Streptococcus agalactiae em gestantes:Incidência em laboratório clínico de Juiz de Fora (MG) - 2007 a 2009

Autores

  • Andre Netto Bastos Laboratório Côrtes Villela
  • Ricardo Villela Bastos Laboratório Côrtes Villela
  • Vanessa Cordeiro Dias Laboratório Côrtes Villela
  • Lucas Quinet Bastos Faculdade de Ciencias Medicas e da Saude de Juiz de Fora
  • Renata Carvalho Souza Faculdade de Ciencias Medicas e da Saude de Juiz de Fora
  • Victor Quinet Bastos Hospital Municipal Souza Aguiar

Palavras-chave:

Streptococcus agalactiae, Infecção, Neonatal, Gestantes

Resumo

Streptococcus agalactiae ou estreptococos do grupo B de Lancefield (EGB) foi descrito inicialmente como um importante agente da mastite bovina. Esta bactéria pode ser encontrada no trato gastrintestinal, pele, vias respiratórias superiores e aparelho urogenital de seres humanos. Sua relevância clínica está associada à possibilidade de transmissão para recém-nascidos, durante o parto, ocasionando diversas doenças, como sepse, meningite, pneumonia e osteomielite. A prevalência da colonização materna pelo EGB no Brasil varia de 14,9 a 21,6%, sendo que a mundial varia de 10 a 30 %. O objetivo do trabalho é traçar a evolução da frequência de colonização pelo EGB em parturientes atendidas em um serviço de microbiologia clínica de Juiz de Fora (MG), no período de 2007 a 2009. Os espécimes clínicos (material vaginal e ou anal) foram recuperados de 911 gestantes e processados utilizando-se técnicas de cultura microbiológica clássica. As colônias sugestivas de EGB foram submetidas à identificação bioquímica através do sistema automatizado ATB Expression (bioMerieux, França). Das 911 gestantes avaliadas, 16,6% exibiram cultura positiva para EGB. O ano de 2009 apresentou o maior índice de solicitações médicas (39,9% ; 363 solicitações) e mais alta taxa de incidência de colonização materna (27,5%). Concluiu-se que o EGB é um micro-organismo prevalente entre as parturientes atendidas em um serviço de microbiologia clínica de Juiz de Fora. Entretanto, face ao crescimento do número de detecções do EGB, torna-se fundamental o reconhecimento, por parte do Ministério da Saúde, da importância de se incluir no programa de pré-natal a estratégia de detecção laboratorial de colonização das gestantes por EGB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-04-22

Como Citar

1.
Bastos AN, Bastos RV, Dias VC, Bastos LQ, Souza RC, Bastos VQ. Streptococcus agalactiae em gestantes:Incidência em laboratório clínico de Juiz de Fora (MG) - 2007 a 2009. HU Rev [Internet]. 22º de abril de 2014 [citado 18º de junho de 2024];38(3 e 4). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/1409

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)