Ocorrência e perfil bacteriano de culturas coletadas em pacientes internados na unidade de terapia intensiva em um hospital terciário

Palavras-chave: Perfil de resistência, Unidade de Terapia Intensiva, Ocorrência de bactérias

Resumo

Introdução: O ambiente da UTI é considerado o foco das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS). Isso deve-se a particularidades desse ambiente como a utilização de dispositivos invasivos, uso de imunossupressores, período de internação prolongado, colonização por micro-organismos resistentes, prescrição de antimicrobianos e a própria característica do ambiente da UTI, além da condição clínica do paciente. O conhecimento do perfil bacteriano de cada cultura norteia a equipe médica no tratamento inicial das infecções. Objetivo: O objetivo desse trabalho foi verificar a ocorrência e o perfil bacteriano presente em pacientes internados na UTI de um hospital universitário. Material e métodos: O estudo foi realizado através da análise de exames de secreções traqueais, hemoculturas e uroculturas de pacientes internados no período de janeiro a junho de 2018. Os dados foram coletados por meio de impressos laboratoriais do próprio serviço e tabulados na planilha do Excel®, sendo divididos em amostras positivas e negativas, e realizada análise descritiva com valores absolutos e percentuais. Resultados: Em geral, as bactérias de maior ocorrência foram Acinetobacter baumannii (20,3%), Pseudomonas aeruginosa (19,7%), Klebsiella pneumoniae (15,1%), Staphylococcus aureus (11,9%), Staphylococcus coagulase negativa (7,2%) e Escherichia coli (5,7%). As espécies bacterianas com maior resistência foram Acinetobacter baumanni, Klebisiella pneumoniae, aPseudomonas aeruginosa, Eschericia coli, Serratia marcencens e Enterobacter cloacae. Conclusão: Os dados deste trabalho permitem o conhecimento do perfil bacteriano encontrado nos pacientes internados, o que poderá nortear o tratamento das infecções e consequentemente diminuir a seleção de bactérias multirresistentes, auxiliando na prevenção e no controle das infecções hospitalares.

Biografia do Autor

Carine Rosa Naue, HU-UNIVASF PETROLINA-PE
Formada em Ciências Biológicas pela UNISC, Mestrado em Fitossanidade pela UFPEL e Doutorado em Fitopatologia pela UFRPE. Atualmente Bióloga do HU-UNIVASF (EBSERH) e Profa. da Faculdade São Francisco Juazeiro (FASJ).

Referências

Alves LNS, Oliveira CR, Silva LAP, Gervásio, SMD, Alves SR, Sgaviolli, GM. Hemoculturas: estudo da prevalência dos microrganismos e o perfil de sensibilidade dos antibióticos utilizados em unidade de terapia intensiva. J. Health Sci. Inst. 2012; 30(1):44-7.

Assis DB, Madalosso G, Ferreira AS, Yassuda YY, Polachinni, G.M. Sistema de Vigilância de Infecção Hospitalar do Estado de São Paulo: 2011. Bol. epidemiol. Paul. 2012; 196(1):15-23.

Basso ME, Alves VE. Prevalência de infecções bacterianas em pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva (UTI). RBAC. 2016; 383-8.

Brito ILP, Pereira EA, Souza AL. Prevalência de microrganismos isolados de hemoculturas em uma UTI adulta de um hospital de ensino da região norte do Ceará. RBAC. 2016; 48(2):1-61.

Canzi KR, Colacite J. Frequência de pneumonia associada à ventilação mecânica com base em resultados de culturas quantitativas de secreções traqueais. RBAC. 2016; 48 (2):118-22.

Center for disease control and prevention; Department of Human and Health Services; Centre for Disease Control and prevention. Antibiotic resistance threats in the United States, 2013.

Gomes AC, Carvalho PO, Lima ETA, Gomes ET, Valenca MP, Cavalcanti ATA. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em unidade de terapia intensiva. REUOL. 2014; 8(1):1577-85.

Mota FS, Oliveira HA, Souto, RCF. Perfil e prevalência de resistência aos antimicrobianos de bactérias gram-negativas isoladas de pacientes de uma unidade de terapia intensiva. RBAC. 2018; 50(3):270-7.

Munera JMV, Vilammil GR, Quicenno JNL. Acinetobacter baumannii: importancia clínica, mecanismos de resistencia y diagnóstico. Revista CES MEDICINA. 2014; 28(2):233-46.

Oliveira ACC, Silva ACO. Prevalência de infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora em pacientes de UTI. Ver. Pesq. Saúde. 2010; 11(1):27-31.

Oliveira ALD, Soares, MM, Santos TCD, Santos A. Mecanismos de resistência bacteriana a antibióticos na infecção urinária. Revista Uningá. 2014; 20(3):65-71.

Rosa JO, Moura JP, Palos MAP. Detecção do gene mecA em estafilococos coagulase negativa resistentes à oxacilina isolados da saliva de profissionais da enfermagem. Rer. Soc. Bras. Med. Trop. 2009; 42(4):398-403.

Silva NFV, Kinura, CA, Coimbra, MVS. Perfil de sensibilidade antimicrobiana das Pseudomonas aeruginosa isoladas de pacientes da unidade de tratamento intensiva de um hospital público de Brasília. REVISA. 2012; 1(1):19-24.

Simões ACA, Miranda MM, Teixeira CD. Resistência a antimicrobianos de cepas de Sthapylococcus aureus isoladas da UTI de um hospital de Cachoeiro de Itapemirim – ES. In: XX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XVI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação e VI Encontro de Iniciação à Docência, 2016 out. 20-28; Vale do Paraíba, Brasil.

Silva KC, Lincopan N. Epidemiologia das betalactamases de espectro estendido no Brasil: impacto clínico e implicações para o agronegócio. J Bras Patol. Med. Lab. 2012; 48(2):91-9.

Publicado
2019-11-07
Como Citar
Naue, C. R., Ribeiro, T., Ribeiro, R., Batista, K., & Aquino, S. (2019). Ocorrência e perfil bacteriano de culturas coletadas em pacientes internados na unidade de terapia intensiva em um hospital terciário. HU Revista, 45(2), 122-133. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.25933
Seção
Artigos Originais