Assistência religiosa-espiritual hospitalar: os “porquês” e os “comos”

Aplicações práticas

  • Marcelo Saad Associação Médico-Espírita de São Paulo http://orcid.org/0000-0001-5624-7609
  • Roberta de Medeiros Centro Universitário São Camilo – S. Paulo (SP), Brasil
  • Mario Fernando Prieto Peres Hospital Israelita Albert Einstein, e Instituto de Psiquiatria HCFMUSP – S. Paulo (SP), Brasil
Palavras-chave: Assistência Religiosa, Serviço Religioso no Hospital, Religião e Medicina, Espiritualidade, Humanismo

Resumo

A relação entre religiosidade-espiritualidade e a saúde física e mental adquire uma importância maior para pacientes internados em um hospital. Assim, os serviços de internação devem investir em ações que possam apoiar os recursos religiosos-espirituais e buscar formas para atender estas necessidades especiais. A assistência religiosa-espiritual hospitalar (AREH) se refere à atenção profissional aos mundos espirituais e religiosos subjetivos dos pacientes, mundos compostos de percepções, suposições, sentimentos e crenças sobre a relação do sagrado com sua doença, hospitalização e recuperação ou possível morte. Há pelo menos cinco razões para que uma instituição invista em um programa de AREH: 1. o bem-estar religioso-espiritual é mais prioritário durante uma internação; 2. a apreciação religiosa-espiritual é um padrão para a acreditação hospitalar; 3. pode desfazer mal-entendidos religiosos-espirituais que afetariam o tratamento; 4. os pacientes querem uma perspectiva religiosa-espiritual da instituição; e 5. os custos poderiam ser reduzidos com apoio religioso-espiritual. As formas de se oferecer AREH podem ser de modo individual ou coletivo; pode ser focado em uma denominação religiosa específica ou ser multifé. O apoio em um nível básico pode ser da alçada dos profissionais de saúde e, em um nível crescente de especialização, pode ser oferecido por um voluntário treinado, por um ministro religioso da comunidade ou por um capelão hospitalar. O público-alvo da AREH inclui não apenas o paciente internado, mas também seus familiares, seus cuidadores e os profissionais de saúde. Apesar da existência de leis que garantam o acesso do interno ao apoio religioso, o Brasil não possui regulamentação para a profissionalização desta atividade. O presente artigo explora todos os conceitos anteriores e descreve o que se espera de um programa de AREH.

Referências

ASTROW, A. B.; WEXLER, A.; TEXEIRA, K.; KAI, H. M.; SULMASY, D. P. Is failure to meet spiritual needs associated with cancer patients' perceptions of quality of care and their satisfaction with care? Journal of Clinical Oncology, v. 25; n. 36; p.5753-5757, dec. 2007.

BALBONI, T. A.; PAULK, M. E.; BALBONI, M. J.; PHELPS, A. C.; LOGGERS, E. T.; WRIGHT, A. A.; BLOCK, S. D.; LEWIS, E. F.; PETEET, J. R.; PRIGERSON, H. G. Provision of spiritual care to patients with advanced cancer: associations with medical care and quality of life near death. Journal of Clinical Oncology, v. 28, p.445–52, 2010.

BALBONI, T.; BALBONI, M.; PAULK, M. E.; PHELPS, A.; WRIGHT, A.; PETEET, J.; BLOCK, S.; LATHAN, C.; VANDERWEELE, T.; PRIGERSON, H. Support of cancer patients' spiritual needs and associations with medical care costs at the end of life. Cancer, v. 117, n. 23, p.5383-91, dec. 2011.

GREENE, A. Body, Mind, Spirit: Hospital Chaplains Contribute to Patient Satisfaction and Well-Being. The Source for Joint Commission Compliance Strategies, v. 16, n. 1, p. 6-12, jan. 2018.

HANDZO, G.; KOENIG, H. G. Spiritual Care: Whose Job Is It Anyway? Southern Medical Journal, v. 97, n. 12, p. 1242-1244, 2004.

HARRIS, S. Chaplains’ Roles as Mediators in Critical Clinical Decisions. AMA Journal of Ethics, v. 20, n. 7, p. E670-674. 2018.

HEFTI, R.; ESPERANDIO, M. R. G. O Modelo Interdisciplinar de Cuidado Espiritual – Uma Abordagem Holística de Cuidado ao Paciente. Horizonte - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 14, n. 41, p. 13-47, jan./mar. 2016.

JCI - Joint Commission International Accreditation Standards for Hospitals. 5a edição. 2014.

LEE, S. J. C. In a Secular Spirit: Strategies of Clinical Pastoral Education. Health Care Analysis, v. 10, n. 4, p. 339–356, 2002.

MARIN, D. B.; SHARMA, V.; SOSUNOV, E.; EGOROVA, N.; GOLDSTEIN, R.; HANDZO, G. F. “Relationship between chaplain visits and patient satisfaction.” Journal of health care chaplaincy, v. 21, n. 1, p. 14-24, 2015.

MASSEY, K.; BARNES, M. J.; VILLINES, D.; GOLDSTEIN, J. D.; PIERSON, A. L. H.; SCHERER, C.; LAAN, B. V.; SUMMERFELT, W. T. What Do i Do? Developing a Taxonomy of Chaplaincy Activities and Interventions for Spiritual Care in Intensive Care Unit Palliative Care Palliative Care. BMC Palliative Care, v. 14, p.10, apr. 2015.

PERES, M. F. P. et al. Religious landscape in Brazil: Comparing different representative nationwide approaches to obtain sensitive information in healthcare research. SSM - population health, v. 6, p. 85-90, sep. 2018.

RAMONDETTA, L.; BROWN, A.; RICHARDSON, G.; URBAUER, D.; THAKER, P. H.; KOENIG, H. G. et al. Religious and spiritual beliefs of gynecologic oncologists may influence medical decision making. International journal of gynecological cancer, 2011, v. 21, n. 3, p.573-81.

SAAD, M.; DE MEDEIROS, R. Spiritual-Religious Coping – Health Services Empowering Patients’ Resources. In: Saad, Marcelo (editor): Complementary Therapies for the Contemporary Healthcare. InTech Publisher, Rijeka, Croatia. 2012a.

SAAD, M.; DE MEDEIROS, R. Alinhamento entre crenças religiosas do paciente e tratamento hospitalar. Educação Continuada em Saúde Einstein, v.10, n. 1, p. 36-7, 2012b.

SAAD, M.; DE MEDEIROS, R. Programs of religious/spiritual support in hospitals - five “Whies” and five “Hows.” Philosophy, Ethics, and Humanities in Medicine, v. 11, n. 1, p. 5, 2016.

SAAD, M.; DE MEDEIROS, R. Implications for public health of the religiosity-longevity relation. Revista da Associação Médica Brasileira, [s.l.], v. 63, n. 10, p.837-841, out. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.63.10.837.

SAAD, M. et al. Coalizão Inter-Fé em Saúde e Espiritualidade: uma experiência de diálogo inter-religioso. Caminhos de Diálogo, [s.l.], v. 5, n. 7, p.27-30, 13 dez. 2017. Pontificia Universidade Catolica do Parana - PUCPR.

SAAD, M.; DE MEDEIROS, R.; MOSINI, A. C. Are We Ready for a True Biopsychosocial–Spiritual Model? The Many Meanings of “Spiritual”. Medicines, v. 4, n. 4, p. 79. 2017.

SALMOIRAGO-BLOTCHER, Elena., FITCHETT, George; LEUNG, Katherine; VOLTURO, Gregory; BOUDREAUX, Edwin; CRAWFORD, Sybil; OCKENE, Ira; CURLIN, Farr. An exploration of the role of religion/spirituality in the promotion of physicians' wellbeing in Emergency Medicine. Preventive medicine reports. 2016, v. 3, p. 189-195.

VANDECREEK, Larry, BURTON, Laurel. A White Paper. Professional chaplaincy: its role and importance in healthcare. Journal of Pastoral Care; v. 55, n. 1, p. 81–97. 2001.

VANDECREEK, Larry. Defining and advocating for spiritual care in the hospital. Journal of Pastoral Care & Counseling; v. 64, n. 2, p. 1-10, 2010.

VOLTMER, Edgar; BUSSING, Arndt; KOENIG, Harold G & ZABEN, Faten. Religiosity/Spirituality of German doctors in private practice and likelihood of addressing R/S issues with patients. Journal of Religion and Health, v. 53, n. 6, p. 1741–1752, 2014.

WHO - World Health Organization (2002) Pastoral Intervention Codings, International Classification of Diseases. Geneva, ICD-10-AM. V. 10, 3rd Edition

WILLIAMS, Joshua A., MELTZER, David; ARORA, Vineet; CHUNG, Grace & CURLIN, Farr A. Attention to inpatients’ religious and spiritual concerns: predictors and association with patient satisfaction. Journal of general internal medicine, v. 26, n.11, p. 1265-1271. jul. 2011.

WINTER-PFÄNDLER, Urs, MORGENTHALER, Christoph. Who needs chaplain's visitation in general hospitals? Assessing patients with psychosocial and religious needs. Journal of Pastoral Care & Counseling, v. 65, n. 1-2, p. 1-9, 2011.

Publicado
2020-02-18
Como Citar
1.
Saad M, de Medeiros R, Peres MFP. Assistência religiosa-espiritual hospitalar: os “porquês” e os “comos”: Aplicações práticas. hu rev [Internet]. 18º de fevereiro de 2020 [citado 31º de outubro de 2020];44(4):499-05. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/16964
Seção
Artigos de Revisão da Literatura