Avaliação do conhecimento sobre a doença anemia falciforme: sob a ótica da odontologia

  • Lauren Bueno de Araujo Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR
  • Ana Luiza de Freitas Andrade Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR
  • Marilene da Cruz Magalhães Buffon Departamento de Saúde Coletiva, Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR
  • Eduardo Pizzatto Departamento de Saúde Coletiva, Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR
Palavras-chave: Anemia Falciforme, Saúde Bucal, Integralidade em Saúde

Resumo

Introdução: A anemia falciforme (AF) destaca-se como uma das doenças genéticas de maior importância epidemiológica no Brasil e no mundo. É uma doença crônica incurável, embora tratável. Geralmente provoca alto grau de sofrimento aos seus portadores, que merecem atenção especial do ponto de vista médico, odontológico, genético e psicossocial. Objetivo: Avaliar o conhecimento de acadêmicos de odontologia e cirurgiões-dentistas sobre a doença anemia falciforme. Material e Métodos: Pesquisa com abordagem quanti-qualitativo de caráter exploratório e descritivo. Os dados foram coletados por meio de um questionário autoaplicável e a amostra foi composta por 293 participantes, sendo 186 acadêmicos e 107 cirurgiões dentistas. Resultados: A presente pesquisa revelou que a maioria dos participantes consideram ter pouco conhecimento sobre AF, apesar de reconhecerem a importância do assunto. Além disso, mostraram não ter informação suficiente acerca das manifestações bucais que esses pacientes podem apresentar. Conclusão: Constatou-se após a análise dos dados que grandes partes dos participantes da pesquisa apresentam pouco conhecimento em relação a essa doença. E existe a necessidade de maior inserção desse assunto nos cursos de graduação de odontologia, além de mais pesquisas sobre o tema. Dessa forma é possível contribuir para a melhoria na qualidade de vida dos pacientes com anemia falciforme.

Referências

Lima RG, Martinez MG, Sardinha SCS. Considerações odontológicas em pacientes portadores de anemia falciforme. Rev. Bahiana de Odontologia. 2010; 1(1).

Botelho DS, Vergne AA, Bittencourt S, Ribeiro EDP. Perfil sistêmico e conduta odontológica em pacientes com anemia falciforme. Int J Dent. 2009; 8(1):28-35. Disponível em: <http://www.ufpe.br/ijd>.

Rodrigues MJ, Menezes VA, Luna ACA. Saúde bucal em portadores da anemia falciforme. Rev Gaúcha Odontol. 2013; 61(suplemento 0):505-10.

Ministério da Saúde (BR). Doença falciforme: saúde bucal: prevenção e cuidado. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Triagem neonatal biológica: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Carvalho AS. Associação entre as manifestações clínicas em crianças com anemia falciforme e a ocorrência de cárie dentária [dissertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2014.

Castro IJS, Rêgo EB, Oliveira DVS, Machado AW, Trein CA, Goldbeck AS. Avaliação de conhecimento prévio sobre a doença falciforme entre participantes de seminário de odontologia. Revista Bahiana de Odontologia. 2016; 7(1):5-13.

Ladeira RC. As ações e práticas profissionais e o itinerário terapêutico de pacientes na saúde bucal em anemia falciforme numa unidade de saúde do município do Rio de Janeiro: uma perspectiva racial/étnica, de classe, e gênero [dissertação]. Rio de Janeiro: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ; 2014.

Costa SM, Duraes SJA, Abreu MHNG. Feminização do curso de odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros. Revista Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 122(15):1865-73.

Coutinho TCL. Avaliação do atendimento clínico às crianças portadoras de anemia falciforme pelos odontopediatras do município do Rio de Janeiro – RJ. Revista Fluminense de Odontologia. 2010; 33.

Hosni JS, Fonseca MS, Silva LCP, Cruz RA. Protocolo de atendimento odontológico para paciente com anemia falciforme. Arq Bras Odontol. 2008; 4(2):104-12.

Souza JM, Rosa PEL, Souza RL, Castro GFP. Fisiopatologia da anemia falciforme. Revista Transformar. 2016; 8.

Freitas ABDA, Fernandes LCS. Atendimento odontológico em pacientes com anemia falciforme. Políticas e Saúde Coletiva. 2017; 3(2).

Al-alawi H, Jawas AA, Shayed MA, Ali AA, Khalifa KA. The association between dental and periodontal diseases and sickle cell disease: a pilot case-control study. The saudi dental journal. 2015; 27:40-3.

Santos PRB, Machado PDCS, Passos CP, Aguiar MC, Nascimento RJM, Campos MIG. Prevalence of orofacial alterations in sickle cell disease: a review of literature. Braz J Oral Sci. 2013; 12(3).

Silva CA, Santana CL, Andrande RCDV, Fraga TL, Prado FO. Evaluation of dentistry students' knowledge on hematologic disorders. Rev Gaúch Odontol. 2016; 64(3):287-92.

Ministério da Saúde (BR). Manual de Saúde Bucal na Doença Falciforme. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Franco BM; Gonçalves JCH; Santos CRR. Manifestações bucais da anemia falciforme e suas implicações no atendimento odontológico. Arquivos em Odontologia. 2007; 43(3).

Publicado
2020-06-08
Como Citar
1.
Bueno de Araujo L, de Freitas Andrade AL, da Cruz Magalhães Buffon M, Pizzatto E. Avaliação do conhecimento sobre a doença anemia falciforme: sob a ótica da odontologia. hu rev [Internet]. 8º de junho de 2020 [citado 10º de julho de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/29253
Seção
Artigos Originais