Programa de Controle do Tabaco: fatores associados ao risco de abandono do tratamento

Autores

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Tabagismo, Abandono do uso do tabaco, Tratamento

Resumo

No Brasil, a prevalência de tabagismo ainda é elevada em pessoas portadoras de Condições Crônicas não Transmissíveis (CCNT). A compreensão dos modelos de atenção ao tabagista é essencial para se reduzir o abandono do tratamento. Objetivos: identificar as características sociodemográficas e de saúde dos indivíduos que buscaram o Programa Nacional de Controle do Tabaco (PNCT) em duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município de Campinas, estimar o percentual de abandono do tratamento e elencar os fatores associados a esse desfecho. Metodologia: coorte histórico cujos dados foram obtidos, entre 2016 e 2019, em grupos de tratamento do PNCT. Para a realização da análise exploratória, a pesquisa incluiu 276 participantes, dos quais foram registradas suas variáveis sociodemográficas, condições de saúde, formas de uso do tabaco e participação no programa. Foram estimados o índice de abandono do tratamento e as possíveis relações com as variáveis significativas através de regressão múltipla. Resultados: a média de idade foi de 50,7 anos, com 60% do sexo feminino, 57,7% brancos, 52,2% com companheiro, 84,7% com filhos, 52,5% com ensino fundamental, 64% com renda entre um e dois salários, 40,1% trabalhando em setor de serviços e 58% católicos. O percentual de abandono do tratamento foi de 31%. A hipertensão se relacionou com o abandono do tratamento (p=0,030), reduzindo-o. Conclusão: o perfil dos indivíduos foi semelhante ao encontrado em outras pesquisas; indivíduos não hipertensos apresentaram maior índice de abandono. São necessários outros estudos que avaliem fatores associados ao abandono do tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Leite de Oliveira Costa, Faculdade de medicina de Botucatu (UNESP-FMB)

Mestra em Saúde da Família pela UNESP, graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Jundiaí com residencia médica em Medicina de família e comunidade. Professora da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCampinas) e da Faculdade de Medicina de Botucatu- Universidade Estadual Paulista (FMB-UNESP). CV: http://lattes.cnpq.br/8479834576501898

João Marcos Bernardes, Faculdade de medicina de Botucatu (UNESP-FMB)

Doutor em Saúde Coletiva, mestre em Engenharia de Produção e graduação em Fisioterapia. Professor da Faculdade de Medicina de Botucatu-Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp) . CV: http://lattes.cnpq.br/2547440001426087

Maria Cristina Pereira Lima, Faculdade de medicina de Botucatu (UNESP-FMB)

Doutora em Medicina Preventiva pela Universdiade de São Paulo (USP), com pós-doutorado no Centre for Addiction and Mental Health (Toronto University - ON), mestra em Ciências Médicas pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e graduada em Medicina pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). CV: http://lattes.cnpq.br/2169124595816290

Downloads

Publicado

2022-08-16

Edição

Seção

Artigos Originais