SUBJETIVIDADE, RELIGIOSIDADE E INTERESSE FILOSÓFICO: APORTES PERENES DA OBRA DE FRIEDRICH D. E. SCHLEIERMACHER

  • Luís H. Dreher Universidade Federal de Juiz de Fora

Resumo

O artigo apresenta aspectos do pensamento filosófico e teológico-filosófico de Friedrich D. E. Schleiermacher (1768-1834). Nisso o foco recai sobretudo na relação entre sua compreensão da subjetividade e a fundamentação filosófico-religiosa. Numa breve introdução, reconstitui passos importantes da redescoberta especialmente de sua obra filosófica, na esteira do trabalho colaborativo de teólogos e filósofos na edição da KGA (=Kritische Gesamtausgabe). A filosofia da religião surge como teoria transcendental da subjetividade em que se exploram os temas do “sentimento religioso”, precisamente como “autoconsciência imediata”, e da “religiosidade” (Frömmigkeit) enquanto “sentimento de dependência radical”. Aponta-se para a ênfase da originariedade e autonomia das categorias religiosas fundamentais – aspecto atualmente abandonado por quase toda assim-chamada “ciência” da religião, que justamente em vista disso tende a se anular como voz acadêmica irredutível às ciências sociais e históricas. Do ponto de vista filosófico mais geral, ressaltam-se, ao final, aspectos da teoria schleiermacheriana da liberdade, bem como sua ênfase nas categorias da expressão e da individualidade como marcas indeléveis da finitude – também possivelmente “piedosa”! – do pensamento humano em seu arraigamento na vida.

Biografia do Autor

Luís H. Dreher, Universidade Federal de Juiz de Fora
Ciência da Religião
Publicado
2018-08-07