Correlação entre disfunção temporomandibular e redução de dimensão vertical de oclusão em usuários de prótese total

  • Vívian Gonçalves Carvalho Souza Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Camila Moreira Lima Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Nataska de Oliveira Souza Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Jordana Dias Martins Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Laércio Almeida de Melo Departamento de Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Fabíola Pessôa Pereira Leite Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Transtornos da Articulação Temporomandibular, Dimensão Vertical, Prótese Total.

Resumo

Introdução: A disfunção temporomandibular (DTM) representa uma das principais causas de dor na região orofacial. A dimensão vertical de oclusão (DVO) refere-se à posição vertical da mandíbula em relação à maxila e seu restabelecimento correto é essencial nas reabilitações protéticas, pois variações deste parâmetro podem influenciar negativamente os quadros de DTM. Objetivo: Avaliar a presença de disfunção temporomandibular em pacientes portadores de prótese total e sua possível associação com a redução de dimensão vertical de oclusão. Material e Métodos: A amostra foi composta de 31 pacientes voluntários, com idades entre 42 e 87 anos, de ambos os sexos, sendo portadores de prótese total, atendidos na Clínica de Prótese Total Removível da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Juiz de Fora. A análise da redução de DVO foi realizada através dos testes métrico, estético e fonético e o diagnóstico de DTM foi estabelecido a partir do Eixo I do RDC/TMD (Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders). Os dados foram tabulados e submetidos à análise estatística descritiva no programa pelo SPSS (Statistical Package for the Social Science) versão 15.0 para Windows. Para comparação das variáveis categóricas entre os grupos de DTM ​ foi utilizado o teste Qui-quadrado com nível de significância admitido de 5% (p<0,05). Resultados: De acordo com a análise, 71% dos indivíduos relataram sintomas de DTM e a maioria dos pacientes era do sexo feminino. Embora não houve relação estatisticamente significativa entre a perda de DVO e a presença de DTM, houve uma correlação entre o relato de dor e a presença da patologia (p<0,001). Conclusão: Diante dos resultados obtidos e da metodologia aplicada, concluiu-se que houve uma considerável prevalência de DTM em pacientes usuários de prótese total (71%), mas ao associar DTM com a redução de dimensão vertical de oclusão, não houve significância estatística (p>0,05).

Referências

Cavalvanti RF, Studart LM, Kosminsky M, Goes PSA. Validation of the multimedia version of the RDC/TMD axis II questionnaire in Portuguese. J Appl Oral Sci. 2010; 18(3):231-36.

Romero-Reyers M, Uyanik JM, Figueiredo VMG. Orofacial pain management: current perspectives. J Pain Res. 2017; 7:99-115.

Alzarea BK. Temporomandibular disorders (TMD) in edentulous patients: a reviewand proposed classification. JCDR. 2015 Apr; 9(4):6-9.

Okeson JP, Leeuw R. Differential diagnosis of temporomandibular disorders and other orofacial pain disorders. Dent Clin North Am. 2011; 55:105-20.

Renhe LS, Miranda JS, Malta NV, Leite ICG, Leite FPP. Importance of stability and retention of double total prostheses: factors related to its use in the etiology of temporomandibular disorders. Braz Dent Sci. 2016; 19(1):55-9.

Shetty R. Prevalence of signs of temporomandibular joint dysfunction in asymptomatic edentulous subjects: a cross-sectional study. J Indian Prosthodont Soc. 2010; 10(2):96-101.

Bontempo KV, Zavanelli RA. Desordem temporomandibular: prevalência e necessidade de tratamento em pacientes portadores de próteses totais duplas. RGO. 2011; 59(1):87-94.

Malheiros AS, Carvalhal ST, Pereira TL, Maia Filho EM, Tonetto MR, Gonçalves LM et al. Association between tooth loss and degree of temporomandibular disorders: a comparative study. J Contemp Dent Pract. 2016; 17(3):235-39.

Moura C, Cavalcante FT, Catão MHCV, Gusmão ES, Soares RSC, Santillo PMH. fatores relacionados ao impacto das condições de saúde bucal na vida diária de idosos. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2011; 11(4):553-9.

Ribeiro JAM, Resende CMBM, Lopes ALC, Farias-Neto A, Carreiro AFP. Association between prosthetic factors and temporomandibular disorders in complete denture wearers. Gerodontology. 2013; 31:308-13.

Ferro KJ, Morgano SM, Driscoll CF, Freilich MA, Guckes AD, Knoernschild KL et al. The Glossary of prosthodontic terms. The Journal of Prosthetic Dentistry. 2017; 117.

Dantas EM. A importância do restabelecimento da dimensão vertical de oclusão na reabilitação protética. Odonto. 2012; 20(40):41-8.

Trentin LM, Reginato VF, Maroli A, Borges MTR, Spazzin AO, Bacchi A. Determinação da dimensão vertical de oclusão em prótese total: revisão de literatura e relato de caso clínico. J Oral Invest. 2016; 5(1):50-60.

Jorge JMS, Dini C, Santos L, Camara de Bem SH, Custodio W. Associação entre dimensão vertical de oclusão e transtornos temporomandibulares. ClipeOdonto – UNITAU. 2016; 8(1):44-50.

Souza SE, Cavalcanti NP, Oliveira LV, Meyer GA. Prevalência de desordens temporomandibulares em indivíduos desdentados reabilitados com próteses totais convencionais. Rev Odontol UNESP. 2014; 43(2):105-10.

Willis FM. Esthetic of full denture construction. JADA. 1930; 7:633-42.

Silverman MM. The speaking method in measuring vertical dimension. The Journal of Prosthetic Dentistry. 1953; 3:193-99.

Turner C, Fox F. A securing additional record required in the the construction of artificial articuladores. In: American test book of prosthetic dentisty. 1928.

Pereira Júnior FJ, Favilla EE, Dworkin S, Huggins K. Critérios de diagnóstico para pesquisa das disfunções temporomandibulares (RDC/TMD). JBC J Bras Clin Odontol Integr. 2004; 8(47):384-95.

Al-Shumailan YR, Al-Manaseer WA. Temporomandibular disorder features in complete denture patients versus patients with natural teeth: a comparative study. Pakistan Oral & Dental Journal. 2010; 30(1):254-9.

Schiffman E, Ohrbach R, Truelove E, Look J, Anderson G, Goulet JP et al. Diagnostic criteria for temporomandibular disorders (DC/TMD) for clinical and research applications: recommendations of the international RDC/TMD consortium network and orofacial pain special interest group. J Oral Facial Pain Headache. 2014; 28(1):6-27.

Al-Jabrah OA, Al-Shumailan YR. Prevalence of temporomandibular disorder signs in patients with complete versus partial dentures. Clin Oral Invest. 2006; 10:167-73.

Serman RJ, Conti PCR, Conti JV, Salvador MCG. Prevalência de disfunção temporomandibular em pacientes portadores de prótese total dupla. Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial. 2003; 3(10):141-4.

Batistello DD, Silveira AM. Disfunção temporomandibular em pacientes portadores de próteses totais superiores com redução da dimensão vertical de oclusão. J Oral Invest. 2014; 3(1):17-23.

Shibayama R, Contreiras E, Shibayama B, Sella M, Boer PR, Nakui MT. Prevalência de disfunção temporomandibular em pacientes portadores de próteses totais duplas. Revista Odontológica de Araçatuba. 2008; 29(2):46-51.

Costa YM, Porporatti AL, Hilgenberg-Sydney PB, Bonjardim LR, Conti PCR. Deep pain sensitivity is correlated with oralhealth-related quality of life but not with prosthetic factors in complete denture wearers. J Appl Oral Sci. 2015; 23(6):555-61.

Farias ABL, Lima LHMA, Costa LJ, Lucena LBS, Farias ABL. Relação entre alteração da dimensão vertical de oclusão e disfunção temporomandibular: avaliação clínica. Braz Dent Sci. 2009; 12(3):11-9.

Bordin TB, Conci RA, Pezzini MMG, Pezzini RP, Mendonça MJ. Prevalence of signs and symptoms of temporomandibular disorders (tmd) in patients wearing bimaxillary complete dentures, removable partial dentures and in students with natural dentition. Acta Odontol. Latinoam. 2013; 26(3):173-80.

Abdelnabi MH, Swelem AA. Influence of defective complete dentures renewal on TMD; an MRI and clinical controlled prospective study. Gerodontology. 2015; 32:211-21.

Marquezan M, Figueiró C. Temporomandibular disorder treatment in a patient wearing removable prosthesis: a case report. CRANIO®: The Journal of Craniomandibular & Sleep Practice. 2016:1-6.

Moreno-Hay I, Okeson JP. Does altering the occlusal vertical dimension produce temporomandibular disorders? A literature review. Journal of Oral Rehabilitation. 2015; 42:87-82.

Publicado
2020-06-08
Como Citar
1.
Gonçalves Carvalho Souza V, Moreira Lima C, de Oliveira Souza N, Dias Martins J, Almeida de Melo L, Pessôa Pereira Leite F. Correlação entre disfunção temporomandibular e redução de dimensão vertical de oclusão em usuários de prótese total. hu rev [Internet]. 8º de junho de 2020 [citado 29º de setembro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/28599
Seção
Artigos Originais