Delineamento epidemiológico da infecção por vírus Zika na população de Juiz de Fora e perfil das gestantes infectadas

  • Amanda Madeira Zancanelli Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-3968-7244
  • Amanda Tubinamba da Fonseca Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-4047-648X
  • Liora Gonik Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-6945-3954
  • Paula Silva de Carvalho Chagas Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-4312-0403
  • Jaqueline da Silva Fronio Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-6936-8431
Palavras-chave: Zika Vírus, Epidemiologia, Transmissão Vertical de Doença Infecciosa

Resumo

Introdução: No início de 2015 foram detectadas as primeiras infecções do vírus Zika no Nordeste do Brasil e no final do mesmo ano constatou-se a sua propagação para pelo menos quatorze estados brasileiros, incluindo Minas Gerais. Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico dos casos de infecção por vírus Zika em Juiz de Fora, com foco especial nas gestantes infectadas. Materiais e Métodos: Dados referem-se ao período de janeiro de 2016 a junho de 2019, da cidade de Juiz de Fora obtidos através do Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental, do Sistema de Informação de Agravos de Notificação e do Registro de Eventos em Saúde Pública (RESP). Foram extraídos: data das notificações, idade, sexo, período de gravidez, raça, nível de escolaridade, se a infecção foi autóctone, bairro de residência e critério utilizado para confirmação da infecção. Resultados: 288 casos tiveram a confirmação através de exames laboratoriais (RT-PCR), sendo 19 gestantes. Não houve registro de óbitos ou abortos pela infecção. Em 13 dos 19 casos em gestantes, o RESP não foi completamente preenchido. A média de idade foi 36,69 ±17,81 anos, 68,05% do sexo feminino, e o nível de escolaridade predominante foi fundamental incompleto e médio completo. Conclusão: Apesar dos dados incompletos nos sistemas de notificações, foi identificada maior taxa de infeção no sexo feminino, na faixa etária de 20 a 49 anos.

Biografia do Autor

Amanda Tubinamba da Fonseca, Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil.

Liora Gonik, Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil.

 

Paula Silva de Carvalho Chagas, Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora, Doutoura e Co-orientadora do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil.

 

Jaqueline da Silva Fronio, Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora, Doutora e orientadora do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico- Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil.

Referências

Campos G, Bandeira A, Sardi S. Zika Virus Outbreak, Bahia Brazil. Emerg Infect Dis. 2015; 21(10):1881.

Zammarchi L Fortuna C, Remoli ME, Günther S, Venturi G, Bartoloni A, Schmidt-Chanasit J TD. Zika virus infection in a traveler returning to Europe from Brazil, March 2015. Euro Surveill. 2015; 20(23):pii=21153.

Zanluca C, Melo VCA, Mosimann ALP, Santos GIV, Santos CND, Luz K. First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2015; 110(4):569–72.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Atif M, Azeem A, Sarwar M R, Bashir A. Zika virus disease: a current review of the literature. Infection 2016; 44(6):695-705. DOI 10.1007/s15010-016-0935-6

WHO. Zika virus outbreaks in the Americas. Wkly Epidemiol Rec [Internet]. 2015; 90(45):609-10.

Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.813, de 11 de novembro de 2015. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) por alteração do padrão de ocorrência de microcefalias no Brasil. [citado em 2018 Feb 05]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1813_11_11_2015.html

Proenca-Modena JL, Milanez GP, Costa ML, Judice CC, Maranhão Costa FT. Zika virus: lessons learned in Brazil. Microbes Infect. 2018. [citado em 2019 Mar 12]. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.micinf.2018.02.008

Faria NR, Quick J, Claro IM, Thézé J, Jesus JG, Giovanetti M et al. Establishment and cryptic transmission of Zika virus in Brazil and the Americas. Nature. 2017; 546(7658):406-10.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de Dengue, Febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a semana epidemiológica 13, 2016. Boletim Epidemiológico. 2016; 47(18).

Skråning S, Lindskog B V. The Zika outbreak in Brazil: an unequal burden. Tidsskr den Nor Laegeforening. 2017; 137(22).

Saiz JC, Martín-Acebes MA, Bueno-Marí R, Salomón OD, Villamil-Jiménez LC, Heukelbach J et al. Zika virus: what have we learnt since the start of the recent epidemic? Front Microbiol. 2017; 8:1-25.

Fuller TL, Calvet G, Estevam CG, Angelo JR, Abiodun GJ, Halai UA et al. Behavioral, climatic, and environmental risk factors for Zika and Chikungunya virus infections in Rio de Janeiro, Brazil, 2015-16. PLoS One. 2017; 12(11):1-15

Paixão ES, Barreto F, Da Glória Teixeira M, Da Conceição N, Costa M, Rodrigues LC. History, epidemiology, and clinical manifestations of Zika: a systematic review. Am J Public Health. 2016; 106(4):606-12.

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (BR). Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus (04/09). [citado em 2017 Oct 16]. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/story/9774-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-04-09

Jamrozik E, Selgelid MJ. Ethics, health policy, and Zika: from emergency to global epidemic? J Med Ethics. 2017. [citado em 2017 Feb 05]. Disponível em: http://jme.bmj.com/lookup/doi/10.1136/medethics-2017-104389

Barcellos C, Xavier DR, Pavão AL, Boccolini CS, Pina MF, Pedroso M et al. Increased hospitalizations for neuropathies as indicators of Zika virus infection, according to health information system data, Brazil. Emerg Infect Dis. 2016; 22(11):1894-9.

Petersen LR, Jamieson DJ, Powers AM, Honein MA. Zika Virus. N Engl J Med. 2016; 374(16):1552-63.

Hills SL, Fischer M, Petersen LR. Epidemiology of Zika virus infection. J Infect Dis. 2017; 216:S868-74.

Lahorgue M, Regina C, Marinowic D, Kalil F, Holmer H, Comerlato M et al. Microcephaly and Zika virus : a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. J Pediatr. 2016; 92(3):230-40.

Pessoa R, Patriota V, Souza MDL De, Felix AC, Mamede N, Sanabani SS. Investigation into an outbreak of Dengue-like illness in Pernambuco, Brazil, revealed a cocirculation of Zika, Chikungunya, and Dengue virus type 1. Medicine (Baltimore). 2016; 95(12):1-9.

Butler D. News in focus: microcephaly surge in doubt. Nature. 2016; 530:7-9.

Simmins Jr C. Establishing base levels of microcephaly in Brazil prior to the arrival of Zika viral illnesses. Bull World Heal Organ. 2016; 1-8.

Ribeiro, Igor Gonçalves, Andrade MR, Silva ZM, Wada MY, Saad E. Microcefalia no Piauí, Brasil: estudo descritivo durante a epidemia do vírus Zika, 2015-2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2018; 27(1):2015-6.

Organização Pan-Americana da Saúde. A resposta do Sistema Único de Saúde à epidemia de Zika: introdução. In: Relatório 30 anos de SUS, que SUS para 2030? Brasília; 2018, p. 173-85.

Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (BR). Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. 2017.

Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (BR). Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. 2018.

Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (BR). Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. 2019.

Brasil P, Pereira JP, Moreira ME, Ribeiro Nogueira RM, Damasceno L, Wakimoto M et al. Zika virus infection in pregnant women in Rio de Janeiro. N Engl J Med. 2016; 375(24):2321-34.

Coelho FC, Durovni B, Saraceni V, Lemos C, Codeco CT, Camargo S et al. Higher incidence of Zika in adult women than adult men in Rio de Janeiro suggests a significant contribution of sexual transmission from men to women. Int J Infect Dis. 2016; 51:128-32.

Pacheco O, Beltrán M, Nelson CA, Valencia D, Tolosa N, Farr SL et al. Zika virus disease in Colombia: preliminary report. N Engl J Med. 2016; NEJMoa1604037.

Lourenço J, Lima MM, Faria NR, Walker A, Kraemer MUG, Villabona-Arenas CJ et al. Epidemiological and ecological determinants of Zika virus transmission in an urban setting. Elife. 2017.

Gao D, Lou Y, He D, Porco TC, Kuang Y, Chowell G et al. Prevention and control of Zika as a Mosquito-Borne and sexually transmitted disease: a mathematical modeling analysis. Sci Rep. 2016; 6:4-13.

Carlson CJ, Dougherty ER, Getz W. An ecological assessment of the pandemic threat of Zika virus. PLoS Negl Trop Dis. 2016; 10(8):1-18.

Maxian O, Neufeld A, Talis EJ, Childs LM, Blackwood JC. Zika virus dynamics: when does sexual transmission matter? Epidemics. 2017; 21:48-55.

Ministério da Saúde (BR). Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional. Brasília: 2017. [citado em 2018 Sep 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_integradas_vigilancia_atencao_emergencia_saude_publica.pdf

Pan American Health Organization. Neurological syndrome, congenital malformations, and Zika virus infection. Implications for public health in the Americas. Pan Am Heal Organ. 2015; 1-11. [citado em 2017 Jun 04]. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&Itemid=270&gid=32405&lang=en

Shapiro-Mendoza, Carrie K, VanMaldeghem K, Prado MV, Ellis E, Anesi MS, Simeone RM, Petersen EE et al. Pregnancy outcomes after maternal Zika virus infection during pregnancy. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2017; 66(23):615-21.

Koyadun S, Butraporn P, Kittayapong P. Ecologic and sociodemographic risk determinants for dengue transmission in urban areas in Thailand. Interdiscip Perspect Infect Dis. 2012.

Quintana-Domeque C, Carvalho JR, de Oliveira VH,Zika virus incidence, preventive and reproductive behaviors: correlates from new survey data, economics and human biology. 2010.

Souza WV De, Albuquerque MDFPM De, Vazquez E, Bezerra LCA, Mendes ADCG, Lyra TM et al. Microcephaly epidemic related to the Zika virus and living conditions in Recife, Northeast Brazil. BMC Public Health. 2018; 18(1):1-7.

Human Rights Watch. Esquecidas e desprotegidas: o impacto do vírus Zika nas meninas e mulheres no nordeste do Brasil. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Panorama Juiz de Fora [Internet]. [citado em 2018 Jun 21]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/juiz-de-fora/panorama

Flauzino RF, Souza-Santos R, de Oliveira RM. Indicadores socioambientais para vigilância da dengue em nível local. Saude e Soc. 2011; 20(1):225-40.

Prefeitura de Juiz de Fora (BR). Portal PJF: SS: apresentação. [citado em 2018 Jun 30]. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/secretarias/ss/index.php

Vincenti-Gonzalez MF, Grillet ME, Velasco-Salas ZI, Lizarazo EF, Amarista MA, Sierra GM et al. Spatial analysis of Dengue seroprevalence and modeling of transmission risk factors in a Dengue hyperendemic city of Venezuela. PLoS Negl Trop Dis. 2017; 11(1):1-21.

Publicado
2020-09-24
Como Citar
1.
Madeira Zancanelli A, Tubinamba da Fonseca A, Gonik L, Silva de Carvalho Chagas P, da Silva Fronio J. Delineamento epidemiológico da infecção por vírus Zika na população de Juiz de Fora e perfil das gestantes infectadas. hu rev [Internet]. 24º de setembro de 2020 [citado 31º de outubro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/29664
Seção
Artigos Originais