Comparação entre métodos de diagnósticos para a quantificação da lipoproteína de baixa densidade em pacientes atendidos em um Hospital Universitário

  • Robert Wexlei Mendes Lopes Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Victor Rocha Lamego Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF, Juiz de Fora, MG
  • Laís de Almeida Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Soraia Chafia Naback de Moura Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Giuliano Reder de Carvalho Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Paula Rocha Chellini Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF, Juiz de Fora, MG
  • Aline Corrêa Ribeiro Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC/JF MG
Palavras-chave: Hipercolesterolemia, LDL-Colesterol, Lipoproteínas, Diagnósticos Laboratoriais, Aterosclerose

Resumo

Introdução: Estudos relatam uma forte ligação entre as dislipidemias e as ateroscleroses. Por esta razão, exames como o perfil lipídico são realizados rotineiramente com o intuito de prevenção e monitoramento dessas doenças. A lipoproteína de baixa densidade possui grande destaque por apresentar maior relação com fatores de risco para o desenvolvimento de doenças ateroscleróticas. Métodos diretos de obtenção dos valores dessa lipoproteína são confrontados com resultados obtidos usualmente na rotina, através de equações que fornecem valores estimados. Objetivo: Comparar os métodos de diagnósticos utilizados para a obtenção da lipoproteína de baixa densidade através das Fórmulas de Friedewald e Martin com os resultados obtidos por metodologia automatizada, em pacientes atendidos em um Hospital Universitário de Juiz de Fora - MG. Material e Métodos: Foram coletadas amostras de sangue venoso para a obtenção do soro de 208 pacientes. Quantificaram-se os níveis de colesterol total, triglicerídeos e da lipoproteína de alta densidade para a obtenção da lipoproteína de baixa densidade através das equações de Friedewald e Martin. Resultados: Há uma correlação positiva entre os resultados de lipoproteína de baixa densidade calculados pelos métodos de Martin e direto (ρ=0,916), e uma correlação positiva entre os resultados pelos métodos de Friedewald e direto (ρ=0,915). Discussão: Foi observada uma correlação positiva entre os valores de colesterol e de lipoproteína de baixa densidade pelas três metodologias. O método de Bland-Altman foi utilizado para comparação dos resultados obtidos pelas equações e pela metodologia direta. Conclusão: Ainda que as equações de Friedewald e Martin tenham apresentado boa correlação com a lipoproteína de baixa densidade medida por metodologia direta, estudos que relacionam doenças arteriais ateroscleróticas à lipoproteína de baixa densidade devem considerar a quantificação direta desta a fim de abranger os indivíduos com suas diversas especificidades.

Referências

Barbalho SM, Bechara MD, Quesada K, et al. Síndrome metabólica, aterosclerose e inflamação: tríade indissociável. J Vasc Bras. 2015; 14(4):319-27.

Sitrângulo Junior SJ, Silva ES. Doença aterosclerótica carotídea. J Vasc Bras. 2018; 17(3):179-83.

Costa CPA, Machado DC, Oliveira GGP. Estilo de vida como fator de prevenção da aterosclerose. Caderno de Med. 2019; 2(2).

Carapeto C, Montanari F, Pinela LM. Alimentação e aterosclerose: um artigo informativo. Rev Bras de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2017; 11(69):755-63.

Faludi AA, Izar MCO, Saraiva JFK. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras de Cardiol. 2017; 109(2).

Motta VT. Bioquímica clínica para o laboratório: princípios e interpretações. 5. ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2009.

Friedewald WT, Levy RI, Fredrickson DS. Estimation of the concentration of low density lipoprotein cholesterol in plasma, without use of the preparative ultracentrifuge. Clin Chemis. 1972; 18:499-502.

Jongseok L, Jang S, Jeong H. Validation of the Friedewald formula for estimating low density lipoprotein cholesterol: the Korea National Health and Nutrition Examination Survey, 2009 to 2011. Korean J Intern Med Archive. 2018.

Jialal I, Inn M, Siegel D, Devaraj S. Underestimation of low density lipoprotein-cholesterol with the Friedewald Equation versus a direct homogenous low density lipoprotein-cholesterol assay. Lab. Medicine. 2017; 48(3):220-24.

Olga AH, Alcántara TS, Sánchez JB. Bajos niveles de triglicéridos no afectan el cálculo de lipoproteínas de baja densidad por la fórmula de Friedewald. 2017; 64(3):110-13.

Sathiyakumar V, Golozar A, Lazo M. Comparison of the novel method versus the Friedewald equation in estimating low-density lipoprotein-cholesterol based on fasting status. J Am Coll Cardiol. 2017; 69(11):1697.

Biyik I, Isiksacan N, Koser M. Comparison of alternative formulas for low density lipoprotein cholesterol measurement with Friedewald formula. Am J of Cardiol. 2018; 121(8):104-5.

Martin SS, Blaha MJ, Elshazly MB, Brinton EA, Toth PP, McEvoy JW. Friedewald-Estimated versus directly measured low-density lipoprotein cholesterol and treatment implications. J Am Col Cardiol. 2013:732–9.

National cholesterol education program. Third report of the expert panel on detection evaluation and treatment of high blood cholesterol in adults; 2013 [citado em 2018 Mar 4]. Disponível em: https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/management-blood-cholesterol-in-adults.

Moore DAS. Estatística básica e sua prática. 6a ed. Rio de Janeiro: LTC; 2014.

Sokal, RR e Rohlf FJ. Biometry: the principles of statistics in biological research. New York: Freeman; 1995.

Giavarina D. Understanding Bland Altman analysis: biochemia medica. 2015; 25(2):141-51.

Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC). Consenso Brasileiro para a Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico. 2016, versão1.13. [acesso em 2018 Mar 4] Disponível em: http://www.sbac.org.br/wp-content/uploads/2017/09/ConsensoOficial_PerfilLipidico_2016_v13.pdf

Larsson A, Hagström E, Nilsson LE, Svensson MK. Treatment target reclassification of subjects comparing estimation of low-density lipoprotein cholesterol by the Friedewald equation and direct measurement of LDL-cholesterol. Upsala J Med Sci. 2018; 123(2):94-9.

Vieira PL, Araujo GN, Telo GH. Valores de LDL-colesterol estimados pela equação de Friedewald são afetados pelo controle do diabetes. Intern J Cardiovasc Sci. 2016; 29(5):348-54.

Ilanchezhian T, Vanaja R, Rajagopalan B. Comparative study of the estimation of LDL cholesterol by the direct method and Friedewald equation in secondary hyperlipidemia. Intern J Pharmac Sci Research. 2016; 7(11):4632-6.

Kurniawan LB, Windarwati W, Budi M. Analysis of LDL-c measurement using direct and Friedewald formula in type 2 diabetes mellitus patients. Indon J Clin Pathol Medical Lab. 2018; 24(3):255-57.

Martin SS. Calculating LDL cholesterol in familial combined hyperlipidemia: out with the old, in with the new? Atherosclerosis. 2018; 277:172-74.

Publicado
2019-11-07
Como Citar
1.
Wexlei Mendes Lopes R, Rocha Lamego V, de Almeida L, Chafia Naback de Moura S, Reder de Carvalho G, Rocha Chellini P, Ribeiro AC. Comparação entre métodos de diagnósticos para a quantificação da lipoproteína de baixa densidade em pacientes atendidos em um Hospital Universitário. hu rev [Internet]. 7º de novembro de 2019 [citado 6º de julho de 2020];45(2):115-21. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/27464
Seção
Artigos Originais