Avaliação das estratégias de educação em saúde com adolescentes

  • Rubênia Paulo da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Rafaela Carolini de Oliveira Távora Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN
  • José Adaílton da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Mayara Silva Fernandes do Rêgo Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Palavras-chave: Adolescente, Educação, Saúde

Resumo

Introdução: considerando a importância e a relevância da educação em saúde com adolescentes, é essencial o uso de estratégias cada vez mais acolhedoras, dinâmicas, integradas e subjetivas. Assim, objetivou-se avaliar as estratégias de educação em saúde utilizadas com adolescentes, a partir das publicações existentes em revistas científicas. Desenvolvimento: trata-se de uma pesquisa descritiva, qualitativa, do tipo revisão integrativa. Foram critérios de inclusão: títulos em português, texto completo disponível gratuitamente, artigos e publicações nos últimos cinco anos (2012, 2013, 2014, 2015 e 2016). Foram excluídos os artigos repetidos ou em formato de revisão de literatura ou que não responderam à questão-problema pesquisada. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, restaram 26 artigos, que foram lidos na íntegra e analisados na presente pesquisa. A região Nordeste destacou-se com dez publicações e a revista APS – Atenção Primária à Saúde possui o maior número de publicações. A maioria dos artigos utilizou a abordagem qualitativa. As oficinas educativas foram relatadas em 12 pesquisas, e abordou-se a temática saúde sexual e reprodutiva na maioria das ações. As escolas foram os cenários de maior escolha pelos pesquisadores. Em média, 69% dos artigos não utilizaram base metodológica para avaliar a efetividade das intervenções. Evidenciaram-se, ainda, limitações das publicações quanto às conclusões e avaliações das estratégias utilizadas. Conclusão: reforça-se a importância da pesquisa na área profissional, o que garante tanto a importância da busca de metodologias quanto da avaliação da estratégia usada, para melhor aplicabilidade, de forma dinâmica, afável e pessoal.

Biografia do Autor

Rubênia Paulo da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Enfermeira. Pós graduanda em UTI Neonatal e Pediátrica

Rafaela Carolini de Oliveira Távora, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Docente da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi-FACISA/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

José Adaílton da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Mestrado em Saúde da Família pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutorando em Saúde Coletiva pela UFRN. Docente do curso de Graduação em Enfermagem pela FACISA/UFRN.

Mayara Silva Fernandes do Rêgo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Especialista em Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Docente do curso de graduação em Enfermagem. Docente da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Facisa/UFRN).

Publicado
2020-06-23
Seção
Artigos de Revisão