ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E ASSISTÊNCIA AO PLANEJAMENTO REPRODUTIVO: DESAFIOS DE INTEGRAÇÃO, COORDENAÇÃO E CONTINUIDADE DOS CUIDADOS

Autores

  • Keila Cristina Santana Silva
  • Claudia Bonan Instituto Nacional de Saúde da Mulher da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira
  • Andreza Rodrigues Nakano Instituto Nacional de Saúde da Mulher da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira

Palavras-chave:

Planejamento familiar, Programa Saúde da Família, Mulheres

Resumo

Objetivos: Refletir sobre oportunidades e limites que a Estratégia Saúde da Família proporciona para aprimoramento da assistência ao planejamento reprodutivo (PR), considerando que esse modelo de atenção básica pretende ser uma estratégia para reorganização do sistema de saúde, promovendo integração e coordenação dos serviços e continuidade dos cuidados. Métodos: Estudo de caso qualitativo, utilizando dois procedimentos investigativos: análise descritiva da assistência ao PR em uma unidade de Saúde da Família da cidade do Rio de Janeiro e reconstrução da trajetória contraceptiva de 48 mulheres participantes do programa de PR. Resultados: Os problemas identificados na assistência ao planejamento reprodutivo se referem à ausência de formação de vínculo com o serviço, à falta de continuidade no atendimento das demandas, à forma de realização da prática educativa e ao não seguimento da clientela. Essas questões demonstram que a ESF ainda enfrenta problemas semelhantes aos encontrados nas unidades tradicionais e que não se restringem ao PR, como: falhas de integração, coordenação da rede e continuidade de cuidados. Conclusões: No caso estudado, a ESF não representou um fortalecimento à assistência ao PR. A ESF não cumpre o papel de ser pivô de uma rede assistencial integrada, que proporciona cuidados coordenados e integrados em saúde, e isso se reflete diretamente no desempenho da assistência ao PR.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2015-11-18

Edição

Seção

Artigos Originais