karekla M, Kassianos AP, Compare A, Haddouk L, Salgado J et al. Recommendations for policy and practice of telepsychotherapy and e-mental health in Europe and beyond. J Psychother Integr. 2020; 30(2):160-73. doi: 10.1037/int0000218.

Santana SR, Girard CDT, Costa LCA, Girard CMT, Costa DJE. Os desafios dos serviços psicológicos mediados pelas TIC no contexto da pandemia do Coronavírus 2019-2020. 2020; 6(1):59-1.

Conselho Federal de Psicologia. Resolução CFP n. 11/2012 (Revogada pela Resolução CFP n. 11/2018). 2012. [Acesso em 25 jun 2020]. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Resoluxo_CFP_nx_ 011-12.pdf.

Conselho Federal de Psicologia, Grupo de Trabalho para Revisão da Resolução nº 11/2012. Resolução CFP 11/2018 comentada: orientações sobre a prestação de serviços psicológicos por meio de tecnologia de informação e comunicação. [Acesso em 25 jun 2020]. Disponível em: https://e-psi. cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/11/Resolu%C3%A7%C3%A3o-Comentada-Documento-Final.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. Resolução CFP n. 04/2020. 2020. [Acesso em 25 jun 2020]. Disponível em: https://leisinstitucionais.s3. amazonaws.com/originais/conselho_federal_de_psicologia-br/2020/resexepro-4-2020-cfp-br.pdf.

Pieta MAM, Siegmund G, Gomes WB, Gauer G. Desenvolvimento de protocolos para acompanhamento de psicoterapia pela internet. Contextos Clínic. 2015; 8(2):128-40. doi: 10.4013/ctc.2015.82.02.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2018. 2020. [Acesso em 25 jun 2020]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/ index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101705.

Hallberg SCM, Lisboa CSM. Percepção e uso de tecnologias da informação e comunicação por psicoterapeutas. Temas Psicol. 2016; 24(4):1297-309. doi: 10.9788/TP2016.4-06.

Fleury HJ. Psicodrama e as especificidades da psicoterapia on-line. Rev Bras Psicodrama. 2020; 28(1):1-4. doi: 10.15329/2318-0498.20203.

Sammons MT, VandenBos GR, Martin JN. Psychological practice and the COVID-19 crisis: a rapid response survey. J Health Serv Psychol. 2020; 46:1-7. doi: 10.1007/s42843-020-00013-2.

Yao H, Chen JH, Xu YF. Rethinking online mental health services in China during the COVID-19 epidemic. Asian J Psychiatr. 2020; 50:102015. doi: 10.1016/j.ajp.2020.102015.

Prime H, Wade M, Browne DT. Risk and resilience in family well-being during the COVID-19 pandemic. Am Psychol Forthcoming. 2020. doi: 10.1037/amp0000660.

Foley VD. Introdução à terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas; 1990.

Blumer MLC, Hertlein KM, VandenBosch ML. Towards the development of educational core competencies for couple and family therapy technology practices. Contemp Fam Ther. 2015; 37:113-21. doi: 10.1007/s10591- 015-9330-1.

Escola Fiocruz de Governo. Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde. Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia de covid-19: recomendações aos psicólogos para o atendimento online. 2020. [Acesso em 25 maio 2020]. Disponível em: http://renastonline. ensp.fiocruz.br/recursos/saude-mental-atencao-psicossocial-pandemia-covid-19-recomendacoes-aos-psicologos.

Publicado
2020-08-21
Como Citar
1.
Silva AC do N, Marques de Sales E, Freire Dutra A, dos Reis Carnot L, Gonçalves Barbosa AJ. Telepsicologia para famílias durante a pandemia de COVID-19: uma experiência com telepsicoterapia e telepsicoeducação. hu rev [Internet]. 21º de agosto de 2020 [citado 21º de setembro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/31143
Seção
Relato de Experiência