[1]
A. Gomes, “Na Primeira República, praticar espiritismo era cometer um crime indígena”, SAC, vol. 17, nº 1, p. 238-261, jul. 2020.