Utilização do processo de enfermagem em unidade de terapia intensiva: revisão integrativa da literatura

Autores

  • Herica Silva Dutra Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Lais Maria Campos Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Beatriz Francisco Farah Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Maria Cristina Pinto de Jesus Universidade Federal de Juiz de Fora

Palavras-chave:

Enfermagem. Processos de Enfermagem. Unidade de Terapia Intensiva.

Resumo

Objetivou-se identificar, em artigos científicos brasileiros, no período de 2001 a 2011, facilidades e dificuldades para a utilização do Processo de Enfermagem nas unidades de terapia intensiva, assim como as estratégias utilizadas para o seu aperfeiçoamento. O processo traz melhorias para a instituição e qualidade na assistência de enfermagem. As dificuldades incluem o despreparo dos profissionais, sobrecarga de trabalho e ausência de apoio institucional. Apesar das dificuldades, espera-se que os enfermeiros possam superá-las, investindo em sua capacitação e priorizando a realização do processo nessa unidade especializada.

Biografia do Autor

Herica Silva Dutra, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento Enfermagem Básica

Lais Maria Campos Pinto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Beatriz Francisco Farah, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento Enfermagem Básica

Maria Cristina Pinto de Jesus, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento Enfermagem Básica

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília, 2010. Disponível em: <http://brasilsus.com.br/legislacoes/rdc/102985-7.html>. Acesso em: 30 set. 2013.

ALVES, A.R.; LOPES,C.H.A.F.; JORGE, M.S.B. Significado do processo de enfermagem para enfermeiros de uma unidade de terapia intensiva: uma abordagem interacionista. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v. 42, n.4, p. 649-655, Dez. 2008.

AMANTE, L.N.; ROSSETTO, A.P.; SCHNEIDER, D.G. Sistematização da assistência de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada pela Teoria de Wanda Horta. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v. 43, n.1, p. 54-64, Mar. 2009.

AQUINO D.R.; LUNARDI FILHO W.D. Construção da prescrição de enfermagem informatizada em uma UTI. Cogitare Enfermagem, Curitiba, PR, v. 9, n. 1, p. 60-70, 2004. Disponível em: <http://repositorio.furg.br:8080/xmlui/bitstream/handle/1/1525/Constru%C3%A7%C3%A3o%20da%20prescri%C3%A7%C3%A3o%20de%20enfermagem%20informatizada%20em%20uma%20UTI..pdf?sequence=1>. Acesso em: 30 set. 2013.

BARRA,D.C.C.; DAL SASSO; G.T.M., MONTICELLI, M. Processo de enfermagem informatizado em unidade de terapia intensiva: uma prática educativa com enfermeiros. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, GO, v.11, n.3, p. 579-589, 2009. Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a15.htm>. Acesso em: 30 set. 2013.

BITTAR, D.B.; PEREIRA, L.V.; LEMOS, R.C.A. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente crítico: proposta de instrumento de coleta de dados. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, SC, v.15, n. 4, p. 617-628, Out./Dez. 2006.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução nº 358, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados. Brasília, DF, 2009. Disponível em: <http://site.portalcofen.gov.br/node/4384>. Acesso em: 30 set 2013.

CROSSETTI, M.G.O. Revisão integrativa de pesquisa na enfermagem o rigor cientifico que lhe é exigido [editorial]. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, RS, v. 33, n. 2, p. 8-9, Jun. 2012.

GOMES, L.A.; BRITO, D.S. Desafios na implantação da sistematização da assistência de enfermagem: uma revisão de literatura. Revista Interdisciplinar UNINOVAFAPI, Teresina, PI, v. 5, n.3, p. 64-70, Jul./Ago./Set. 2012.

LIMA, L.R. et al. Proposta de instrumento para coleta de dados de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva fundamentado em horta. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiania, GO, v. 8, n. 3, p. 64-70, 2006. Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_3/v8n3a05.htm>. Acesso em: 30 set. 2013.

MANGUEIRA, S.O. et al. Implantação da sistematização da assistência de enfermagem: opinião de uma equipe de enfermagem hospitalar. Enfermagem em foco, Brasília, DF, v. 3, n. 3, p.135-138, Ago. 2012.

MARQUES, L.V.P.; CARVALHO, D.V. Sistematização da assistência de enfermagem em centro de tratamento intensivo: percepção das enfermeiras. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, MG, v. 9, n.3, p. 199-205, Jul./Set. 2005.

MARQUES, S.M.M. et al. Sistematização da assistência de enfermagem na UTI: perspectivas dos enfermeiros da cidade de Governador Valadares. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, MG, v. 12, n.4, p.477-482, Out./Dez. 2008.

MEDEIROS, A.L. et al. Sistematização da assistência de enfermagem como um processo de trabalho da enfermagem: uma reflexão crítica. Revista Enfermagem UFPE On Line, Recife, PE, v. 4, n. 3, p. Jul./Set. 2010. Disponível em:

<http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/998/pdf_157>. Acesso em: 19 nov. 2013.

MENESES, S.RT; PRIEL M.R.; PEREIRA L.L. Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da sistematização da assistência de enfermagem. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v.45, n. 4, p.953-958, Ago. 2011.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

NERY, I.S.; SANTOS, A.G.; SAMPAIO, M.R.F.B. Dificuldades para a implantação sistematização da assistência de enfermagem em maternidades. Enfermagem em Foco. Brasília, DF, v. 4, n. 1, p. 11-14, Fev. 2013.

NOGUEIRA, L.S. et al. Características clínicas e gravidades de pacientes internados em utis públicas e privadas. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, SC, v. 21, n. 1, p. 59-67, Jan./Mar. 2012.

OLIVEIRA, A.P.C. et al. Sistematização da Assistência de Enfermagem: implementação em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, CE, v.13, n. 3, p. 601-612. 2012.

RODRIGUES P. et al. Proposta para a sistematização da assistência de enfermagem em UTI: o caminho percorrido. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizontes, MG, v. 11, n. 2, p. 61-67, Abr./Jun. 2007.

SALGADO, P.O.; CHIANCA, T.C.M. Identificação e mapeamento dos diagnósticos e ações de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v.19, n.4, p. 928-935, Jul./Ago. 2011.

SILVA, M.M.; MOREIRA, M.C. Desafios à sistematização da assistência de enfermagem em cuidados paliativos oncológicos: uma perspectiva da complexidade. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiania, GO, v. 12, n. 3, p. 483-490, 2010. Disponível em: <http://revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/7274/7866>. Acesso em: 30 Set. 2013.

SILVA, T.G.; MADUREIRA, V.S.F.; TRENTINI, M. Processo de ensino-aprendizagem para implementação do diagnóstico de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Cogitare Enfermagem, Goiania, GO, v. 12, n. 3, p. 279-286, Jul./Ago. 2007.

TRUPPEL, T.C. et al. Prática assistencial de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada no referencial teórico de Horta. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, CE, v.9, n. 3, p. 116-24, 2008.

TRUPPEL, T.C., et al. Sistematização da Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 62, n.2, p.221-227, Mar./Abr. 2009.

Downloads

Publicado

2017-01-24

Como Citar

1.
Dutra HS, Pinto LMC, Farah BF, Jesus MCP de. Utilização do processo de enfermagem em unidade de terapia intensiva: revisão integrativa da literatura. hu rev [Internet]. 24º de janeiro de 2017 [citado 3º de agosto de 2021];42(4):245-52. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2413

Edição

Seção

Artigos de Revisão da Literatura