DOI 10.34019/1980-8518.2023.v23.42953  
Conflitos socioambientais envolvendo água e  
mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas  
lutas  
Socio-environmental conflicts involving water and mining in Brazil:  
political subjects and their struggles  
Maria das Graças e Silva*  
Nailsa Maria Souza Araújo**  
Pedro Gabriel Silva***  
Resumo: O estudo aborda os conflitos  
socioambientais envolvendo mineração e água  
no Brasil e o papel dos sujeitos políticos.  
Objetiva identificar os principais conflitos e  
analisar as inter-relações entre mineração e água  
como partes do modelo de exploração de  
recursos naturais. As atividades de mineração  
são altamente degradantes, além de utilizarem  
intensamente a água. O estudo utiliza dados do  
Mapa de Conflitos e Injustiça Ambiental em  
Saúde no Brasil e a literatura sobre o tema.  
Identificaram-se 90 conflitos envolvendo  
mineração no país e uma amostra de 38  
conflitos por água, distribuídos em todas as  
regiões. O texto discute o contexto brasileiro e  
os conflitos socioambientais, destacando a  
Abstract: The study addresses socio-  
environmental conflicts involving mining and  
water in Brazil and the role of political subjects.  
It aims to identify the main conflicts and analyse  
the interrelationships between mining and water  
as part of the natural resource exploitation  
model. Mining activities are highly degrading  
and also use water intensively. The study uses  
data from the Map of Conflicts and  
Environmental Injustice in Health in Brazil and  
the literature on the subject. It identified 90  
conflicts involving mining in the country and a  
sample of 38 conflicts over water, distributed  
across all regions. The text discusses the  
Brazilian context and socio-environmental  
conflicts, highlighting the country's historical  
position as a producer/exporter of commodities.  
It concludes that there is a punishingly  
conflictive reality in the country, with multiple  
subjects involved, trying to cope with the  
wastefulness of capital and its effects on the  
ways of life and labour of fractions of the  
working class.  
posição  
histórica  
do  
país  
como  
produtor/exportador de commodities. Conclui-  
se que há uma realidade punjantemente  
conflitiva no país, com múltiplos sujeitos  
envolvidos, que procuram fazer face  
à
perdularidade do capital e seus efeitos sobre  
modos de vida e trabalho de frações da classe  
trabalhadora.  
*
Pós-doutora em Estudos Sociais pela Universidade de Coimbra - Portugal. Doutora em Serviço Social pela  
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente e pesquisadora do Departamento de Serviço Social e do  
Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFPE. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6583-831X  
**  
Pós-doutora em Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento pela Universidade de Trás-os-Montes e  
Alto Douro - Portugal. Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Docente e  
pesquisadora do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Sergipe e de seu programa de pós-  
***  
Doutor em Serviço Social. Pesquisador no Centro de Estudos TRansdisciplinares para o Desenvolvimento.  
Docente na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Portugal. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0635-  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
Palavras-chaves: Conflitos socioambientais;  
Mineração; Água.  
Keywords: Socio-environmental conflicts;  
Mining; Water.  
Recebido em: 19/11/2023  
Aprovado em: 29/11/2023  
Introdução  
Situado no interior da relação entre grupos sociais guiados por desafios comuns e o  
Estado brasileiro no processo de apropriação de recursos naturais, os conflitos socioambientais  
envolvendo mineração e água no Brasil constituem o objeto analítico do presente trabalho. O  
objetivo do estudo é identificar os principais conflitos e analisar, com particular ênfase, a  
atuação dos sujeitos políticos neles intervenientes. É também objetivo a análise de inter-  
relações inelimináveis entre mineração e água como partes de um modelo comum de produção  
e exploração dos recursos naturais, que se convertem em elementos constituintes dos conflitos.  
Nesse sentido, a atividade mineradora utiliza abundantemente a água no processo produtivo  
stricto sensu, além dos conhecidos efeitos poluidores dos recursos hídricos, desde as águas  
fluviais aos mananciais do subsolo.  
522  
Os conflitos socioambientais tornaram-se objeto de estudo de diversas áreas do  
conhecimento no Brasil e tem desafiado movimentos sociais, órgãos de gestão ambiental  
pública e um conjunto diferenciado de organizações da sociedade civil. Configuram, portanto,  
uma conjuntura de problematização de expressões da questão ambiental, seus impactos e as  
estratégias de enfrentamento adotadas por frações de classes, grupos sociais e pelo Estado. A  
abordagem aqui desenvolvida faz coro com uma ciência e conhecimento socialmente  
comprometidos, que encontra nos sujeitos sociais, nas suas linguagens e formas de luta o  
substrato para a construção do saber e, talvez, para novas formas de entender e construir o  
dissenso, a contestação e a resistência.  
A
r
t
i
g
o
Os argumentos explanados ao longo do artigo resultaram da coleta e tratamento de  
dados em duas fontes principais: o Mapa de Conflitos e Injustiça Ambiental em Saúde no  
Brasil, disponível na rede mundial de computadores sob  
o
endereço  
referente à temática.  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Conflitos socioambientais envolvendo água e mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas lutas  
Uma particularidade da recolha de dados sobre lutas e conflitos na mineração no Brasil  
é que, devido à forma como são catalogados no Mapa e ao volume de dados existentes, somente  
foi viável sistematizá-los por região. O quadro geral mostra a existência atual de 90  
lutas/conflitos que envolvem mineração no Brasil. O momento presente é de extrema  
conflitividade na mineração, pelas largas sequelas que vem acumulando nos últimos anos. No  
que concerne à água, em virtude do vasto número encontrado, foi necessária a definição de uma  
amostragem, chegando ao número de 38 conflitos, distribuídos proporcionalmente em todas as  
regiões do país, a partir de um montante geral que vem desde os anos de 1960, mas cuja  
prevalência vai ocorrer nas primeiras décadas do presente século1.  
O artigo conclui que a intensificação da expropriação dos recursos naturais dada pelo  
atual modelo de acumulação de capital amplia e aprofunda a conformação de conflitos  
socioambientais, protagonizados por uma multiplicidade de sujeitos políticos. A despeito de  
terem sido observados apenas dois tipos de conflitos - envolvendo minérios e água - o estudo  
revela intensas disputas, dada a importância destes recursos para a reprodução do sistema do  
capital, assim como para a manutenção da vida humana no planeta.  
Este texto desenvolve-se ao longo de três partes principais. Na primeira, foi feita uma  
contextualização da realidade brasileira contemporânea e as nuances que indicam a  
conformação de uma conflitividade socioambiental. Em seguida são indicadas as principais  
características dos conflitos em análise, assinalando-se como se distribuem ao longo do  
território nacional, os motivos subjacentes e as relações entre a sua ocorrência e os processos  
político-econômicos que vêm determinando os ciclos de procura internacional de bens  
primários, em que se incluem os minérios metálicos e não metálicos e a água. De seguida,  
apresentam-se os sujeitos intervenientes, em particular, os contendores, analisando-se os  
respectivos posicionamentos reivindicativos antes de chegar a elementos de considerações  
finais.  
523  
A
r
t
i
g
o
A conjuntura brasileira e a exploração conflitiva de recursos naturais  
Países de economia periférica viveram, como reflexo da crise estrutural do capital que  
se instaura desde meados dos anos 1970, processos de desindustrialização. Como expressão  
dessa realidade o Brasil aprofunda e amplia sua clássica e histórica posição no mercado mundial  
1
Os conflitos envolvendo água, catalogados no Mapa, estão divididos em três tipos: assoreamento de recurso  
hídrico (108), falta de saneamento básico (44) e poluição de recurso hídrico (248). Deste total de 400 há  
combinação entre dois tipos, como poluição e assoreamento, por exemplo. Para constituição da amostra, decidimos  
eleger o de maior expressão (poluição) e apanhar sua distribuição regional, aplicando um único percentual para a  
amostra (15%), totalizando 38 conflitos.  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
como produtor/exportador de produtos primários, hoje denominados commodities, o que  
impulsiona o avanço do capital sobre os recursos naturais. A disputa mundial pelos recursos  
naturais escancara a divisão internacional do trabalho e a desigualdade que lhe é própria,  
acarretando pressões e processos políticos, econômicos, inclusive militares. A América do Sul  
é ilustrativa dessa dinâmica, pela dimensão das reservas de recursos estratégicos que possui e  
por, historicamente, ocupar uma posição de destaque na exportação de matérias primas.  
O Brasil, no contexto de acumulação por despossessão2 (Harvey, 2005) articula a  
essa tendência histórica novas roupagens, mantendo sua posição como subsidiário do  
desenvolvimento dos países capitalistas centrais, cujas economias essencialmente industriais  
incorporam e concentram os elementos de natureza tecnológica e científica, deixando para os  
demais territórios a produção de bens com largas pegadas de recursos naturais. Foladori  
(2008, p. 198) aponta para os efeitos deletérios da especialização geográfica como parte da  
dinâmica do capital e do aprofundamento da falha metabólica, à medida em que aumenta a  
distância entre produção e consumo:  
É claro que tanto a depredação dos recursos naturais quanto a ampliação da  
fronteira produtiva significam um deslocamento de materiais da natureza [...].  
Essa reconcentração da matéria natural termina como resíduo de diferentes  
naturezas em ecossistemas alheios ao lugar de captura; e deixa no lugar de  
extração imensas montanhas de metais pesados e elementos químicos  
poluentes concentrados, dificultando ou tornando praticamente impossível o  
metabolismo digestivo dos ciclos naturais.  
524  
A realidade do Brasil, no que concerne à exploração de recursos naturais, é  
devastadora: o país se encontra em processo acelerado de destruição de seus ecossistemas,  
alguns dos quais existentes somente no seu território, como é o caso do cerrado. A recomposição  
do extrativismo ou o chamado neoextrativismo e a pressão das diferentes demandas do mercado  
mundial em expansão, reverberam no território e produzem diversos impactos ambientais e  
sociais, instaurando múltiplas arenas de lutas socioambientais.  
A
r
t
i
g
o
Os conflitos envolvendo acesso à terra e outros recursos naturais têm longa trajetória  
no Brasil, embora sua caracterização como constituinte da questão ambiental seja mais recente,  
tendo se proliferado durante o chamado neodesenvolvimentismo e, mais recentemente, na era  
bolsonarista, de clara inclinação neofascista. De natureza anticíclica, o modelo dito  
neodesenvolvimentista configurou uma resposta à acelerada desindustrialização do país,  
impulsionada pelo neoliberalismo desde os anos de 1990, e à crescente demanda mundial por  
2
De acordo com Harvey (2005) o termo define o avanço do capitalismo contemporâneo, numa forma nova de  
imperialismo, aprofundando seu domínio sobre as nações periféricas e aumentando a desigualdade entre centro e  
periferia capitalistas, com a intenção de apropriar-se dos bens naturais e da força de trabalho desses países a custos  
baixíssimos e sem trazer quaisquer ganhos para essas localidades.  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Conflitos socioambientais envolvendo água e mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas lutas  
produtos primários, em razão da expansão dos mercados asiáticos. A busca por baratear os  
custos da produção e circulação de mercadorias, dotando-as de maior competitividade no  
mercado mundial, implicou um conjunto de investimentos públicos com vistas à realização de  
grandes obras de infraestrutura, especialmente aquelas afetas à produção de energia, irrigação,  
transporte e comunicação. Com a assunção do autoproclamado neodesenvolvimentismo, o  
Brasil reorienta sua inserção na Divisão Internacional do Trabalho, reforça o seu lugar como  
fornecedor de commodities, buscando driblar os efeitos mais perversos da crise estrutural do  
capital e a dificuldade crescente de assegurar superávits na balança comercial brasileira.  
Esta dinâmica desencadeia profundas alterações nos territórios, seja no campo ou nas  
cidades, e se complexifica no Governo de Jair Bolsonaro, já que o mesmo representava  
abertamente determinada classe social: a alta burguesia internacional, proprietária de  
oligopólios que se estendem em várias regiões do mundo à caça de lucratividade, ou seja, os  
representantes do neoimperialismo, que têm nome e sobrenome. Ao observar, por exemplo,  
quem são as mineradoras e empresas do ramo da mineração que dominam o setor isso fica claro.  
São empresas inglesas, francesas, australianas, canadenses, chinesas e norte-americanas, que  
espalham a nova pilhagem por todos os continentes. Representa também a alta burguesia  
brasileira que, desde sempre, com espírito colonizado, foi parceira dos interesses internacionais  
acima de qualquer possibilidade de construção de um projeto nacional, sempre em busca de  
lucros e de poder (Fernandes, 1991).  
525  
Esta classe, que precisa encontrar novas formas de lucratividade, transformou os bens  
naturais em ativos financeiros e sua exploração mercantil em uma grande meta no processo de  
recomposição das estratégias burguesas de produção de riqueza. A um país da periferia do  
sistema, subalterno e servil, cabe o lugar de produtor de commodities na nova divisão  
internacional do trabalho. Que este lugar e o modelo concernente signifiquem destruição não só  
da natureza, mas de muitas e distintas formas de vida (alternativas ou não), de povos seculares,  
nada disso importa.  
A
r
t
i
g
o
Visualizam-se mecanismos pelos quais o sistema capitalista opera sua reprodução em  
escala global, contando com grande anuência dos Estados-nação para desregular cada vez mais  
o acesso aos recursos naturais, com espetacular relevo na experiência do Brasil. São vários os  
exemplos em que o Estado brasileiro cede às pressões e lobbies do capital monopolista e  
financeiro. Podemos mencionar a privatização da extração de recursos não renováveis (como os  
leilões do pré-sal e de estatais mineradoras), as iniciativas de flexibilização da legislação  
ambiental, a facilitação da biopirataria, a liberação de mineração em terras indígenas, o  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
desmonte dos órgãos e instituições de fiscalização ambiental, as inúmeras tentativas de  
aprovação do marco temporal, dentre outros.  
O avanço do capital sobre os recursos naturais ameaça diretamente as condições de  
vida e de trabalho, sobretudo das populações mais pobres do campo e das cidades: ribeirinhos,  
quilombolas, pescadores/as, indígenas e pequenos agricultores, as quais estabelecem seu  
metabolismo social (Foster, 2005) em estreita dependência dos recursos naturais. As lutas  
sociais organizadas por estes povos são também lutas pela defesa de seus territórios e seus  
modos de vida, que incluem outra relação com a natureza, distinta da dinâmica da acumulação  
capitalista. A realidade brasileira revela que estes conflitos vêm se alastrando pelo país e  
tornaram-se objeto de estudo de diversas áreas do conhecimento, posto que invocam as  
potencialidades da gestão ambiental pública, instituída pela Política Nacional do Meio Ambiente  
e pela Norma Constitucional vigente, em seu artigo 225, segundo a qual, “todos têm direito ao  
meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia  
qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e  
preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.  
Os conflitos socioambientais têm se apresentado como uma das expressões  
contemporâneas da questão ambiental na sociedade capitalista. São assim designados porque  
congregam formas distintas de (re)ação e resistência, organizadas pelos grupos sociais afetados  
direta e/ou indiretamente pela apropriação capitalista dos recursos naturais do planeta. Eles  
expressam suas lutas e são várias as “formas de dizer não” à expropriação (e destruição) dos  
bens naturais e das formas de produção e reprodução da vida de variados segmentos da  
sociedade, espalhadas por todo o mundo. Dois dos principais recursos naturais explorados e  
expropriados pela produção mercantil capitalista na atualidade são a água e os minérios, afinal,  
não existe mineração sem água, como também sem esta não existe quase nenhum processo  
produtivo extrativista, agrícola ou industrial. A (in)disponibilidade de água para o consumo  
humano tornou-se importante indicador da miséria, tanto no campo quanto nas periferias  
urbanas, e também em muitas partes do mundo “civilizado” e “moderno” regido pela lógica do  
capital.  
526  
A
r
t
i
g
o
O Brasil é rico nos dois recursos. Em relação aos recursos hídricos as maiores reservas  
são encontradas na região Norte do país. Contudo, é nas demais regiões que a produção  
agropecuária, grande demandante de água, encontra-se concentrada. Os principais produtos da  
pauta de exportações brasileira são agrícolas: dos 10 principais itens mais exportados pelo  
Brasil, 6 são produtos do agronegócio e juntos eles são responsáveis por 32,2% da pauta de  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Conflitos socioambientais envolvendo água e mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas lutas  
exportações. Contudo, este fato não deve mascarar a realidade de que, sozinho, o minério de  
ferro tem uma participação de 8,9% na pauta de exportações nacionais3.  
A Organização Não Governamental WWF (Fundo Mundial para a Natureza) reconhece  
que “mesmo já sofrendo com conflitos pelo uso da água doce, a América do Sul tem a maior  
reserva de recursos hídricos do mundo. Por isso, há uma crescente demanda por produtos de uso  
intensivo de água na região” (WWF, 2011 s/p)4. O principal é a agricultura, mas a produção de  
minérios também é grande demandante. Com uma das maiores reservas de água doce do mundo,  
o Brasil se torna espaço de conflitos, constituídos a partir de interesses distintos. Carmo et al (s.  
d. apud Neto, 2017, p. 64) asseguram que “o tratamento da água enquanto bem econômico e,  
portanto, passível de cobrança [...] [torna] necessário também adensar a discussão acerca do uso  
e apropriação dos recursos hídricos consubstanciados em produtos agrícolas, carnes e  
[minérios], com a perspectiva de uma situação de escassez que está claramente sendo  
anunciada” em todo o mundo.  
Segundo as Organizações das Nações Unidas (ONU apud TNC, 2023) o consumo de  
água no planeta se divide em: 70% para a irrigação agrícola, 22% para a indústria e 8% para uso  
doméstico5. Realidade como essa, sucintamente demonstrada em dados, não deixa de constituir  
situação conflitiva entre os diferentes grupos interessados. No discurso empresarial e mesmo  
estatal o avanço sobre os recursos naturais é não só necessário como imprescindível, porque  
levaria ao desenvolvimento e crescimento econômico sem os quais a vida social se  
desorganizaria. Porém, esta não é a interpretação de populações do campo e das cidades, como  
ribeirinhos, quilombolas, pescadores/as, indígenas e pequenos agricultores, que estabelecem seu  
“metabolismo social” (Foster; Clark, 2004) em estreita dependência dos recursos naturais e  
lutam contra a expropriação a qual são submetidos. Dado o exposto, evidencia-se a importância  
de minério e água como recursos naturais em disputa, assumindo lugar de destaque nos conflitos  
socioambientais no Brasil.  
527  
A
r
t
i
g
o
3 Disponível em: <https://dclogisticsbrasil.com/produtos-mais-importados/>. Acesso em: 18 nov. 2023.  
4 O PRODECER foi instituído em 1979. O programa foi constituído de cooperação financeira e cooperação técnica  
e teve como objetivo a transformação do bioma Cerrado em uma grande região produtora de alimentos. Disponível  
em: 02 out. 2020.  
5 O acrônimo Matopiba designa uma região geográfica que abarca municípios dos estados do Maranhão, Tocantins,  
Piauí e Bahia. É considerada a grande fronteira agrícola nacional da atualidade, e responde por grande parte da  
produção brasileira de grãos e fibras (soja, arroz e algodão). A área reúne 337 municípios e representa um total de  
cerca de 73 milhões de hectares. Existem na área cerca 324 mil estabelecimentos agrícolas, 46 unidades de  
conservação, 35 terras indígenas e 781 assentamentos de reforma agrária, segundo levantamento feito pelo Grupo  
de Inteligência Estratégica (GITE) da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (EMBRAPA). Disponível  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
Caracterização dos conflitos por água e minério no Brasil  
O Brasil é território fértil para a eclosão de conflitos socioambientais, como  
explicitado, dada a sua constituição como país de economia primária garantidora de bens e  
recursos naturais, na forma de commodities, para o mercado mundial. São diversos os recursos  
que envolvem conflitos e lutas e estes se alastram por todas as regiões, mas cabe aqui destacar  
apenas água e mineração como objetos de análise. Observação inicial, disposta na tabela abaixo,  
dos dados relativos aos conflitos envolvendo água e mineração no Brasil, permite constatar a  
sua distribuição no território.  
Tabela 1 - Distribuição dos conflitos por região no Brasil.  
Região  
Sudeste  
Nordeste  
Norte  
Água  
Mineração  
29%  
35,8%  
28,6%  
17,3%  
20%  
29%  
Sul  
10,8%  
7,2%  
12%  
10%  
Centro-Oeste  
Todas  
99,7%  
100%  
Fonte: Elaboração própria com base no Mapa da Fiocruz (2020).  
528  
A despeito desta configuração revelar um espraiamento dos conflitos por água e  
minérios em várias regiões, chama atenção o fato da região Sudeste abranger os maiores  
percentuais de conflitos em ambos os casos estudados, embora a mineração no Norte e as  
disputas por água no Nordeste estejam também entre os casos de maior abrangência. Destarte,  
estas últimas têm sido alvos frequentes dos processos de ampliação das fronteiras agrícolas e  
minerais do país. Concentram 49% dentre os 90 conflitos mapeados na mineração, processo em  
clara dissonância com o que seriam os cuidados necessários para a proteção do meio ambiente  
e ações para mitigar os impactos da perdularidade capitalista sobre os territórios. No caso da  
água, chama a atenção o fato de que a região Norte, que concentra o maior manancial hídrico  
do país (cerca de 70%) e um dos maiores aquíferos do planeta, responda pelo terceiro lugar na  
produção de conflitos no país.  
A
r
t
i
g
o
Ao confrontar os dados coletados constata-se que o principal objeto dos conflitos  
relativos à mineração no Brasil é o ferro, dado que demonstra, uma vez mais, tanto a  
importância do minério no quadro geral da economia capitalista quanto o papel do Brasil em  
sua extração intensiva. Por outro lado, informação pouco explorada no país, o ouro aparece em  
destaque como constituinte de lutas socioambientais. Dentre os tipos de minério catalogados  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Conflitos socioambientais envolvendo água e mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas lutas  
como constituintes das lutas, cinco deles conformam a pauta dos principais minérios produzidos  
e exportados pelo Brasil: ouro, ferro, cobre, manganês e níquel.  
As regiões Norte e Nordeste, com suas particularidades, foram e continuam sendo  
fortemente castigadas pelas mazelas da exploração capitalista das riquezas naturais. O avanço  
atual do capitalismo nestas regiões está marcado pela instalação de grandes empreendimentos  
que provocam alteração na dinâmica de vida das populações inseridas nesses territórios.  
Especialmente a partir dos anos 1990, com as gestões psdbistas, enfatiza-se o lugar do Brasil  
como país de grande potencial agro e minero-exportador na divisão internacional do trabalho,  
como parte daquelas estratégias, resgatadas anteriormente, de acumulação por despossessão.  
Essa tendência atualiza o imperialismo traduzido pelo agronegócio e pela megamineração, duas  
das principais atividades econômicas brasileiras da atualidade, tendência que aprofunda as  
velhas relações de dominação e exploração colonizadoras da força de trabalho e os usos  
perdulários dos recursos naturais.  
Esta tendência também se aplica à água e explica que os conflitos que a envolvem  
tenham como atividades deflagradoras os megaempreendimentos governamentais (26,3%), o  
agronegócio (18,4%) e a mineração, que comparece com 14,4%. A essas atividades seguem-se:  
especulação imobiliária, madeireira e turismo. No tocante aos megaempreendimentos  
governamentais prevalecem as usinas hidrelétricas para produção de energia, as barragens, com  
vistas à agricultura de irrigação, obras de infraestrutura em geral, a construção ou ampliação de  
Complexos Industriais e Portuários e terminais marítimos, além dos Programas de Cooperação  
Internacional, a exemplo do Programa de Cooperação Nipo-Brasileiro para o Desenvolvimento  
Agrícola dos Cerrados (PRODECER)6 e o MATOPIBA7.  
529  
A
r
t
i
g
o
Quando se destaca a temporalidade dos conflitos, nota-se que o surgimento da maioria  
destes concentra-se na última década do século XX e primeiras décadas do século XXI, tanto  
naqueles relativos à água quanto aos minérios. Nos conflitos por água, é possível observar a  
sua distribuição temporal: são da primeira década do século atual o surgimento da maioria dos  
conflitos em análise (18 conflitos), sendo encontrados apenas 2 (dois) na década seguinte. Os  
6 Para efeitos teóricos neste trabalho, sujeitos políticos são aqueles afetados pelas atividades produtivas, seja por  
meio de empreendimentos privados e/ou estatais e que se lançam numa miríade de formas de contestação aos  
impactos destas atividades sobre seus modos de vida e trabalho.  
7 No que diz respeito às pautas em presença destaca-se que 14,8% referem-se à questão fundiária, mais diretamente  
a demarcação e regularização de terras. Segue-se um conjunto de reivindicações voltadas ao uso e controle das  
águas: proteção dos rios e das águas (9,8%), saneamento básico (7,4%), contra a construção de hidrelétricas  
(7,4%), contra a poluição por curtumes e pela mineração (2,4%), contra o assoreamento (1,2%), pela revitalização  
das águas poluídas (1,2%) e paralisação imediata da atividade poluente (1,2%).Ainda tem-se a exigência de  
cumprimento de política pública (9,88%), genericamente e, em particular, a defesa de serviços de saúde aparece  
com 4,9%. Por fim, constata-se a exigência de indenizações (7,4%) e de punição às empresas (2,4%).  
Posicionamento contrário ao agronegócio e à mineração marcam 4,9%.  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
restantes são anteriores: 3 (três) nos anos de 1980; 4 (quatro) na década de 1990 e 11 (onze)  
conflitos entre os anos de 1960 e 1970.  
Sujeitos em luta e suas reivindicações  
Os conflitos em análise comportam um conjunto significativamente diferenciado de  
sujeitos8, mais ou menos organizados, mais ou menos institucionalizados, que participam, dão  
vida e orientam as lutas em defesa do meio ambiente, da manutenção das condições de vida das  
populações, dos modos de vida locais/tradicionais. As Tabelas 2 e 3 demonstram,  
respectivamente, a natureza dos sujeitos políticos envolvidos nos conflitos por água, em quadro  
geral, e por mineração, distribuídos por região.  
Tabela 2 - Sujeitos envolvidos em conflitos por água no Brasil.  
Sujeitos Políticos  
Número  
Percentual  
26,2%  
Movimentos locais/Fóruns/coletivos  
ONGs  
21  
20  
12  
10  
10  
7
18,4%  
11,4%  
8,7%  
Entidades Religiosas  
Associações de Moradores  
Entidades étnico-identitárias  
Colônia de Pescadores  
Outros  
8,7%  
6,14%  
530  
14  
12,2%  
Fonte: Elaboração própria com base no Mapa da Fiocruz (2020).  
Observam-se similitudes e diferenças nos quadros caracterizadores dos sujeitos  
políticos envolvidos em conflitos por água e minério. Os dados da tabela acima demonstram a  
prevalência de movimentos locais, ONGs/Organizações sem fins lucrativos e entidades  
religiosas, intervindo nos conflitos. Quanto aos movimentos locais, é possível afirmar que se  
trata de grupos com capacidade de mobilização e de articulação das lutas no território, quase  
sempre sem expressão nacional ou mesmo regional. São grupos de base que têm sua dinâmica  
imbricada à própria luta. Seu objetivo é planejar, organizar e encaminhar as mobilizações,  
articular redes de apoio e dar visibilidade aos conflitos. São, em geral: comissões de  
mobilização, fóruns de discussões, associações locais, grupos de jovens, dentre outros. A este  
universo somam-se entidades já consolidadas, de longa trajetória de atuação, mas também de  
alcance local, como as Associações de Moradores e Colônias de Pescadores.  
A
r
t
i
g
o
8
WWF.  
Pegada  
Hídrica  
incentiva  
uso  
sustentável  
da  
Água.  
Disponível  
em:  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Conflitos socioambientais envolvendo água e mineração no Brasil: sujeitos políticos e suas lutas  
Importante ressaltar que, sendo uma tendência majoritária, não deve-se inferir  
qualquer desqualificação dos movimentos locais e sua agenda focalizada. São lutas decisivas  
contra as contínuas expropriações levadas a termo nos territórios onde vivem e trabalham; são  
tentativas de defesa dos seus modos de vida contra o avanço desenfreado da ganância  
capitalista, em torno das quais agregam um conjunto heterogêneo de experiências, de  
concepções de vida, de interesses múltiplos. A diversidade dessas agendas também é expressão  
da sanha do capital por submeter interesses, valores, culturas, o conhecimento, enfim, tudo que  
representa a possibilidade de viver e reproduzir fora do seu domínio e do controle direto do  
mercado. Como alerta Fontes (2005, p. 6):  
As expropriações contemporâneas incidem também sobre persistências  
culturais, resultantes de certas tradições, sobre conquistas sociais (direito à  
saúde, à educação, por exemplo, crescentemente privatizados) e sobre  
elementos naturais, cuja mercantilização resulta de uma massiva  
expropriação, como as águas ou patentes sobre elementos genéticos (ou  
mesmo sobre formas de vida).  
Foram localizadas também algumas ONGs e organizações sem fins lucrativos,  
vinculadas à agenda da justiça social e ambiental. Apesar de existir menção ao apoio destas  
entidades em diversos conflitos, não foi possível localizar o tipo de ação que  
desenvolveram. Quanto às entidades religiosas, constatou-se a intervenção de organizações  
vinculadas à Igreja Católica com histórica presença no cenário nacional (e às vezes  
internacional) de combate à pobreza, às injustiças sociais e de apoio a iniciativas de resistência.  
Ainda se fazem presentes nos dados entidades étnico-identitárias. São representações dos povos  
indígenas e quilombolas envolvidos nos conflitos, a exemplo da Coordenação Nacional de  
Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ).  
531  
A
r
t
i
g
o
Um dado que se destaca nos conflitos por água no Brasil é a presença de movimentos  
sociais organizados nacionalmente. Em 68,4% dos casos em análise foi identificada a presença  
destes; nota-se a prevalência do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST),  
seguido pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Via Campesina, Movimento dos  
Trabalhadores Urbanos (MOTU), Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais e  
Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), dentre outros. Além destes, vale destacar,  
ainda, a presença de movimentos ou redes de âmbito internacional como a Convergência dos  
Movimentos Populares da América Latina (COMPAL) e a Articulação Internacional dos  
Atingidos pela Vale (empresa responsável pelo desastre de Mariana, em 2015 e Brumadinho  
em 2019). A presença destes movimentos tem particular relevo. De um lado sinaliza a  
importância e a capacidade de articulação das lideranças locais e, por outro, representa a  
possibilidade de avanços em nível de organização, mobilização e politização do conflito. Trata-  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518  
Maria das Graças e Silva; Nailsa Maria Souza Araújo; Pedro Gabriel Silva  
se de movimentos com significativa inserção social e larga trajetória de luta, norteados por  
projetos políticos próprios, o que tende ao enriquecimento do diálogo e das experiências,  
contribuindo para a ruptura com o isolamento destas9.  
Os dados relativos às lutas envolvendo a atividade mineradora também mostram uma  
riqueza de sujeitos envolvidos, conforme se observa na Tabela III, abaixo.  
Tabela 3 - Sujeitos políticos envolvidos em conflitos da mineração no Brasil, por regiões.  
Nº  
Região absoluto  
por região  
Sujeitos políticos em cada região  
Movimento social/Organização de Trabalhadores/Organização de Moradores  
ONG  
Sudeste 239  
Comunidades Urbanas/Operários/Trabalhadores em atividades insalubres  
Agentes do Estado  
Movimento Social/Organização de Trabalhadores/Organização de Moradores  
Povos Indígenas  
Norte  
141  
Quilombolas  
Agricultores Familiares  
Movimento Social/ Organização de Trabalhadores/Organização de Moradores  
Organização Religiosa  
Agricultores Familiares  
ONG  
Nordeste 146  
532  
ONG  
Movimento Social/Organização de Trabalhadores  
Sul  
63  
Moradores de bairros atingidos por acidentes ambientais/Moradores de aterros e/ou  
terrenos contaminados  
Agricultores Familiares  
Povos Indígenas  
A
r
t
Pescadores/Pescadoras Artesanais  
Comunidades Urbanas/Operários  
ONG  
Centro-  
oeste  
29  
i
Total  
618  
g
o
Fonte: Mapa de conflitos envolvendo injustiça ambiental e saúde no Brasil, 2020 (Elaboração própria).  
Observe-se que, exceto nas regiões Sul e Centro-Oeste, a maioria dos sujeitos que  
participam nas lutas socioambientais envolvendo mineração, catalogadas no Mapa, são  
membros de movimentos sociais, de organização de trabalhadores (como sindicatos) e  
organização de moradores. Tal fato mostra uma forte intervenção de movimentos de base e  
9
Disponível  
em:  
DMQhhNKvjk48R0YfsaAojHEALw_wcB>. Acesso em 08 out. 2023.  
Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 521-538, jul./dez. 2023. ISSN 1980-8518