Caracterização de algumas variáveis sociodemográficas, ocupacionais e de saúde de profissionais com sintomas osteomusculares da unidade ambulatorial de um hospital universitário

Autores

  • Fernanda Mazzoni da Costa Doutorado interinstitucional, Universidade Estadual de Campinas/Universidade Federal de Juiz de Fora, Campinas, São Paulo
  • Daniele Knopp Ribeiro Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-7302-2601
  • Ingryd Guimarães de Oliveira Residência em Enfermagem Obstétrica, Hospital Sofia Feldman, Belo Horizonte, Minas Gerais
  • Marina Ribeiro dos Santos Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
  • Nathalia Fontoura Signé Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-9864-4362
  • Vitor Fabiano da Silva Chaves Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Maria das Dores de Souza Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Neusa Maria Costa Alexandre Faculdade de Enfermagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo https://orcid.org/0000-0001-5005-3360

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.29472

Palavras-chave:

Saúde do Trabalhador, Dor Musculoesquelética, Estresse Psicológico

Resumo

Introdução: Políticas de saúde e qualidade de vida no trabalho devem ser desenvolvidas a partir de cada realidade. Objetivo: Caracterizar o perfil sociodemográfico, ocupacional e de saúde de profissionais com sintomas osteomusculares da unidade ambulatorial de um Hospital Universitário. Material e Métodos: Estudo transversal, descritivo, quantitativo, com profissionais de um hospital universitário com sintomas osteomusculares. Utilizou-se questionários de caracterização sociodemográfica e ocupacional, questionário internacional de atividade física, Nórdico, escala numérica, tempo de duração dos sintomas, questionário de avaliação de incapacidade causada pela dor, tratamento para a dor relatada e escala de estresse percebido. Resultados: População constituída, majoritariamente, por mulheres (66,4%), na metade da vida economicamente ativa (média de 39,02 anos±11,00), com formação superior (60,8%), apenas um emprego (84%), celetistas no local (68%), jornada de trabalho conforme estipulado pela legislação trabalhista (média de 42,30 horas±9,36), atuantes em setores assistenciais (59,2%) e que praticavam atividades físicas (58,4%). A maioria relatou tempo de duração da dor de até 6 semanas (50,4%), mas parcela considerável referiu dor persistente por mais de 12 semanas (40%), sendo a parte inferior das costas a região de maior ocorrência (38,4%). A maioria não consultou profissionais de saúde (62,4%) e não realizou tratamento (72,8%). Dentre as pessoas que realizaram, a maior parte informou utilizar medicação prescrita (7,2%), pilates (5,6%) e automedicação (4,8%). A intensidade da dor foi semelhante à de outros estudos (média de 6,05±2,77). A maioria informou não ter impedimentos para realizar atividades (76%) e a incapacidade causada pela dor caracterizou-se como moderada (média de 29,46±18,87). A média de estresse percebido condiz com resultados de estudos nacionais (19,06±4,73). Conclusão: O conhecimento dessa realidade pode subsidiar o planejamento de políticas e implementação de estratégias que contribuam com a promoção da saúde dos trabalhadores e qualidade de vida no trabalho.

Referências

Ministério da Economia (BR). Secretaria de Previdência. 1º Boletim quadrimestral sobre benefícios por incapacidade: adoecimento mental e trabalho: a concessão de benefícios por incapacidade relacionados a transtornos mentais e comportamentais entre 2012 e 2016. Brasília: 2017.

Punnet L, Wegman DH. Work-related musculoskeletal disorders: the epidemiologic evidence and the debate. J Electromyogr Kinesiol. 2004; 14(1):13-23.

Vargas-Prada S, Martínez JM, Coggon D, Delclos G, Benavides FG, Serra C. Health beliefs, low mood, and somatizing tendency: contribution to incidence and persistence of musculoskeletal pain with and without reported disability. Scand J Work Environ Health. 2013; 39(6):589-98.

Brasil. Decreto n. 7.602, de 07 de novembro de 2011. Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho – PNSST. Diário Oficial da União. 2011; seção 1:9-10.

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho. NR 17: norma regulamentadora de ergonomia. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 1990.

Ministério do Trabalho e Emprego. Departamento de Segurança e Saúde. NR 32: norma regulamentadora de segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos de assistência à saúde. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Agenda nacional de prioridades de pesquisa em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Barros ENC, Alexandre NMC. Cross-cultural adaptation of the Nordic

Musculoskeletal Questionnarie. International Nursing Review. 2003; 50(2):101-7.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (BR). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010: resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro: 2010.

Matsudo S, Araujo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Atividade Física & Saúde. 2001; 6(2):5-18.

Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE et al. International Physical Activity Questionnaire: 12-country reliability and validity. Med Sci Sports Exerc. 2003; 35(8):1381-95.

Gallasch CH, Alexandre NMC. The measurement of musculoskeletal in pain intensity: a comparison of four methods. Rev Gaucha Enferm. 2007; 28(2):260-5.

Giordano PCM, Alexandre NMC, Rodrigues RCM, Coluci MZO. The Pain Disability Questionnaire: a reliability and validity study. Rev Lat Am Enfermagem. 2012; 20(1):76-83.

Anagnostis C, Gatchel RJ, Mayer TG. The pain disability questionnaire: a new psychometrically sound measure for chronic musculoskeletal disorders. Spine. 2004; 29(20):2290-302.

Reis RS, Hino AF, Anes CRR. Perceived Stress Scale: reliability and validity study in Brazil. J Health Psychol. 2010; 15(1):107-14.

Ladeira CE. Evidence based practice guidelines for management of low back pain: physical therapy implications. Rev Bras Fisioter 2011; 15(3)190-9.

Barbosa REC, Assunção AA, Araújo TM. Distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do setor saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 28(8):1569-80.

Schmidt DRC, Dantas RAS. Quality of work life and work-related musculoskeletal disorders among nursing professionals. Acta Paul Enferm. 2012; 25(5):701-7.

Souza DBO, Martins LV, Marcolino AM, Barbosa RI, Tamanini G, Fonseca MCR. Work capability and musculoskeletal symptoms in workers at a public hospital. Fisioter Pesqui. 2015; 22(2):182-90.

Vidor CR, Mahmud AIM, Farias LF, Silva CA, Ferrari JN, Comel JC et al. Prevalence of musculoskeletal pain among surgical nursing teams. Acta Fisiatr. 2014; 21(1):6-10.

Ministério da Economia (BR). Secretaria de Previdência. 1º Boletim quadrimestral sobre benefícios por incapacidade: dia mundial em memória às vítimas de acidente de trabalho. Brasília: 2014.

Holtermann A, Jorgensen MB, Gram B, Christensen JR, Faber A, Overgaard K et al. Worksite interventions for preventing physical deterioration among employees in jobgroups with high physical work demands: background, design and conceptual model of FINALE. BMC Public Health. 2010; 10:120.

Andersen LL, Clausen T, Persson R, Holtermann A. Perceived physical exertion during healthcare work and risk of chronic pain in different body regions: prospective cohort study. Int Arch Occup Environ Health. 2013; 86(6):681-7.

Schnitzer TJ. Update on guidelines for the treatment of chronic musculoskeletal pain. Clin Rheumatol. 2006; 25(Sup1):22-9.

Corrêa CPS, Guedes IO, Vieira MT, Muniz MNM. Método pilates versus escola de postura: análise comparativa de dois protocolos de tratamento para lombalgias. HU Rev. 2015; 41(1):85-91.

Trindade APNT, Borges RCCO, Bittar CML. Impacto de um programa de tratamento em pacientes com alterações na coluna. Rev Bras Prom Saúde. 2018; 31(4):1-8.

Walsh IAP, Oishi J, Coury HJCG. Clinical and functional aspects of work-related musculoskeletal disorders among active workers. Rev Saúde Pública. 2008; 42(1):108-16.

Montali L, Monica C, Riva P, Cipriani, R. Conflicting representations of pain: a qualitative analysis of health care professionals’ discourse. Pain Med. 2011; 12(11):1585-93.

Coggon D, Ntani G, Palmer KT, Felli VE, Harari R, Barrero LH et al. Disabling musculoskeletal pain in working populations: is it the job, the person, or the culture? Pain. 2013; 154(6):856-63.

Reme SE, Dennerlein JT, Hashimoto D, Sorensen G. Musculoskeletal pain and psychological distress in hospital patient care workers. Journal of Occupational Rehabilitation. 2012; 22(4):503-10.

Vargas-Prada S, Coggon D. Psychological and psychosocial determinants of musculoskeletal pain and associated disability. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2015; 29(3):374-90.

World Health Organization. International classification of functioning, disability and health ICF World Health Organization. Genebra: World Health Organization; 2001.

McCracken LM, Turk DC. Behavioral and cognitive-behavioral treatment for chronic pain: outcome, predictors of outcome, and treatment process. Spine. 2002; 27:2564-73.

Garbi MOSS, Hortense P, Gomez RRF, da Silva TCR, Castanho ACF, Sousa FAEF. Pain intensity, disability and depression in individuals with chronic back pain. Rev Lat Am Enfermagem. 2014; 22(4):569-75.

Pozzebon D, Piccin CF, da Silva AMT, Corrêa ECR. Relationship among perceived stress, anxiety, depression and craniocervical pain in nursing professionals under stress at work. Fisioter Mov. 2016; 29(2):377-85.

González ML, Vives JF. Estrés psicológico y problemática musculoesquelética. Revisión sistemática. Enfermería Global. 2015; 14(2):276-300.

Sousa VFS, Araujo TCCF. Estresse ocupacional e resiliência entre profissionais de saúde. Psicol Cienc Prof. 2015; 35(3):900-15.

Silva NM, Muniz HP. Vivências de trabalhadores em contexto de precarização: um estudo de caso em serviço de emergência de hospital universitário. Estud Pesqui Psicol. 2011; 11(3):821-40.

International Labour Organization. Workplace stress: a collective challenge. Genebra: ILO Publications; 2016.

Van Den Berg TIJ, Elders LAM, Zwart BCH, Burdorf A. The effects of work-related and individual factors on the Work Ability Index: a systematic review. Occup Environ Med. 2009; 66:211-20.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

1.
Mazzoni da Costa F, Knopp Ribeiro D, Guimarães de Oliveira I, Ribeiro dos Santos M, Fontoura Signé N, Fabiano da Silva Chaves V, de Souza M das D, Costa Alexandre NM. Caracterização de algumas variáveis sociodemográficas, ocupacionais e de saúde de profissionais com sintomas osteomusculares da unidade ambulatorial de um hospital universitário. hu rev [Internet]. 28º de abril de 2021 [citado 24º de junho de 2021];47:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/29472

Edição

Seção

Artigos Originais