Avaliação da acessibilidade na atenção primária à saúde na perspectiva dos gerentes

  • Mariana Coelho Moura Garcia Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Jhayne Fonda Barra Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Érika Andrade e Silva Departamento de Enfermagem materno infantil e saúde pública, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Angélica da Conceição Oliveira Coelho Departamento de Enfermagem básica, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-7526-900X
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Acesso aos Serviços de Saúde, Administração de Serviços de Saúde, Avaliação em Saúde

Resumo

Introdução: O sistema público brasileiro está alicerçado pela atenção primária à saúde, que se caracteriza como o primeiro contato preferencial dos usuários com o serviço de saúde. Nesse contexto, destaca-se a avaliação do serviço como uma ferramenta de gestão que busca detectar possíveis fragilidades e potencialidades do serviço. Objetivo: Avaliar a presença e extensão do atributo acessibilidade na perspectiva dos gerentes da atenção primária à saúde. Material e métodos: Estudo transversal de caráter avaliativo. Os dados foram coletados entre 42 gerentes das unidades de atenção primária à saúde, por meio do questionário auto aplicável Primary Care Asssessment Tool – Brasil, versão para profissionais. A análise estatística foi realizada através do software Statiscal Package for the Social Sciences (versão 22). O teste U de Mann Whitney foi utilizado para comparação dos escores entre os modelos de atenção (eSF e eAB), áreas (rural e urbana), formação e qualificação profissional, com nível de significância de 5%. Resultados: A acessibilidade mostrou-se insatisfatória em todas as análises, com melhor avaliação das equipes de Saúde da Família (p=0,375), na área rural (p=0,528), entre os profissionais que possuem especialização em saúde da família (p=0,685) e residência em saúde da família (p=0,196). Conclusão: O estudo apontou fragilidades estruturais do serviço no que diz respeito à acessibilidade e identificou a importância de investimentos na qualificação dos profissionais como fator que promove melhor acesso ao serviço.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS n° 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017.

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A cobertura da estratégia de saúde da família (ESF) no Brasil, segundo pesquisa nacional de saúde, 2013. Cien Saude Colet. 2016; 21(2):327-38. doi:10.1590/1413-81232015212.23602015

Almeida ER, Sousa ANA, Brandão CC, Carvalho FFB, Tavares, G, Silva, KC. Política Nacional de Atenção Básica no Brasil: uma análise do processo de revisão (2015-2017) [Internet]. Rev Panam Salud Publica. 2018; 42. doi.org/10.26633/RPSP.2018.180

D’Avila OP, Pinto LFS, Hauser L, Gonçalves MR, Harzheim E. O uso do Primary Care Assessment Tool (PCAT): uma revisão integrativa e proposta de atualização [Internet]. Cien Saude Colet. 2017. doi.org/10.1590/1413-81232017223.03312016

Prates ML, Machado JC, Silva LS, Avelar PS, Prates LL, Mendonça ET et al. Desempenho da atenção primária à saúde segundo o instrumento PCATool: uma revisão sistemática [Internet]. Cien Saude Colet. 2017. doi.org/10.1590/1413-81232017226.14282016

Oliveira MAC, Pereira I. Atributos da atenção primária e a estratégia saúde da família. Rev Bras Enferm. 2013; 66(esp):158-64.

Figueira MCS, Silva WP, Silva EM. Acesso aos serviços da atenção primária em saúde: revisão integrativa da literatura [Internet]. Rev Bras Enferm. 2018. doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0441.

Portela GZ. Atenção primária à saúde: um ensaio sobre conceitos aplicados aos estudos nacionais. Physis. 2017; 27(2):255-76. doi.org/10.1590/s0103-73312017000200005

Pedraza DF, Nobre AMD, Albuquerque FJB, Menezes, TN. Acessibilidade às unidades básicas de saúde da família na perspectiva de idosos [Internet]. Cien Saude Colet. 2018; 23(3):923-933. doi.org/10.1590/1413-81232018233.11702016

Penna CMM, Alves M, Brito MJM, Abreu T, Soares CE. O trabalho do gerente no cotidiano das unidades básicas de saúde. REME – Rev Min Enf. 2014; 8(4):455-463.

Ministério da Saúde (BR). Manual do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ohira RH, Cordoni JuniorL, Nunes EFPA. Perfil dos gerentes de atenção primária à saúde de municípios de pequeno porte do norte do Paraná, Brasil [Internet]. Cien Saude Colet. 2014; 19(2):393-400. doi.org/10.1590/1413-81232014192.21952012

Santos AF, Matta-Machado AT. Incorporação de tecnologias de informação e comunicação e qualidade na atenção básica em saúde no Brasil [Internet]. Cad Saude Publica. 2017; 33(5):e00172815. doi.org/10.1590/0102-311X00172815

Peiter CC, Caminha MEP, Oliveira WF. Perfil de gerentes da atenção primária à saúde: uma revisão integrativa. Revista de saúde pública do paraná. 2017; 18(1):165-173. doi: 10.22421/1517-7130.2017v18n1p165

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da atenção primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2013; 66(esp):158-64.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 930, de 15 de maio de 2019. Institui o Programa "Saúde na Hora", que dispõe sobre o horário estendido de funcionamento das Unidades de Saúde da Família, altera a Portaria nº 2.436/GM/MS, de 2017, a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 2017, a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 2017, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise [Internet]. Cien Saude Colet. 2012; 17(1):2865-75. doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002.

Castro RCL, Knauth DR, Harzheim L, Hauser L, Duncan BB. Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cad Saude Publica. 2012; 28(9):1772-84. doi.org/10.1590/S0102-311X2012000900015

Ferreira VD, Oliveira JM, Maia MAC, Santos JS, Andrade RD, Machado GAB. Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde em um município mineiro. Esc Anna Nery. 2016; 20(4):e20160104. doi.org/10.5935/1414-8145.20160104

Martins JS, Abreu SCC, Quevedo MP, Bourget MMM. Estudo comparativo entre US com e sem ESF por meio do PCATool. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016; 11(38):1-13.

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na atenção primária à saúde no Brasil: revisão da literatura. Cien Saude Colet. 2016; 21(5):1499-509. doi: 10.1590/1413-81232015215.19602015

Silva GS, Alves CRL. Avaliação do grau de implantação dos atributos da atenção primária à saúde como indicador da qualidade da assistência prestada às crianças. Cad Saude Publica. 2019; 35(2):e00095418.doi: 10.1590/0102-311X00095418

Engstrom EM, Motta JI, Venâncio SA. A formação de profissionais na pós-graduação em saúde pública e atenção primária à saúde no município do Rio de Janeiro, Brasil [Internet]. Cien Saude Colet. 2016; doi.org/10.1590/1413-81232015215.00632016.

Publicado
2019-11-28
Como Citar
Coelho Moura Garcia, M., Fonda Barra, J., Andrade e Silva, Érika, & da Conceição Oliveira Coelho, A. (2019). Avaliação da acessibilidade na atenção primária à saúde na perspectiva dos gerentes. HU Revista, 45(3), 283-288. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.28759