Gêneros em questão

2021-07-14

Já há muito tempo tem se superado a percepção de que gêneros cinematográficos ou audiovisuais se resumem a sistemas estanques, cujo intuito seria restrito à rotulagem e limitação de grupos de narrativas a partir de seus respectivos elementos temáticos ou estéticos. Seja nos estudos acadêmicos, na crítica especializada ou entre o público espectador, a ideia de que os gêneros se expandem, se hibridizam e até mesmo se confundem tem se tornado um consenso – especialmente em um momento no qual as circunstâncias de produção, distribuição e exibição passam por reestruturações, intensificadas pela pandemia de covid-19 e o avanço das plataformas de streaming

Deste modo, os gêneros seriam, como sugere Robert Stam em Introdução à Teoria do Cinema (São Paulo, Papirus Editora, 2010), um trampolim para a criatividade e a inovação. Ou ainda, sob uma perspectiva metafórica inspirada na geografia ou cartografia, os gêneros cinematográficos e audiovisuais poderiam configurar terrenos de solo movediço e topografia acidentada, sobre os quais as delimitações serviriam apenas como referências ou itinerários, constantemente sujeitos a reconfigurações ou  realocações. 

A partir dessa ótica, a Revista Zanzalá convida autores a contribuírem com o dossiê Gêneros em questão, que visa reunir artigos que promovam reflexões acerca dos mais variados gêneros cinematográficos e audiovisuais em narrativas que questionem suas fronteiras e nos apresentem questões, interrogantes ou indagações como:

- um gênero pode ser superado, como indica a recente polêmica do pós-horror?

- de que maneira a internet e o avanço das plataformas de streaming influenciam na realização e na recepção de determinados gêneros?

- como a centralização de personagens não-brancos, não-cisgêneros e não-heterossexuais modificam paradigmas genéricos em narrativas contemporâneas?

- gêneros solidificados por Hollywood estão sendo subvertidos por realizadores oriundos de países emergentes através da democratização dos meios de produção audiovisual? 

- estariam realizadores contemporâneos trabalhando de maneira mais autorreflexiva com os gêneros?

- como revisitar obras muito intrinsecamente associadas com um determinado gênero?

- podemos falar em gêneros transmidiáticos?

- como os gêneros cinematográficos ou audiovisuais afetam os videogames e  vice-versa?

- com quantos textos se faz um gênero?

- gênero e autoria: algum problema?

O dossiê Gêneros em questão não se pretende restrito às perguntas ou indagações elencadas acima. Ao contrário, os interrogantes levantados nesta chamada tem por objetivo apenas nortear e inspirar potenciais autores. 

Pretendemos publicar o dossiê Gêneros em questão no segundo semestre do ano de 2021. Serão aceitas submissões em português, espanhol, francês, italiano ou inglês. 

As demais diretrizes para autores estão descritas em https://periodicos.ufjf.br/index.php/zanzala/about/submissions#authorGuidelines. Os textos devem ser submetidos até a data de 03 de novembro de 2021, através da página da revista.

Em caso de dúvidas, por favor não hesite em nos contatar por e-mail (revistazanzala@gmail.com).